AO VIVO Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Impeachment

Não era para subir? Os 3 motivos que explicam por que a Bolsa opera estável hoje

Mercado mostra a validade de uma velha regra, enquanto repercute exterior e uma incerteza no horizonte

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O que todos os analistas e notícias sobre o mercado financeiro diziam sobre o impeachment é que ele era visto como positivo pelos investidores e demais agentes econômicos por significar uma mudança de governo e, consequentemente, da política econômica para a ortodoxia. Isso foi visto em alguns dias-chave dos últimos meses como o da revelação da delação do senador Delcídio do Amaral (sem partido-MS) e o do vazamento das gravações de conversas do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva com a presidente Dilma Rousseff. No entanto, um dia depois de aceito o processo de impedimento no plenário da Câmara dos Deputados, o desempenho do Ibovespa é errático. Por que?

Não há só uma, mas três respostas para esta pergunta. Podemos até recorrer a um dos maiores lugares comum do investimento em renda variável. 

Sobe no boato…
A regra é clara e antiga, mas alguns investidores sempre se esquecem dela em megaeventos como uma votação de impeachment: a Bolsa sobe no boato e realiza no fato. O que quer dizer que os investidores, buscando ganhar dinheiro com algum fato positivo, procuram antecipá-lo e, por outro lado, aproveitam a confirmação dele para embolsar o lucro. Isso é exatamente o que ocorre hoje. “O meu diagnóstico é que o movimento de hoje foi um comprar no boato e vender no fato”, diz Rodrigo Otávio Marques, sócio-gestor da Queluz. Para ele, o mercado precificou muito a vitória da oposição na semana passada. 

Petróleo despenca
As negociações entre os membros da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e os demais países produtores terminaram sem acordo para a limitação à produção. O motivo é que a Arábia Saudita e outras nações do Golfo Pérsico informaram que não concordariam com nenhum acordo sem a adesão de todos os membros do grupo exportador de petróleo, incluindo o Irã. Como resultado, o barril do WTI (West Texas Intermediate) cai 2,97% a US$ 39,16 e o barril do Brent recua 2,69% a US$ 41,90. O impacto maior disso no Brasil é obviamente nas ações da Petrobras (PETR3; PETR4), que caem 2%. Para o sócio-gestor da Queluz, o potencial que a Bovespa tem de divergir do cenário de commodities é limitado e isso fica claro nesta segunda. 

Ninguém sabe o futuro
O mercado brasileiro também cai por um motivo menos óbvio: a preocupação com o futuro. Se o impeachment está relativamente garantido, a recuperação da economia não está. Muitos esperam que o vice-presidente da República, Michel Temer, venha com uma agenda de austeridade fiscal e de combate à inflação. Contudo, até onde ele poderá fazer reformas importantes sem inviabilizar totalmente uma candidatura própria em 2018? “O próximo passo é pensar na popularidade do Temer. Nos próximos dois dias a Bolsa seguirá realizando”, afirma Marques. 

Especiais InfoMoney:

Carteira InfoMoney rende 17% no 1º trimestre; 5 novos papéis entraram no portfólio de abril

Trader que perdeu R$ 285.000 com Telebras conta como deu a volta por cima

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa

PUBLICIDADE