Em mercados

JPMorgan aproxima mercado americano de ETF taxa zero

A novidade pode incomodar BlackRock e Vanguard Group, que construíram negócios de trilhões de dólares cobrando pouco por fundos que acompanham índices

ETF
(Fernando Tempel)

(Bloomberg) -- O JPMorgan Chase quer ganhar dinheiro vendendo o ETF mais barato dos EUA.

O banco sediado em Nova York pretende cobrar apenas 20 centavos por cota de US$ 1.000 investida em um novo fundo negociado em bolsa (exchange-traded fund) — menos do que todos os 2.000 ETFs já oferecidos no mercado americano. A informação consta em documento regulatório submetido nesta segunda-feira.

E há quem diga que está caro. Para analistas, o ETF taxa zero é questão de tempo.

A novidade pode incomodar BlackRock e Vanguard Group, que construíram negócios de trilhões de dólares cobrando pouco por fundos que acompanham índices. Emissores mais recentes, como o próprio JPMorgan (que vendeu seu primeiro ETF em 2014), estão preparados para sacrificar receita imediata com taxas em troca de causar surpresa para abocanhar uma fatia desse mercado que movimenta US$ 3,7 trilhões.

“É só baixar que eles vêm”, disse Eric Balchunas, analista de ETFs da Bloomberg Intelligence. “Vimos repetidas vezes que baratear só um ponto-base altera os fluxos, então praticamente não há dúvida de que isso terá sucesso – mesmo que não mude o jogo como faria a despesa zero.”

Mais de 97 por cento dos recursos que entraram em ETFs no ano passado foram para fundos que cobram até US$ 2, de acordo com dados compilados pela Bloomberg. Entre os 11 ETFs montados pelo JPMorgan em 2018, oito cobram menos de US$ 2. Esses fundos atraíram mais de US$ 10,5 bilhões, dobrando o total de ativos do banco em ETFs para US$ 23 bilhões.

Pagando nada

A especulação em torno do ETF taxa zero se intensificou após a Fidelity Investments lançar os primeiros fundos mútuos sem taxa, no ano passado.

A Social Finance, instituição de crédito online conhecida como SoFi, está ajudando a montar dois novos ETFs que não cobrarão taxa de administração pelo menos no primeiro ano, segundo documentos regulatórios apresentados no mês passado. No entanto, a ideia é abrir mão da taxa e não tornar os fundos definitivamente gratuitos. Já a Vanguard recentemente baixou o custo de mais de 10 ETFs para até 30 centavos.

Além do BetaBuilders U.S. Equity ETF, pelo qual o JPMorgan quer cobrar 20 centavos, um ETF do banco dedicado a títulos de renda fixa vai ter taxa de 50 centavos, segundo a documentação. É a mesma taxa cobrada pelo iShares Core U.S. Aggregate Bond ETF, da BlackRock, o maior ETF de renda fixa, com US$ 58 bilhões sob gestão.

 

Contato