Em mercados

Ibovespa registra forte queda, pressionado por front internacional

Cenário político europeu e PMI's de China e Zona do Euro pressionam mercado; investidores aguardam projeções do Boletim Focus

SÃO PAULO - O Ibovespa inicia o pregão regular desta segunda-feira (23) com queda de 1,79%, aos 61.378 pontos. Nesta sessão, os investidores digerem dados econômicos da Europa e da China, enquanto repercutem o cenário econômico na Zona do Euro.

Sem indicadores na agenda norte-americana, destaque para a desaceleração das atividades econômicas da China e da Zona do Euro. Na Ásia, o HSBC mostrou que o PMI (Purchasing Manager's Index) de manufatura da China atingiu 49,1 em abril, acima dos 48,3 vistos em março. Porém, o número abaixo de 50 indica para uma retração da atividade.

Já o PMI composto da Zona do Euro - uma medida da atividade tanto do setor de serviços quanto da indústria de transformação - também permaneceu abaixo de 50, encolhendo pelo sexto mês em abril. Segundo leitura preliminar do HSBC em conjunto com o instituto Markit, o indicador marcou 47,4, contra 49,1 da medição final de março.

Destaques do pregão
Entre as maiores quedas da carteira teórica do Ibovespa neste início de sessão, destaque para as ações de Gafisa (GFSA3, R$ 3,73,-3,62%), MRV Engenharia (MRVE3, R$ 11,86, -3,58%), MMX (MMXM3, R$ 9,33, -3,42%), JBS (JBSS3, R$ 7,41, -3,26%) e Brookfield (BISA3, R$ 5,12, -3,03%). 

Agenda doméstica
No ambiente nacional, além dos tradicionais Boletim Focus e balança comercial, os investidores também avaliam o resultado do IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor - Semanal) de 22 de abril, que marcou a mesma taxa de variação da última semana, de 0,57%, conforme dados divulgados da FGV (Fundação Getulio Vargas). 

Cenário político europeu
Além de indicadores econômicos, o mercado também avalia o resultado do primeiro turno das eleições presidenciais na França e os problemas fiscais na Holanda. Na França, o candidato socialista François Hollande obteve 28,5% dos votos, contra 27,1% do atual primeiro-ministro, Nicolas Sarkozy. O segundo turno das eleições acontece em 6 de maio.

Já na Holanda, o primeiro-ministro Mark Rutte deve renunciar depois de não conseguir chegar a um acordo com os membros do governo de coalizão sobre as medidas de austeridade exigidas pela Comissão Europeia.


 

Contato