Em mercados

Não tão gigante? PIB da China é 12% abaixo do que os dados oficiais mostram, aponta estudo

Dados da economia do gigante asiático sempre foram alvo de desconfiança - e estudo do Brookings Institution ajuda a reforçar essa incredulidade

Bolsa China
(shutterstock)

SÃO PAULO - Há muitos anos sendo classificada como a locomotiva do mundo, a magnitude da economia da China sempre foi alvo também de desconfiança por parte de especialistas do mundo inteiro por conta da baixa transparência do governo do país. 

Reforçando esta incredulidade, um estudo realizado pelo think-thank Brookings Institution, de Washington, aponta que a economia do gigante asiático pode não ser tão gigante assim, sendo 12% menor do que as estatísticas oficiais indicam. De acordo com o paper (confira clicando aqui), que ganhou maior projeção ao ser divulgado nesta quinta-feira pelo jornal britânico Financial Times, o crescimento real da atividade tem sido inflado em 2 pontos percentuais anualmente nos últimos períodos. 

Os acadêmicos - Wei Chen, Xilu Chen e Zheng Song, da Universidade de Hong Kong, e Chang-Tai Hsieh, da Universidade de Chicago - alertam ainda que a desaceleração da economia chinesa é mais severa do que o governo tem reconhecido. Vale destacar que, mesmo tendo como base os dados oficiais, no ano passado o PIB chinês cresceu no menor ritmo desde 1990, com alta de 6,6%.

A análise do artigo abrange anos de 2008 a 2016, por isso não contém uma estimativa para o crescimento do PIB do ano passado ou o tamanho da economia chinesa.

Contudo, ressalta o FT, se o PIB de 2018 fosse extrapolado com o mesmo viés de "sobrevalorização" em relação a que ocorreu até 2016, isso implicaria que a atividade real do ano passado totalizaria cerca de 10,3 trilhões de yuans - ou US$ 1,6 trilhão abaixo do valor oficial de 90 trilhões de yuans. 

O estudo aponta que a ênfase do governo chinês em metas numéricas - um legado do planejamento estatal maoísta - fez do crescimento do PIB uma figura politicamente sensível. O Partido Comunista avalia o desempenho dos quadros locais com base principalmente no crescimento em suas respectivas regiões.

"Como os governos locais são recompensados ??por alcançar metas de crescimento e investimento, eles têm um incentivo para distorcer as estatísticas locais", aponta a equipe de acadêmicos. Eles afirmam que, durante anos, a soma dos PIBs das províncias excedeu o valor nacional, um sinal claro de que os números locais foram inflados. 

Neste sentido, o Departamento Nacional de Estatísticas, NBS, reconheceu que “algumas estatísticas locais são falsificadas” e, em 2017, o governo central acusou três províncias do nordeste da China de fabricar dados.

O documento da Brookings destaca como o NBS em Pequim se esforça para fazer ajustes nos dados inflados que recebe das autoridades locais. A análise conclui que os ajustes do governo central aos dados locais são mais precisos antes de 2007-2008. Contudo, “após essa data, eles não parecem mais precisos”, aponta o estudo. 

Voltando aos números em âmbito nacional da China, além dos dados principais, o artigo conclui que também o o investimento e a produção industrial foram inflados, enquanto os dados oficiais sobre o consumo e o setor de serviços são mais confiáveis. O estudo estima que o crescimento da economia entre 2008 e 2016 foi 1,7 ponto percentual menor, enquanto a taxa de investimento e de poupança ficou nada menos que 7 pontos percentuais inferiores.

Vale destacar que, ultimamente, tanto os governos  locais quanto os policy makers do governo central reduziram sua ênfase nas metas rígidas do PIB.Na abertura do parlamento anual da China, o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, anunciou uma meta de crescimento do PIB de 6% a 6,5% em 2019. Contudo, elas seguem sendo um bom guia para os formuladores de política local, o que ainda deve gerar desconfiança sobre os dados estatísticos para a economia do gigante asiático. 

Conte com a ajuda da melhor assessoria de investimentos do Brasil: abra uma conta na XP - é de graça!

 

 

Contato