Nexpe (NEXP3): Justiça de São Paulo aceita pedido de recuperação judicial

A companhia também deve apresentar o plano de RJ do grupo no prazo de 60 dias corridos, a contar da publicação da decisão judicial de deferimento

Equipe InfoMoney

Publicidade

A Nexpe Participações ([ativo=NEXP3]), antiga BR Brokers, informou na noite de quarta-feira (15) que o pedido de recuperação judicial foi deferido pela 3ª Vara de Falências e Recuperações Judiciais do Foro Central da Comarca de São Paulo.

A decisão judicial de deferimento, dentre outras providências, determina a suspensão de todas as ações e execuções atualmente em curso contra o grupo Nexpe pelo prazo de 180 dias, além da apresentação, com prazo de 15 dias, de habilitações e/ou divergências de créditos no âmbito do processo de recuperação judicial.

A Nexpe também deve apresentar o plano de recuperação judicial do grupo no prazo de 60 dias corridos, a contar da publicação da decisão judicial de deferimento.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“A companhia reitera seu compromisso de manter seus acionistas, investidores e o mercado em geral devidamente informados sobre o desenvolvimento dos assuntos relacionados à Recuperação Judicial, na forma da legislação e regulamentação vigentes”, apontou a empresa.

A companhia comunicou na última terça-feira (14) ter feito o pedido de recuperação judicial, em conjunto com suas subsidiárias Abyara Brokers Intermediação Imobiliária, Basimóvel Consultoria Imobiliária, Bamberg Imóveis, Global Consultoria Imobiliária, MF Consultoria Imobiliária, Tropical Corretora e Consultoria Imobiliária e Niterói Administradora de Imóveis. Na sessão daquela data as ações caíram 47%. 

A companhia destacou que, “em que pese os esforços adotados pela administração do Grupo Nexpe nos últimos meses, em conjunto com seus assessores financeiros e legais, a fim de diminuir os impactos negativos causados pelas contingências trabalhistas do Grupo Nexpe e pela queda de faturamento que o mercado imobiliário sofreu durante os anos da pandemia da Covid-19, os membros do Conselho de Administração da Companhia aprovaram, em unanimidade, a apresentação da Recuperação Judicial”.

Continua depois da publicidade

Conforme destaca o Bradesco BBI, com um market cap apenas R$ 13 milhões, a situação desafiadora da Nexpe não é uma surpresa para o mercado.

“A antiga BrBrokers já foi uma das maiores corretoras de imóveis do Brasil e alcançou R$ 2,8 bilhões em valor de mercado após seu IPO em 2008. Então, a mensagem para o mercado é negativa, embora não esperemos grandes efeitos colaterais para o nomes sob nossa cobertura”, avalia.

O BBI ressalta que o negócio de corretagem da Nexpe encolheu significativamente durante a recessão de 2015-2017 e também sofreu durante a pandemia, que desencadeou uma quantidade significativa de contingências trabalhistas (144 ações no 3T22 e 300 no 1T21), consumindo R$ 62 milhões em caixa nos últimos dois trimestres e deixando a empresa com caixa de apenas R$ 30 milhões no 3T22.

“A notícia da RJ  sugere que a tendência de baixa persiste, com o processo judicial visando organizar esses pagamentos e proteger o caixa restante. A Nexpe registrou receita líquida de R$ 91 milhões e Ebitda [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações] negativo de R$ 28 milhões nos primeiros nove meses de 2022 (incluindo R$ 13 milhões em provisões trabalhistas)”, avalia.