Eletrobras (ELET6): ações sobem com incorporação de Furnas aprovada após AGE liberada por STF

Durante a tarde, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu ao pedido da companhia e determinou a cassação das decisões que haviam suspendido a realização

Equipe InfoMoney

Publicidade

Em “decisão relâmpago”, os acionistas da Eletrobras (ELET3;ELET6) aprovaram na tarde desta quinta-feira (11) a incorporação de Furnas, o que impulsiona as ações na reta final do pregão. As ações encerraram o dia com alta de 1,05%, cotadas a R$ 43,21 para ELET3 e 1,37%, a R$ 48,18 para ELET6.

Durante a tarde, o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), atendeu ao pedido da Eletrobras e determinou a cassação das decisões que haviam suspendido a realização da Assembleia-Geral Extraordinária (AGE), cujo objetivo era votar a incorporação da subsidiária ao capital da companhia, o que já impulsionado os ativos.

A ação foi ajuizada pela Eletrobras no último dia 30 contra liminares proferidas durante o plantão judicial por desembargadores do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ) e do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT-1), a pedido da Associação dos Empregados de Furnas (Asef).

Treinamento Gratuito

Manual dos Dividendos

Descubra o passo a passo para viver de dividendos e ter uma renda mensal previsível, começando já nas próximas semanas

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os desembargadores entenderam que a AGE deveria ser suspensa devido a uma ação da Advocacia-Geral da União (AGU) que questiona a redução do poder de voto da União na Eletrobras.

No mês passado, o ministro Kássio Nunes Marques enviou o processo para conciliação e fixou prazo de 90 dias para a tentativa de solução consensual entre as partes.

Quando recorreu ao STF, a Eletrobras alegou que os tribunais de instâncias inferiores usurparam a competência da Corte e que as liminares que suspenderam a AGE foram “muito além do que a Corte Suprema do País decidiu”.

Continua depois da publicidade

Moraes acolheu o argumento da Eletrobras e afirmou que os tribunais, ao suspenderem a realização da AGE, acabaram por afastar a própria incidência da lei que trata da desestatização da companhia.

(com Estadão Conteúdo)