Mais apoio

Mísseis russos caem sobre Ucrânia e Ocidente promete apoio duradouro

O chanceler alemão, Olaf Scholz, disse que os membros da aliança militar fornecerão armas à Ucrânia pelo tempo que for necessário.

Por  Reuters -

KIEV (Reuters) – Forças russas atacaram alvos na área de Mykolaiv, no sul da Ucrânia, nesta quarta-feira, e intensificaram os ataques em frentes em todo o país enquanto membros da aliança militar ocidental Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se reuniam em Madri para planejar um curso de ação contra o desafio de Moscou.

O prefeito da cidade de Mykolaiv afirmou que um ataque com mísseis russos matou pelo menos três pessoas em um prédio residencial, e Moscou disse que suas forças atingiram o que chamou de base de treinamento para mercenários estrangeiros na região.

No leste, o governador da província de Luhansk disse que havia “lutas em todos os lugares” na batalha em torno da cidade de Lysychansk, que as tropas russas tentavam cercar.

O governador de Kryvyi Rih, no centro da Ucrânia, declarou que os bombardeios russos também aumentaram nos últimos dias.

“Várias aldeias foram varridas da face da terra”, disse o governador de Kryvyi Rih, Oleksander Vilkul.

Os ataques intensificados ocorreram enquanto as forças do presidente russo, Vladimir Putin, fazem progressos lentos, mas inexoráveis ​​em um conflito agora em seu quinto mês, e se seguiram a um ataque com mísseis em um shopping que matou pelo menos 18 pessoas no centro da Ucrânia na segunda-feira.

No entanto, analistas ocidentais dizem que os russos estão sofrendo pesadas baixas e esgotando recursos, ao mesmo tempo em que a perspectiva de mais suprimentos de armas ocidentais chegando à Ucrânia, incluindo sistemas de mísseis de longo alcance, tornou mais urgente a necessidade de Moscou de consolidar quaisquer ganhos.

Longe dos combates, os líderes dos países da Otan estavam se reunindo na capital espanhola, Madri, para discutir políticas em resposta às ações russas e também a qualquer ameaça chinesa.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, disse que os membros da aliança militar fornecerão armas à Ucrânia pelo tempo que for necessário.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, afirmou na cúpula que os EUA estão ampliando a presença de suas forças na Europa com base nas ameaças da Rússia.

A Otan também deve convidar a Suécia e a Finlândia a se tornarem membros, tendo superado as objeções da Turquia.

A Rússia há muito reclama da expansão percebida dos blocos ocidentais em direção às suas fronteiras, mas sua invasão da Ucrânia –que chama de “operação militar especial”– serviu para dar um novo impulso à Otan. A União Europeia também concedeu à Ucrânia o status de candidata à adesão ao bloco por causa da invasão.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe