México é a única queda entre as principais bolsas latino-americanas

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As principais bolsa latino-americanas fecharam em alta nesta terça-feira, com exceção do México. Às 15h46 do horário de Nova York, o Nasdaq Composite registrava forte baixa de 3,79%, enquanto o Dow Jones Industrial e o S&P500 apresentavam variações negativas menos acentuadas de 0,27% e 1,06%, respectivamente.

O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires encerrou o pregão em alta de 1,35%, após a divulgação, realizada pela agência Bloomberg, do PIB do terceiro trimestre, que registrou uma variação positiva de 0,4% em relação ao mesmo período no ano passado. No segundo trimestre, o PIB da Argentina apresentou uma variação de 0,8%. Após o anúncio do pacote de ajuda financeira do FMI, divulgado ontem, o governo argentino espera recuperar a confiança do mercado internacional no país. O valor total do pacote foi de US$ 39,7 bilhões, que será financiado pelo FMI, por bancos locais, pela troca de títulos da dívida Argentina, por organismos internacionais e pelos fundos de pensão argentinos.

Segundo uma pesquisa realizada pelo jornal Âmbito Financiero, os empresários argentinos não estão muito otimistas em relação ao novo pacote econômico; apenas 6% das empresas pesquisadas prevêem um aumento no número de postos de trabalho durante o primeiro semestre de 2001. A pesquisa também indicou que nas empresas do setor de serviços apenas 23,2% acreditam na melhora da situação econômica do país.

As maiores altas entre os componentes do índice Merval foram as ações da Transportadora de Gás del Sur (+4,17%), do banco BSCH (+3,26%) e da Pecon Energy (+2,90%). Por outro lado, os destaques de baixa ficaram para as ações da Sociedad Comercial del Plata (-12,50%), da Solvay Indupa (-2,17%) e da Ledesma (-1,87%).
O índice IPC da Bolsa do México fechou em queda de 0,73%, influenciado pelo anúncio do FED, que decidiu manter a taxa de juros básica norte-americana em 6,5% ao ano. O mercado mexicano continua preocupado com a demora do Congresso para a aprovação do Orçamento de 2001, que deverá ser feita até o final da semana. Hoje, o ministro da Fazenda e Crédito Público, Francisco Gil, declarou que confia na maioria dos deputados e senadores para a aprovação rápida do Orçamento, que é, segundo Gil, peça importante para o crescimento do país no ano que vem.
Os destaques de baixa da bolsa mexicana foram as ações do Grupo Industrial Saltillo (-9,57%), do varejista Wal Mart (-4,32%) e da Television Azteca (-4,11%). Contrariando a tendência da bolsa, as maiores altas entre os componentes do índice IPC ficaram para as ações da TAMSA (+5,46%) e para os Gupos Fnancieros Inbursa (-5,11%) e Banamex (-3,07%).

O IBB da Bolsa de Bogotá fechou em baixa de 0,67%, com destaque para a empresa fabricante de cerveja Bavária, que é a ação com maior peso no índice IBB. O mercado colombiano está preocupado com a possível greve dos funcionários da Bavária em protesto por maiores salários. Nesta terça-feira, o ministro das finanças, Juan Manuel Santos, disse que o governo colombiano, através de um decreto, obrigará os ministérios a diminuir seus gastos em 7%.

IPSA Chile






















Outros mercados: Brasil Ibovespa +1,68%
Peru ISBVL +0,96%
Venezuela IBVC +0,33%
Chile IPSA+0,11%

Compartilhe