EXPERIMENTE!

Clique e experimente a
versão rápida do

Em mercados

Corretora do Morgan Stanley dá sinais de melhora

A margem de lucro ajustado antes de impostos para a corretora cresceu para 13%, aproximando-se da meta de cerca de 15% ao ano

detalhe da sede do banco Morgan Stanley em Nova York
(Brendan McDermid/Reuters)

As operações de gestão de recursos do Morgan Stanley registraram margem de lucro mais forte no terceiro trimestre, excluindo custos não-recorrentes derivados da integração de corretoras e da elevação de sua participação numa unidade controlada conjuntamente pelo banco e pelo Citigroup.

A margem de lucro ajustado antes de impostos para a corretora cresceu para 13% ante 11% no mesmo período no ano anterior, aproximando-se da meta de cerca de 15%, que o Morgan Stanley disse esperar atingir até meados de 2013.

O banco concluiu sua integração de três anos de sua unidade de gestão de recursos e da Smith Barney, do Citibank, em 8 de julho, incluindo as duas unidades em uma plataforma tecnológica completamente integrada.

Além disso, o Morgan Stanely comprou uma fatia adicional de 14% no Morgan Stanley Smith Barney em setembro, elevando sua participação na corretora para 65%. O banco pretende eventualmente adquirir a fatia remanescente.

"Resultados de iniciativas na Gestão de Recursos Global são cada vez mais visíveis, agora que estamos em uma só plataforma", disse a vice-presidente executiva, Ruth Porat, em teleconferência nesta quinta-feira.

A executiva disse que maior controle da corretora gerará maior retorno sobre o capital improdutivo para o negócio, levando a expansão da receita.

A receita com operações de gestão de ativos cresceu 3% para US$ 3,3 bilhões no terceiro trimestre, enquanto o total de ativos de clientes aumentou 14% para US$ 1,77 trilhão de dólares à medida que os mercados melhoraram.

O lucro das operações de corretagem, no entanto, caiu 32% para US$ 151 milhões.

A unidade arcou com custos não recorrentes de US$ 193 milhões devido à integração e à compra da participação no terceiro trimestre. Cerca de 17 milhões dessas despesas foram custos relacionados a compensações associados com a integração da unidade de gestão de recursos.

Contato