Nasdaq impulsiona bolsas latino-americanas

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As bolsas latino-americanas fecharam em alta generalizada nesta quarta-feira, influenciadas pela forte valorização dos índices norte-americanos. Às 15h46 do horário de Nova York, o Nasdaq Composite e o S&P500 registravam altas de 2,46% e 0,18%, respectivamente; enquanto isso o Dow Jones Industrial apresentava variação negativa de 0,83%, apesar de ter registrado variação positiva durante a maior parte do pregão.
O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires fechou em alta de 1,47%. Ontem o Indec, Instituto Nacional de Estatísticas e Censos, divulgou a prévia do estimador industrial mensal do mês de dezembro, que apresentou uma variação de 7,1%, em relação ao mês anterior. Apesar da prévia de dezembro ter sido o melhor resultado mensal desde 1993, a prévia acumulada no ano registrou crescimento nulo. Hoje, o governo argentino realizou a venda de US$ 500 milhões em bônus globais de 30 anos para investidores locais. A operação é o primeiro passo de um plano que pretende captar cerca de US$ 2,6 bilhões no mercado local, onde o governo visa obter custos de financiamento mais baixos do que no mercado internacional.
As maiores altas entre os componentes do índice Merval ficaram para as ações da Telecom de Argentina (+3,63%), da Atanor Industria Quimica (+3,41%), da Telefonica (+2,69%) e da siderúrgica Siderar (2,27%). Contrariando a tendência da bolsa argentina, os destaques de baixa ficaram para ações da Garovaglio y Zorraquin (-4,89%), do Banco Galicia y Buenos Aires (-3,51%) e da termoelétrica Central Puerto (-1,87%).

O índice IPC da Bolsa do México encerrou o pregão em alta de 1,25%, após a divulgação da balança comercial de 2000. Hoje, o Ministério da Economia divulgou que a balança comercial do ano passado registrou déficit de US$ 7 bilhões, contra US$ 7,914 bilhões em 1999. Nesta quarta-feira, o secretário da economia, Luis Ernesto Batista, declarou que as exportações mexicanas deverão registrar uma queda de 50%, em função da desaceleração da economia norte-americana. Apesar deste quadro, acompanhado pela baixa cotação do preço do petróleo, o secretário acredita que as metas de crescimento para este ano, de 4% a 4,5%, não se modificarão.

A maior alta entre os componentes do índice IPC ficou para Grupo Alfa, que fechou com variação positiva de 10,22%, após a divulgação da decisão do governo mexicano de oferecer gás natural pela metade do preço de mercado, durante três anos, às empresas do setor. A Hylsamex, que tinha anunciado na semana passada que iria fechar algumas minas em função do alto preço do gás natural, também se beneficiou da medida do governo e encerrou em alta de 2,83%. Outros destaques ficaram para as ações do Grupo Sanborns (+5,15%), da Television Azteca (+5,08%) e do Grupo Industrial Maseca (+4,09%). Por outro lado, as maiores quedas entre os componentes do índice IPC ficaram para as ações da TAMSA (-12,31%), da Corporacion Interamericana de Entretenimiento (-3,17%) e do Fomento Econômico Mexicano (-2,67%).

O índice IBVC da Bolsa de Caracas fechou em alta de 0,35%, após a decisão da OPEP de reduzir a produção do petróleo visando a sustentação do preço do produto no mercado internacional. Hoje, a OPEP (Organização dos Países Produtores de Petróleo) decidiu diminuir sua produção diária de petróleo em 1,5 milhão de barris, a partir do dia 1.o de fevereiro. Com isso, a Venezuela terá que fazer um corte de 174 mil barris por dia. O secretário geral do OPEP, Ali Rodriguez, acredita que a medida irá estabilizar o preço do petróleo, que caiu muito em dezembro, e espera que outros países exportadores, e que não fazem parte do OPEP, sigam a mesma trajetória. Ali também declarou para a próxima reunião, que será realizada dia 16 de março, está sendo estudada outra redução de um milhão de barris.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa +2,81%
Colômbia IBB-0,85%
Chile IPSA+0,78%
Peru ISBVL+0,77%

Compartilhe