AO VIVO Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Radar InfoMoney

Moody’s corta rating de 29 bancos; 11 balanços, americanos de olho na Oi e mais notícias

Em destaque, também está a perspectiva por mudança em companhias aéreas; Moody's também cortou o rating de outras empresas, como Ambev e Fibria

SÃO PAULO – Se o noticiário lá fora está bastante movimentado, o cenário corporativo desta sexta-feira (26) também é movimentado, com destaque para a bateria de resultados e os diversos cortes de rating feito pela Moody’s para empresas brasileiras. Confira as principais notícias do dia:

Oi
A Telecom Italia, dona da TIM Participações (TIMP3), descartou a fusão com a Oi (OIBR4). Com isso, a operadora brasileira está no radar de dois fundos americanos de investimento, o Cerberus e o Elliot, segundo informações da Folha de S. PauloAmbos têm interesse em comprar a Oi, mas, para isso, é preciso que o contrato de exclusividade assinado entre a operadora brasileira e o fundo de investimento russo LetterOne não seja renovado. O prazo vence em maio.

Aéreas
Segundo a Folha, o governo anunciará nas próximas semanas proposta para elevar o limite de participação de capital estrangeiro nas empresas aéreas dos atuais 20% para até 49%. A medida é parte da estratégia da equipe econômica de tentar conter a forte retração econômica e vem sendo tocada paralelamente às iniciativas para reequilibrar as contas públicas. As maiores empresas do setor têm registrado prejuízo em suas operações, o que, teme o governo, pode levar a um processo de aumento no preço das passagens aéreas.

Moody’s
Na esteira do corte de rating soberano na quarta feira de Baa3 para Ba2, a Moody’s cortou o rating de diversas companhias brasileiras. O rating da BRF (BRFS3) foi cortado de Baa2 para Ba1, com perspectiva negativa, enquanto o da Fleury passou de Ba1 para Ba2, com perspectiva negativa. O rating da Fibria (FIBR3) foi rebaixado de Baa2 para Ba1, enquanto o da Ambev (ABEV3) passou de Baa1 para Baa3. A Braskem (BRKM5) teve seu rating cortado de Baa2 para Ba1. A Ultrapar (UGPA3) foi cortada em dois degraus, de Baa2 para Ba1. 

A agência fez também ações de rebaixamento de rating para 30 bancos brasileiros e para a BM&F Bovespa, assim como para seguradoras, resseguradoras e companhias de infraestrutura nas áreas de água, energia e transportes, todos com perspectiva negativa. Dentre os bancos, estão Banco do Brasil, Caixa Econômica, Bradesco, Itaú Unibanco e BNDES. O rating de longo prazo em escala global das notas seniores não asseguradas da BM&FBovespa foi rebaixado de Baa2 para Ba1, com perspectiva negativa.

O rating de longo prazo em escala global das notas seniores não asseguradas da BM&FBovespa foi rebaixado de Baa2 para Ba1, com perspectiva negativa.

A agência modificou os ratings de depósito de longo prazo em moeda global das seguintes companhias:

  • Banco ABC Brasil: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Alfa de Investimento: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco BBM: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • PUBLICIDADE

    Banco Bradesco S.A. and Banco Bradesco S.A. (unidade Cayman): rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco BTG Pactual S.A.: rebaixado de Ba2 para Ba3, com perspectiva;

  • Banco Cetelem S.A.: rebaixado de Ba1 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Citibank S.A.: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Daycoval S.A.: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco do Brasil S.A. e Banco Do Brasil S.A. (unidade Cayman): rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco do Nordeste do Brasil S.A.: rebaixado de Ba1 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco do Estado do Rio Grande do Sul S.A.: rebaixado de Ba1 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • PUBLICIDADE

    Banco do Estado de Sergipe S.A.: rebaixado de Ba2 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco do Estado do Pará S.A.: afirmado em Ba3, perspectiva negativa;

  • Banco Ford S.A.: rebaixado de Ba1 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco GMAC S.A.: rebaixado de Ba2 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Industrial do Brasil S.A.: rebaixado de Ba2 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Sofisa S.A.: rebaixado de Ba2 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • BNDES – Banco de Desenvolvimento Econômico e Social: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Mizuho do Brasil S.A.: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • PUBLICIDADE

