Em mercados

Com a cara do mercado? Partido Novo surge para dar voz aos liberais no Brasil

O partido NOVO promete trazer a eficiência e a meritocracia das melhores empresas privadas e o liberalismo econômico para a política brasileira

João Amoêdo
(divulgação)

Eficiência, produtividade, metas e austeridade. Ao ler essas palavras, os brasileiros podem associá-las no máximo a um seleto grupo de empresas, como a Ambev, a Cielo e o Itaú. E a partidos políticos ou governantes? Algum deles é conhecido por adotar esses conceitos? Certamente não, mas ao menos agora há uma promessa. Criado no início de 2011, o partido NOVO se propõe a trazer o melhor da administração das empresas privadas para a gestão pública. “Nós queremos deixar um país melhor para as próximas gerações. Incomoda o fato de pagarmos muitos impostos e não recebermos quase nada em retorno”, afirma João Dionísio Amoêdo, presidente do partido NOVO.

A agremiação política foi lançada por um grupo de 181 pessoas, em sua maioria profissionais liberais, engenheiros, administradores, advogados e médicos. Ninguém tem perfil de “político profissional”. O próprio presidente do partido é engenheiro civil e administrador de empresas, com grande experiência no mercado financeiro – é membro dos conselhos de administração do Itaú BBA e da João Fortes Engenharia e passou por Citibank, Unibanco e outras instituições.

O NOVO ainda não tem registro oficial no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Das 492 mil assinaturas necessárias para a criação de um partido político, a agremiação conseguiu certificar 342 mil e ainda possui outras 190 mil que estão na fila para serem validadas em cartório. Por isso, o partido está fora das eleições de 2014, mas seus líderes esperam participar das disputas municipais daqui a dois anos.

Novos partidos
No último mês de setembro, foram registrados no TSE mais dois partidos políticos: Solidariedade e PROS (Partido Republicano da Ordem Social). O país conta desde então com 32 agremiações. Visto sob qualquer perspectiva, é um número elevadíssimo. Muitos desses partidos não chegam a ter ideias e propostas realmente diferentes, mas são criados apenas para abrigar alguns figurões da política que não conseguiram espaço em agremiações já existentes.

Então o que o Brasil ganharia com um novo partido? “Nenhum dos atuais partidos defende as ideias que nós propomos. Além disso, para atrair pessoas engajadas, com vontade de mudar, seria mais fácil começar do zero”, diz Amoêdo. O jovem estudante Ivan Moncoski, de Relações Internacionais, é um dos simpatizantes da ideia. Um dos pontos que mais desperta seu interesse pelo NOVO é justamente a promessa de não haver tolerância para práticas políticas antigas, como o proselitismo e o toma lá, dá cá. “Além de não ser um instrumento para caciques políticos e coronéis, o partido NOVO oferece realmente ideias novas para problemas antigos”, acredita o estudante de 21 anos.

Uma das propostas é fiscalizar seu quadro político de forma a garantir que as metas estabelecidas no início do mandato sejam cumpridas. Para que isso ocorra, o NOVO propõe que em seu quadro técnico não constarão políticos que estiverem em mandato. Dessa forma, um deputado não pode ser simultaneamente tesoureiro do partido, por exemplo. Outra proposta é vetar mais de uma reeleição consecutiva de filiados que ocupem cargos no Poder Legislativo de forma a impedir o chamado “carreirismo político”. O NOVO promete ainda que todos os seus filiados e candidatos deverão preencher os requisitos da lei da Ficha Limpa.

Liberal na economia
Na economia, o NOVO tende a adotar uma visão mais liberal. Ou seja, defende uma sociedade em que o indivíduo seja mais responsável pela sua vida e não fique tão dependente do estado. Essa corrente de pensamento econômico se iniciou no século XVI com os estudos de Adam Smith e está fortemente enraizada na cultura econômica e política de países como os Estados Unidos e o Reino Unido. “O principal papel do estado na sociedade deve ser a manutenção da segurança do cidadão e da Justiça, preservação da moeda, garantia das liberdades individuais, educação e alguma infraestrutura. O resto deve ir para a iniciativa privada, e tende a ser melhor lá”, defende Amoêdo.

A agremiação política acredita que, com um estado menor, atuando em menos áreas, é possível ter mais foco e ser mais eficiente. Outro ponto em comum entre o partido e o pensamento liberal é a visão de que a grande vantagem da iniciativa privada sobre a pública é a concorrência. A competição entre empresas pode fazer com que elas ofereçam serviços de maior qualidade a preços mais acessíveis do que quando há o monopólio do estado. Os liberais acreditam que a economia pode criar sozinha uma ordem espontânea que beneficia a sociedade como um todo.

Tais ideias fazem muito sentido para o eleitor americano, mas praticamente não reverberam no Brasil. Os três principais partidos políticos com chance de vencer a próxima eleição presidencial – PT, PSDB e PSB – nunca aceitaram o rótulo de liberal e aumentaram os gastos públicos enquanto estiveram no poder, o que pode ser interpretado como um sinal de que a maioria dos brasileiros espera que as soluções para seus problemas partam do estado. O NOVO, portanto, deve enfrentar dificuldade em eleições majoritárias. Mas se conseguisse difundir essas ideias em cargos legislativos, já seria um avanço para o Brasil.

O que pensa o presidente do partido NOVO
Revista InfoMoney: Qual é sua visão sobre a política econômica?

João Amoêdo: Fica claro que o governo está muito preocupado com uma visão de curto prazo, e isso afeta muito a credibilidade e os resultados do longo prazo. O excesso de gastos está trazendo de volta a inflação e contribui para o aumento dos juros. Estamos plantando coisas muito ruins para o futuro. No Brasil, os governantes não assumem seus erros e continuam insistindo neles.

IM: Há alguns anos, o governo adotou a estratégia de apostar em algumas “empresas campeãs” e isso acabou não dando certo. Por quê?

João Amoêdo: Porque quem tem que escolher as empresas campeãs é o consumidor, e não o governo. Aos consumidores que as companhias têm o dever de prestar bons serviços, com bons preços. Na hora em que a empresa deixa de priorizar o atendimento ao cliente para atender o governo, se cria um balcão de negócios.

Os ídolos do partido
Margaret Thatcher: A política britânica ficou conhecida mundialmente não só por ser a primeira mulher a ocupar o cargo de primeira-ministra no Reino Unido como, principalmente, pela sua determinação em cortar gastos desnecessários de forma a tornar o governo mais eficiente, mesmo quando as medidas eram consideradas impopulares.

Milton Friedman: O ganhador do Nobel de Economia em 1976 é um dos principais expoentes da corrente do liberalismo. O economista publicou diversas obras sobre macroeconomia, estatística e história econômica. Sua publicação mais famosa é “Capitalismo e Liberdade”, que afirma que a liberdade econômica é uma das prerrogativas para obter liberdade política.

Frédéric Bastiat: Mais um ícone do liberalismo, o jornalista e economista francês foi opositor ferrenho ao socialismo em seu país na primeira metade do século XIX. Bastiat afirmou que o único propósito de um governo é proteger o direito de um indivíduo à vida, à liberdade e à propriedade.

Roberto Campos: O economista brasileiro foi um dos criadores e presidente do BNDES, ajudou a formular o Plano de Metas do governo do presidente Juscelino Kubitschek, além de ter sido também embaixador do Brasil em Washington e Londres.

Essa matéria foi publicada na edição 49 da revista InfoMoney, referente ao bimestre março/abril de 2014. Para tornar-se um assinante da revista, clique aqui.

 

Contato