Minério de ferro: dois pontos sobre EUA e China que devem movimentar a commodity

Reunião do “Terceiro Plenário” da China e efeitos sobre possíveis aumentos tarifários da China estão no radar

Equipe InfoMoney

Raw ore at an open-pit mine in California.
Raw ore at an open-pit mine in California.

Publicidade

Para onde o minério de ferro vai? Entre esperanças de estímulos chineses e preocupação com a demanda e estoques elevados, a commodity segue tendo sessões de volatilidade e negocia nos últimos dias na casa dos US$ 110 a tonelada.

Analistas destacam quais são os próximos eventos a monitorar e que envolvem as duas principais economias mundiais: dos EUA e da China.

O Morgan Stanley fez uma análise de como possíveis aumentos de tarifa podem afetar a procura do minério, à medida que os debates sobre os potenciais impactos das tensões comerciais se intensificam. “As reduções na procura de aço através de uma produção econômica mais fraca também são um risco, mas o forte crescimento dos mercados emergentes, com a China como principal fornecedor, impulsiona a nossa visão positiva da demanda global pela commodity”, avaliam os analistas.

Continua depois da publicidade

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos

As preocupações centram-se nos potenciais efeitos negativos sobre a produção industrial da China (e, portanto, a procura de minério de ferro), decorrentes de qualquer intensificação das tarifas comerciais. Ao traçar um paralelo com os aumentos tarifários feito pelos EUA em 2018, o banco apontou, contudo, que naquela ocasião não foi observado nenhum impacto material na procura global de minério de ferro, uma vez que o crescimento dos mercados emergentes/China compensou facilmente o aumento da produção de aço dos EUA (baseada em sucata).
A China aumentou as suas exportações diretas e indiretas de aço apesar das tarifas, uma vez que se manteve competitiva em termos de custos e atendeu ao crescimento dos mercados emergentes, com redirecionamentos evidentes.
“Tarifas mais severas poderão prejudicar a procura de aço, prejudicando a produção, mas a forte procura dos mercados emergentes deverá manter a procura mundial de minério de ferro numa trajetória positiva”, avalia.

O banco explica que, sendo um grande importador de aço, as tarifas implementadas pelos EUA têm potencial para alterar os padrões comerciais. Os EUA importam anualmente cerca de 50 milhões de toneladas (Mt) de aço, divididos numa proporção de 2:3 entre comércio direto e indireto (ou seja, bens manufaturados), complementando a sua produção interna de cerca de 75 Mt. Da China, a exposição dos EUA é principalmente através do comércio indireto. Embora a sua cota tenha diminuído, a China é responsável por cerca de 20% das importações de maquinaria e produtos metálicos dos EUA em valor, e por menos 5% das importações de veículos.

Continua depois da publicidade

“Não vimos nenhum obstáculo óbvio à procura global de minério de ferro após a imposição de tarifas em 2018, uma vez que: 1) os EUA continuaram a aumentar as importações indiretas de aço, 2) a China continuou a aumentar as suas exportações indiretas de aço, acompanhando o crescimento dos mercados emergentes, mesmo quando as exportações diretas de aço caíram e 3) a procura por aço na China e em regiões emergentes como a Índia, o Sudeste Asiático e o Médio Oriente manteve a procura global de minério de ferro numa trajetória de alta”, apontam os analistas do banco.

Para o Morgan, embora qualquer potencial agravamento das fricções comerciais tenha o potencial de prejudicar a procura de aço, o crescimento da procura de aço nas economias emergentes é suficientemente forte para mais do que compensar esta situação, sendo a China um importante fornecedor global. As tarifas anteriores dos EUA tiveram apenas efeitos modestos. No entanto, as ações de um grupo mais amplo de países ou as barreiras centradas nas exportações indiretas teriam mais impacto.

Na visão do Bradesco BBI, olhando ainda mais para o curto prazo, todos os olhos estão agora voltados para as expectativas pela demanda pela commodity antes da reunião do “Terceiro Plenário” da China (com início em 15 de Julho).

Continua depois da publicidade

O BBI, embora não espere uma recuperação acentuada nos preços do minério de ferro, dada a pior sazonalidade, continua a ver espaço limitado para que os preços se deteriorem ainda mais.