    Banco PSA Finance Brasil S.A.: rebaixado de Ba2 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Safra S.A. and Banco Safra S.A. (unidade Cayman): rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Santander (Brasil) S.A. e Banco Santander (Brasil) S.A. (unidade Cayman): rebaixado de Ba1 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Banco Votorantim S.A. e Banco Votorantim S.A. Nassau: rebaixado de Ba1 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Caixa Econômica Federal: rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • China Construction Bank (Brasil) S.A. e China Construction Bank (Brasil) S.A. (Unidade Cayman): rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • HSBC Bank Brasil S.A.: rebaixado de Baa3 para Ba3;

  • ING Bank N.V. – (unidade São Paulo): rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa;

  • Itaú Unibanco S.A. and Itaú Unibanco S.A. (unidade Cayman): rebaixado de Baa3 para Ba3, com perspectiva negativa.

Petrobras
A Petrobras (PETR3;PETR4) iniciou negociações para alienação da nova Transportadora Sudeste, segundo comunicado ao mercado.  “Porém, não há até o momento qualquer acordo firmado que confira segurança quanto à conclusão da transação, nem deliberação por parte da Diretoria Executiva ou do Conselho de Administração da Petrobras”, informou, afirmando que “fatos julgados relevantes sobre o tema serão tempestivamente  divulgados ao mercado”

Cetip 
Os maiores acionistas da Cetip (CTIP3) estão dispostos a aceitar a maior parte dos termos da oferta de aquisição não solicitada da rival BM&FBovespa, disseram três fontes familiarizadas com o tema à Reuters. Segundo as fontes, que pediram para ficar anônimas porque as deliberações sobre a questão permanecem privadas, alguns membros do conselho da Cetip querem que a BM&FBovespa limite o alcance do trabalho de due diligence. A oferta da BM&FBovespa, revelada na semana passada, avalia a Cetip em 10,8 bilhões de reais.

Embora o conselho se sinta “confortável” com a proposta de 41 reais por ação que a BM&FBovespa apresentou, alguns membros gostariam de ver uma leve melhora na oferta, disse a primeira fonte. Uma possibilidade seria permitir que acionistas da Cetip recebam juros pela Selic sobre o preço por ação oferecido em uma data anterior, até que o acordo seja concluído, disse a fonte. As fontes afirmaram que a Cetip pretende dar uma resposta à BM&FBovespa, décima maior bolsa do mundo em valor de mercado, a partir da semana que vem. A companhia divulga seu resultado do quarto trimestre em 3 de março.

“Acreditamos que a probabilidade dos acionistas da Cetip aceitarem é grande, dado o múltiplo que está sendo oferecido pela BM&FBovespa. Além da operação fazer todo sentido”, afirma a XP Investimentos. 

Eletropaulo
Erros em indicadores de qualidade da distribuidora de energia Eletropaulo (ELPL3ELPL4) que fizeram a empresa provisionar 152 milhões de reais nos últimos dois balanços trimestrais foram vistos como “grosseiros” pela fiscalização do regulador estadual e derrubaram o diretor de Operações da empresa em 2015, segundo duas fontes e documentos vistos pela Reutes. A companhia foi multada em 77 milhões de reais pela agência paulista Arsesp, sendo uma infração de 31,5 milhões no final de 2015 e uma de 45,7 milhões em janeiro deste ano, por má qualidade e falhas nos dados que medem duração e frequência de blecautes.

BRF
A BRF (BRFS3) teve lucro líquido de R$ 1,4 bilhão no quarto trimestre, avanço de 42,8% sobre o mesmo período do ano anterior, informou na noite de quinta-feira. A maior exportadora de carne de frango do mundo teve Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização) de R$ 1,885 bilhão, alta de 7% na base de comparação anual. A companhia aprovou dividendos complementares de R$ 0,121749293 por ação. 

