Nikkei recua, com baixa de importadoras e temores políticos; Xangai sobe

Mitsui terá que pagar por parte do vazamento de petróleo no Golfo do México e primeiro-ministro do Japão renuncia ao cargo

SÃO PAULO – O índice Nikkei fechou com desvalorização nesta quarta-feira (2), com declínio de importadoras e de commodities.

Na China, a bolsa de Hong Kong também caiu, enquanto a bolsa de Xangai avançou, tendo o índice Shangai Composite fechado em leve alta após uma baixa de 1,8% no intraday.
 

  %Var Dia  Pontos  %Var 30D  %Var Ano 
 Nikkei-1,129.603-13,15-8,94
 Hang Seng-0,1319.472-6,44-10,97
 Shangai Comp.+0,122.571-10,42-21,53

Desastre afeta Tóquio
A Mitsui disse que terá que pagar por parte do desastre petrolífero no Golfo do México, pois possui participação de 10% em uma das unidades com vazamento de óleo bruto, segundo noticiado no Wall Street Journal.

Em meio ao cenário, as ações da importadora despencaram 8,3%, assim como as da Mitsubishi, que relataram desvalorização de 3,8%. Na mesma esteira, os papéis de Sumitomo e Japan Drilling recuaram 2,7% e 7,1%, respectivamente.

Encerrando em Tóquio, Yukio Hatoyama renunciou ao cargo de primeiro ministro, ao ser pressionado pela queda nos índices de popularidade e pela perda de apoio político, após polêmica sobre a instalação de bases norte-americanas no Japão.

Estímulos animam Xangai
O governo da China proverá até 50 mil yuans para a compra de automóveis híbridos, que utilizam parcialmente gasolina, e até 60 mil yuans para veículos equipados apenas com baterias elétricas, de acordo com o Ministério das Finanças.

Diante da expectativa de maiores vendas com as medidas estatais, as ações da SAIC Motor subiram 1,7%, em linha com as de Chongqing Changan Automobile e Anhui Jianghuai Automobile, com ganhos de 5,2% e 3,4%, respectivamente.