Em mercados

Caixa tem em 2018 lucro recorrente recorde de R$ 12,7 bilhões, 40% acima de 2017

O número recorde é justificado pela melhoria da eficiência operacional e o aumento de receitas, especialmente o resultado da intermediação financeira e a prestação de serviços

Agência da Caixa Econômica Federal em Belo Horizonte
(Wikimedia Commons)

A Caixa anunciou lucro recorrente recorde de R$ 12,7 bilhões em 2018, 40% acima de 2017. Já o lucro líquido contábil foi de R$ 10,4 bilhões, 17,1% menor na mesma comparação.

O número recorde é justificado pela melhoria da eficiência operacional e o aumento de receitas, especialmente o resultado da intermediação financeira e a prestação de serviços.

O patrimônio líquido do banco ficou em R$ 81,2 bilhões, 15,1% maior que ano anterior, decorrente, principalmente, da evolução de 41,0% nas reservas de lucro, explica o comunicado à imprensa.

O retorno recorrente sobre patrimônio líquido médio (ROE) ficou em 16,1%, 2,45 pontos porcentuais maior do que no ano anterior.

Outro destaque do balanço foi o índice de Basileia, de 19,6%, maior que o apresentado em 2017, de 17,65%.

Por sua vez, o índice de eficiência operacional recorrente chegou a 46,5%, melhora de 2,1 p.p. em 12 meses.

As despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa ficaram em R$ 14,9 bilhões, uma redução de R$ 4,3 bilhões em 12 meses, devido ao recuo de R$ 11,8 bilhões na carteira de crédito e da mudança de sua composição, com maior concentração em créditos de baixo risco.

Carteira de crédito

O saldo da carteira de crédito ampla da Caixa apresentou queda de 1,7% no ano, para R$ 694,5 bilhões, “com o comportamento da carteira ainda repercutindo a estratégia adotada pela empresa para equilíbrio de sua estrutura de capital”, segundo o informe de resulta

O saldo da carteira de crédito habitacional cresceu 3,0%, para R$ 444,7 bilhões em dezembro, sendo R$ 265,2 bilhões com recursos FGTS e R$ 179,4 bilhões com recursos Caixa/SBPE. O banco público segue na liderança do segmento, com 68,8% de participação, ganho de 0,6 p.p em 12 meses.

Os contratos pela Caixa de Minha Casa Minha Vida somaram R$ 62,5 bilhões, ou 505.494 novas unidades habitacionais, das quais 21,1% na faixa 1 do programa.

O resultado bruto da intermediação financeira foi de R$ 36,0 bilhões, 15,5% superior, “influenciado pela redução de 22,5% nas despesas com provisão para créditos de liquidação duvidosa e pelo crescimento de 1,0% na margem financeira”, ainda de acordo com o documento.

As receitas com prestação de serviços, por sua vez, tiveram alta de 7,2%, para R$ 26,8 bilhões, “influenciadas pelas receitas de conta corrente, de fundos de investimento e de cartões.”

Seja sócio das maiores empresas da bolsa: invista em ações com TAXA ZERO de corretagem na Clear

 

Contato