Em mercados

Ibovespa avança com timidez ao lado das bolsas norte-americanas

Após decepção com indicados em Wall Street, fortes ganhos da Europa não se consolidam em outros mercados

SÃO PAULO - O Ibovespa apresenta leve alta de 0,39% no início da tarde desta quinta-feira (15) e atinge 56.507 pontos com volume financeiro de R$ 2,23 bilhões, às 12h49 de Brasília.

Por aqui, o principal índice da bolsa brasileira apresenta trajetória de ganhos semelhante ao observado em Wall Street, que reduziu ganhos após decepção com diversos indicadores econômicos.

Com isso, nem o Ibovespa nem as bolsas norte-americanas conseguem acompanhar a forte alta registrada na Europa, que chega a 3%, em meio ao clima favorável criado pela queda dos yields dos títulos espanhóis e dados de inflação de agosto na Zona do Euro, o que não significa que a crise fiscal na região esteja perto do fim.

Altas e baixas
O principal destaque positivo fica com as ações da Fibria (FIBR3), que registram valorização de 2,04% e são cotadas a R$ 17,04. Apesar dessa variação, a baixa acumulada desde o início do ano chega a -34,89%.


Por outro lado, o pior desempenho fica com os papéis da Natura (NATU3), que são cotados a R$ 35,74 e apresentam baixa de 2,62%.

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 FIBR3 FIBRIA ON 17,04 +2,04 -34,89 14,84M
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN 28,84 +1,98 -25,41 112,78M
 MMXM3 MMX MINER ON 8,30 +1,97 -26,09 25,32M
 BBDC4 BRADESCO PN 28,92 +1,83 -10,27 65,45M
 RDCD3 REDECARD ON 25,99 +1,52 +32,55 19,67M

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód. Ativo Cot R$ % Dia % Ano Vol1
 NATU3 NATURA ON 35,74 -2,62 -21,51 16,82M
 MRFG3 MARFRIG ON 8,19 -2,15 -46,75 11,98M
 TLPP4 TELESP PN 50,43 -1,79 +32,14 10,67M
 BTOW3 B2W VAREJO ON 17,00 -1,56 -45,34 4,73M
 DTEX3 DURATEX ON 10,34 -1,52 -29,56 1,97M
* - Lote de mil ações
1 - Em reais (K - Mil | M - Milhão | B - Bilhão)

Bolsas internacionais
Nos EUA, os principais índices de ações avançam cerca de 0,5%, após redução dos ganhos em virtude da decepção com indicadores de emprego, inflação para o consumidor e setor industrial.

Enquanto isso, na Europa, os ganhos são gerais e superam a marca dos 3%. O continente ainda encontra-se em meio ao turbilhão de nervosismo e volatilidade em função da crise fiscal na região.

A única exceção no velho mundo fica por conta do índice SMI da bolsa de Zurique (+0,2%), pressionado pelo anúncio de suspeita de fraude no valor de US$ 2 bilhões no gigante UBS.

Juros e câmbio
As taxas dos principais contratos de juros futuros operam instáveis nesta quinta-feira, com leve queda nos contratos mais curtos e ligeira alta nos vencimentos mais longos. O cenário externo continua no foco dos agentes, como as perspectivas da economia em função da crise da dívida soberana da Zona do Euro e divulgação de indicadores norte-americanos. 

Por fim, o dólar comercial está sendo cotado a R$ 1,7120 na compra e R$ 1,7140 na venda, baixa de 0,52% em relação ao fechamento anterior.

 

Contato