Segundo o Credit Suisse, o resultado foi forte e acima do esperado, destacando a margem Ebitda consolidada bastante acima do consenso, devido à alta da margem das operações internacionais. “A BRF está no caminho para entregar margens saudáveis no próximo trimestre, devido à combinação do mercado de exportação ainda forte (real mais depreciado), aumento de preços no Brasil, estabilização do preco de grãos e maturação das aquisições recentes”, ressalta o Credit, que segue com recomendação outperform. 

Queiroz Galvão
A Queiroz Galvão e Participações (QGEP3) comunicou que retificará o procedimento contábil atual adotado de registro do impacto da variação do dólar nas suas provisões de abandono. O efeito da variação cambial sobre a provisão de abandono, que vinha sendo contabilizado como resultado financeiro líquido até então, passará a ser registrado no respectivo ativo imobilizado, impactando a amortização no período. Esta pratica contábil está em linha com a interpretação do CPC 25 (Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes) e ICPC 12 (Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares).

Multiplus
A administradora de programas de fidelidade Multiplus (MPLU3) teve um lucro de R$ 125,7 milhões no quarto trimestre de 2015, um aumento de 50% em relação aos R$ 83,6 milhões do mesmo período do ano anterior, mas menos do que os R$ 144,8 milhões registrados no terceiro trimestre de 2015. Já a receita líquida foi de R$ 580,6 milhões no 4T15, 22% maior do que a registrada no último trimestre de 2014, que foi de R$ 476,1 milhões e 0,9% menor do que a vista no 3º trimestre do ano passado, que foi de R$ 586,2 milhões.  

Grendene
A fabricante de calçados Grendene (GRND3) teve um lucro de líquido de R$ 240,3 milhões no quarto trimestre de 2015, um crescimento de 22,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, quando o lucro foi de R$ 195,9 milhões. Já o Ebitda (Lucro antes de Juros, Impostos, Depreciações e Amortizações, na sigla em inglês) da companhia foi de R$ 183,3 milhões no 4T15, uma queda, quando comparado aos R$ 187,1 milhões do quarto trimestre de 2014. A receita líquida, por sua vez, foi de R$ 674,9 milhões no último trimestre do ano passado, contra os R$ 740,4 milhões do último trimestre do ano anterior, representando um recuo de 8,9%. 

Iochpe-Maxion
A Iochpe-Maxion (MYPK3), que opera no segmento de autopeças, teve um prejuízo líquido de R$ 16,6 milhões no quarto trimestre de 2015, após fazer um lucro líquido de R$ 40,2 milhões no mesmo período do ano passado. O Ebitda da companhia foi de R$ 164,1 milhões, no último trimestre do ano passado, uma queda de 9,6% em relação ao último trimestre de 2014. Já a receita líquida foi de R$ 1,836 bilhão no 4T15, um aumento de 24,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. 

CCR
A empresa de concessões de infraestrutura CCR¨(CCRO3) teve queda no lucro do quarto trimestre, afetada por menor tráfego em estradas que administra e maior custo do serviço da dívida. A empresa informou nesta quinta-feira que teve lucro líquido de R$ 244,8 milhões no quarto trimestre, queda de 36,2% ante mesmo período de 2014. O resultado operacional da CCR medido pelo Ebitda ajustado ficou em R$ 984,5 milhões, recuo de 4,1% na comparação ano a ano. A margem Ebitda ajustada caiu 9 pontos percentuais, para 58,2%.

Hering
A varejista de moda Cia Hering (HGTX3) vê incertezas no desempenho das vendas nos próximos trimestres sob impacto do ambiente econômico, depois de que seu lucro líquido caiu 24% nos últimos três meses de 2015, período considerado o mais importante para o comércio. A companhia anunciou nesta quinta-feira lucro líquido de R$ 83 milhões no quarto trimestre, queda de 23,9% na comparação com o mesmo período de 2014, enquanto no fechado do ano o recuo foi de 11,8%, a R$ 281,2 milhões.

De acordo com o BTG Pactual, o resultado da companhia foi pior do que o esperado, destacando que não houve recuperação das vendas, enquanto a deterioração do Ebitda foi pior do que a esperada. Além disso, a queda do ROIC (Retorno sobre o capital investido) também é bastante preocupante. 

