Em mercados

Ibovespa acompanha mercados externos e inicia pregão em queda

Aversão ao risco se mantém mesmo com pacote de US$ 447 bilhões revelado por Obama, o qual superou as projeções

SÃO PAULO – O Ibovespa acompanha os mercados internacionais e devolve parte dos ganhos acumulados durante os dois últimos pregões ao iniciar a sessão desta sexta-feira (9) em queda de 0,63%, aos 57.262 pontos, mesmo após Barack Obama anunciar um pacote de US$ 447 bilhões para estimular a criação de empregos nos EUA, superando as expectativas de um pacote de US$ 300 bilhões.

Por outro lado, os receios com tal plano recaem sobre a necessidade de aprovação no divido congresso, no qual Obama detém a maioria apenas no senado. Além do mais, dos US$ 447 bilhões propostos, US$ 240 bilhões serão provenientes de cortes de impostos.

Ademais, na tarde de quinta-feira (8) o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, frustrou as expectativas do mercado ao não revelar em seu discurso nenhum detalhe com relação aos instrumentos que a instituição poderá utilizar para incentivar a economia.

Ações
As ações que figuram entre as maiores quedas percentuais do índice são as ordinárias da Brasil Ecodiesel (ECOD3, R$ 0,65, -2,99%),  da MRV Engenharia (MRVE3, R$ 13,47, -2,81%), da Cyrela Realty (CYRE3, R$ 15,21, -2,50%), preferenciais da Klabin (KLBN4, R$ 5,27, -2,23%) e ordinárias da Fibria (FIBR3, R$ 15,32, -2,11%).

Análises
O analista gráfico da Gradual Investimentos, Régis Chinchila, escreve em comentário diário que o suporte imediato continua na faixa dos 55 mil pontos, enquanto o Ibovespa atingiu novamente seu objetivo de curtíssimo prazo na região de 58 mil pontos. "Para dar continuidade ao movimento de alta, precisa romper a forte resistência em 58.60 pontos", indica.

Já a equipe do Bradesco BBI chama a atenção para o fato de que os principais índices acionários do mundo revelam quedas, guiadas pela piora na conjuntura econômica e pelo aumento da preocupação com um calote grego. "Com isso, esperamos que este mau humor contamine o mercado doméstico e imponha à bolsa de valores brasileira um dia de variação negativa", escrevem em comentário diário.

PIB brasileiro deverá crescer menos
Por aqui, o presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, alertou que a projeção para o PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil para 2011 deverá ser revisado para baixo no final do mês.

Apesar de não indicar valores, o presidente da instituição alertou em entrevista ao canal de notícias Globonews que o corte de 50 pontos-base na taxa Selic ocorreu em meio à desaceleração da economia mundial e de seus desdobramentos no Brasil. No entanto, a meta de inflação deverá ser alcançada, sinalizou. 

Por outro lado, o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) divulgado nesta manhã revelou alta de 0,43% nos preços, conforme dados coletados entre os dias 21 e 31 de agosto. 

De volta ao cenário externo, o restante da sessão prevê a divulgação do Wholesale Inventories, indicador que mede as vendas e os estoques do setor atacadista norte-americano, além da reunião entre os ministros de Finanças do G-7 na França, em evento que se estenderá durante o final de semana, com a presença dos presidentes dos bancos centrais. Ainda lá fora, o Japão para baixo o PIB registrado no 2º trimestre do ano, o que motivou a bolsa de Tóquio a fechar em queda.

 

Contato