Mercado Livre tem salto de 113% no lucro do 2º tri, para US$ 261,9 milhões, com avanço de receita e margem

A receita líquida total no trimestre foi a 3,4 bilhões de dólares, avanço de 57,3% em moeda constante,

Reuters

(Divulgação)
(Divulgação)

Publicidade

SÃO PAULO (Reuters) – O Mercado Livre (MELI34) teve crescimento de 113% no lucro líquido do segundo trimestre frente ao mesmo período do ano anterior, para 261,9 milhões de dólares, diante de aumento da receitas no marketplace e melhora nas operações do braço financeiro do grupo, de acordo com balanço publicado pela companhia nesta quarta-feira.

A estimativa média de analistas era de lucro de 227,6 milhões de dólares, com base em dados coletados pela Refinitiv.

“O resultado foi muito consistente entre múltiplas unidades de negócios e múltiplas geografias”, disse André Chaves, vice-presidente sênior de estratégia, desenvolvimento corporativo e relações com investidores do Mercado Livre, à Reuters.

Continua depois da publicidade

O resultado operacional medido pelo lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização foi de 558 milhões de dólares de abril ao final de junho, um crescimento de 123,7% ano a ano em dólar, enquanto analistas esperavam Ebitda de 505,4 milhões. Já a margem Ebitda saltou de 9,6% no mesmo período do ano passado para 16,3%. No primeiro trimestre de 2023, havia sido de 11,2%.

“Não tem uma bala de prata”, disse Chaves sobre o aumento de margem operacional. De acordo com ele, fatores como maiores vendas no marketplace, um crescimento nas linhas de pagamentos e uma melhora no risco da carteira de crédito contribuíram para o salto.

Para os próximos trimestres, o executivo afirmou que há potencial de elevar mais a rentabilidade, mas que o Mercado Livre procura balancear o foco dos investimentos entre aqueles voltados para o curto e o longo prazos, ao mesmo tempo que busca aumentar margem.

Continua depois da publicidade

“Queremos entregar uma melhora consistente de margem aos acionistas, muito mais de maneira anual, do que talvez no trimestre a trimestre”, disse Chaves.

A receita líquida total no trimestre foi a 3,4 bilhões de dólares, avanço de 57,3% em moeda constante, impactada pelo maior número de usuários ativos, que aumentou 29% ano a ano, para 108,6 milhões, disse a empresa.

No negócio de comércio eletrônico, a receita líquida foi de 1,9 bilhão de dólares em moeda constante, avanço de 64,8% ano a ano, com o volume geral de vendas medido pelo indicador GMV tendo alcançado 10,5 bilhões de dólares, alta de 47,2%.

Continua depois da publicidade

Citando dados da empresa de pesquisa de mercado Neotrust, Chaves destacou que o crescimento ocorre com ganho de participação no Brasil, onde o GMV avançou 25% no trimestre, e detalhou o impacto da crise na rival Americanas (AMER3).

“A gente fechou o ano passado crescendo mais ou menos no ritmo de 20%. Isso aqui acelerou, mas o 20% é de ganho de ‘market share’, é de melhora de produto. Talvez do 20% ao 25% você possa atribuir à Americanas. Agora, os 20% de base, contra um mercado negativo, isso tem a ver com todo o resto do negócio.”

MERCADO PAGO AVANÇA

Continua depois da publicidade

A unidade financeira do Mercado Livre, o Mercado Pago, também manteve expansão da receita líquida, com avanço de 1,5 bilhão de dólares, alta de 48,4% em moeda local na comparação anual.

O volume total de pagamentos (TPV) foi a 42 bilhões de dólares no trimestre, disparada de 96,6% frente igual período de 2022, enquanto, no negócio de crédito, a carteira cresceu 21% ano a ano, e a inadimplência de até 90 dias ficou em 9,9%, contra 9,5% no primeiro trimestre e 13,2% um ano antes.

Chaves afirmou que o negócio do Mercado Livre deve ser beneficiado pela queda na taxa básica de juros do Brasil neste segundo semestre, mas mais do lado de comércio eletrônico e pagamentos do que no crédito, onde o efeito será mais indireto, menos imediato.

Continua depois da publicidade

Na linha de custos, o Mercado Livre registrou despesas operacionais totais de 1,2 bilhão de dólares no trimestre, contra 1 bilhão no mesmo período do ano anterior.

Questionado sobre o Remessa Conforme, programa do governo que dará benefícios tributários a empresas de comércio eletrônico internacional que aderirem a certas regras da Receita Federal, Chaves disse que a adesão do Mercado Livre é “possível”, mas ainda está sendo discutida.

A empresa tem menos de 1% do GMV do Brasil gerado por meio do comércio “cross border”, ou transfronteiriço, disse o executivo.

Quanto às bases do programa, o executivo vê evoluções com a tributação, mas disse que o cenário ainda é desigual negativamente para os vendedores locais. “Enxergamos o programa como um avanço, mas não é um avanço que é suficiente”, disse.