Lojas Marisa
A Lojas Marisa (AMAR3) registrou lucro líquido de R$ 16,7 milhões no quarto trimestre, ante resultado de R$ 43,8 milhões no mesmo período do ano passado. A receita líquida foi de R$ 791,1 milhões, ante estimativa de R$ 959,3 milhões. O Ebitda foi de R$ 108,9 milhões acima dos R$ 101,5 milhões esperados.  

“A administração da companhia acredita que apesar dos fracos resultados do exercício, o ano de 2015 foi um importante momento de ajustes para a Marisa”, segundo comunicado. “Tais ajustes, tomados antecipadamente e de forma proativa, mais que nos preparar para mais um ano desafiante no ambiente de consumo brasileiro, devem também acelerar o processo de recuperação da eficiência e da consistência operacionais, indispensáveis para a retomada do crescimento”.

Queiroz Galvão 
A QGEP Participações (QGEP3) comunicou que retificará o procedimento contábil atual adotado de registro da variação cambial da moeda norte americana em relação às suas provisões de abandono. O efeito da variação cambial sobre a provisão de abandono, que vinha sendo contabilizado como resultado financeiro líquido até então, passará a ser registrado no respectivo ativo imobilizado, impactando a amortização no período. Esta pratica contábil está em linha com a interpretação do CPC 25 (Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes) e ICPC 12 (Mudanças em Passivos por Desativação, Restauração e Outros Passivos Similares).

Os ajustes contábeis em decorrência desta retificação estarão refletidos nas demonstrações financeiras do exercício do quarto trimestre, bem como nas demonstrações financeiras comparativas a serem reapresentadas referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2014 e de 2013.  

Rumo
A Rumo (RUMO3) divulgou prejuízo líquido de R$ 162,7 milhões no quarto trimestre, ante estimativa ajustada de R$ 128,8 milhões. A receita líquida foi de R$ 1,25 bilhão, alta de 29% na comparação anual, ante estimativa de R$ 1,26 bilhão. O Ebitda somou R$ 467,9 milhões.

Technos
A Technos (TECN3) registrou um lucro líquido ajustado de R$ 15,6 milhões no quarto trimestre, uma queda de 55,4% na comparação anual, enquanto a receita líquida somou R$ 165 milhões, queda de 9,5%. O Ebitda ajustado caiu 29,0% no quarto trimestre de 2015, com perda de 6,4 p.p. de margem Ebitda ajustada, ano contra ano.

“O quarto trimestre de 2015 continuou a tendência observada no trimestre anterior e se mostrou um período difícil, com queda de vendas e perda de margem bruta. A desaceleração da economia afetou o comércio de modo generalizado e atingiu nossos clientes, onde observamos níveis de sell out mais baixos que o ano anterior. Observamos queda de vendas nas lojas especializadas e especialmente em magazines. Nossas operações de varejo tiveram um resultado positivo e cresceram em linha com nossa expectativa, fruto da abertura de novos pontos de venda e da melhoria da gestão destes canais que levou ao crescimento de vendas ‘mesmas lojas'”, afirmou a companhia. 

JSL
A JSL (JSLG3) divulgou dados não auditados do quarto trimestre de 2015, com um crescimento de R$ 7,5% na receita bruta total, para R$ 1,7 bilhão. Houve um aumento de 77% na venda usual de ativos, atingindo R$ 875 milhões.

BTG Pactual
O BTG Pactual (BBTG11) informou que “continua em negociações exclusivas com a CNP Assurances para a aquisição da totalidade da participação do BTG Pactual nas sociedades Pan Seguros e Pan Corretora”, segundo comunicado em resposta a pedido da BM&FBovespa por esclarecimentos. O “BTG Pactual esclarece que não há informações adicionais relevantes a serem divulgadas no momento sobre a evolução das negociações”. 

Leia também:

InfoMoney atualiza Carteira para fevereiro; confira

André Moraes diz o que gostaria de ter aprendido logo que começou na Bolsa