Segurando o mercado

Mercado de opções de criptomoedas impede Bitcoin de cair abaixo de US$ 40 mil, diz fundo

A empresa QCP, baseada em Singapura, escreveu em nota que o mercado de opções começou a influenciar o preço spot do BTC

Por  CoinDesk -

Embora a correlação entre ações e criptomoedas tenha se tornado mais aparente ao longo do ano passado, o fundo de ativos digitais QCP, baseado em Singapura, acha que há um limite para isso. O motivo, disse em nota, é o crescimento da importância das opções de criptomoedas.

À medida que os mercados de Bitcoin (BTC) e Ethereum (ETH) seguiam o sentimento de baixa do mercado de ações no início da semana, as duas criptomoedas caíam abaixo de US$ 40.000 e US$ 3.000, respectivamente.

A QCP escreveu que houve uma recuperação por causa do número de strikes (preços de exercícios) nas marcas de US$ 40.000 para o BTC e de US$ 3.000 para o Ether, realizados por baleias (termo usado para se referir a grandes detentores de ativos).

O fundo de criptomoedas observou que havia uma contraparte comprando uma grande quantidade de reversões de risco (em que o trader compra a opção de venda e se desfaz da opção de compra), que de repente mudou de posição para obter lucro (em que vende a opção de venda e adquire a opção de compra).

Com o volume de negociações Delta (simultaneamente comprando e vendendo opções) nos strikes de US$ 40.000 e US$ 3.000, houve a criação de um suporte no mercado à vista nesses níveis, escreveu o QCP.

O fundo disse ainda que uma das razões pelas quais o Bitcoin está enfrentando resistência de US$ 44.000 no mercado é que uma baleia começou a lucrar com suas opções de compra de US$ 42.000 de janeiro, enquanto o BTC descia para US$ 44.000.

“Acreditamos que a atividade de opções ditará cada vez mais os movimentos spot à medida que o mercado de opções continuar a crescer”, escreveu a empresa.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receba a Newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe