Marisa (AMAR3) tem salto de 670% do prejuízo no 4º tri, a R$ 188,6 mi; varejista propõe capitalizar braço financeiro

Medidas incluem uma capitalização de R$ 90 milhões por acionistas controladores na MPagamentos; companhia passa por processo de reestruturação

Equipe InfoMoney

(Shutterstock)

Publicidade

A Lojas Marisa (AMAR3) registrou um prejuízo líquido de R$ 188,6 milhões no quarto trimestre de 2022 (4T22), 7,7 vezes maior (ou +670%) que a perda de R$ 24,5 milhões reportada no 4T21. No ano, o prejuízo foi multiplicado por mais de 4 vezes, passando de R$ 93 milhões em 2021 para R$ 391 milhões em 2022.

O prejuízo pro-forma, retirando eventos não-recorrentes, foi de R$ 49,1 milhões no 4T22, mais do que o triplo dos R$ 15,2 milhões registrados um ano antes. Em 2022, o prejuízo foi de R$ 251,5 milhões, também mais que 3 vezes as perdas de R$ 77,4 milhões registrados um ano antes.

Os dados são não-auditados, segundo comunicado da direção, o que se deve ao fato de que a auditoria contratada, Ernst & Young Auditores, não ter conseguido concluir o trabalho por conta da revisão do braço financeiro da companhia.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A receita líquida da varejista teve leve queda de 1,6% no trimestre, indo de R$ 843,8 milhões no 4T21 para R$ 830,4 milhões no 4T22. No ano, contudo, houve uma alta de 10,2% na receita, para R$ 2,7849 bilhões.

No segmento de varejo, a receita líquida caiu 0,6% no quarto trimestre, para R$ 698,2 milhões, enquanto avançou 11% no acumulado de 2022, para R$ 2,23 bilhões.

No release de resultados, a companhia destacou que iniciou em fevereiro um processo de reestruturação interna, de forma a melhorar a liquidez de curto prazo e aprimorar o plano de negócios. A ação AMAR3 acumula queda de 48,8% em 2023.

Continua depois da publicidade

A varejista ainda anunciou, junto com seu balanço, uma reestruturação do seu braço financeiro, a partir de medidas que incluem uma capitalização de R$ 90 milhões por acionistas controladores na MPagamentos.

A mudança foi apresentada ao Banco Central, disse a Marisa. A MPagamentos é subsidiária da varejista e atua nos segmentos de crédito e financiamento.

A varejista de moda, que trocou o comando no início deste ano e vem tentando renegociar dívidas, também anunciou medidas contábeis após revisão de auditoria, como baixa de R$ 50 milhões em receita registrada de forma equivocada e reclassificação de R$ 48 milhões de despesas operacionais (opex) para investimentos (capex).

Outros números da companhia

A companhia também divulgou que o lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações (Ebitda, na sigla em inglês) de varejo foi de R$ 19,6 milhões no 4T22, uma queda de 12,3%. No ano, houve uma melhora de 77,2%, para um número negativo de R$ 28 milhões, ante dado anterior de R$ 122,9 milhões negativos em 2021.

Enquanto o Ebitda do varejo no 4T22 foi de R$ 19,6 milhões, o Ebitda do Mbank ficou negativo em R$ 115,2 milhões e reverteu resultado positivo de R$ 22,4 milhões no quarto trimestre de 2021.

O Ebitda ajustado do varejo cresceu 98,1% no 4T22, para R$ 62,8 milhões e foi de  – R$ 107,2 milhões em 2021 para R$ 17,4 milhões em 2022, “dirigido não só pelo aumento no lucro bruto da operação de varejo, como explicado acima, mas também pela contenção das nossas despesas operacionais, a despeito dos impactos da inflação sobre os gastos com aluguéis de imóveis, entre outros itens”, afirmou a varejista.

A companhia teve alta de 2,4% do faturamento das lojas físicas no 4T22, para R$ 875,9 milhões, com avanço de 16,3% no ano, para R$ 2,76 bilhões. As vendas nas mesmas lojas (SSS, na sigla em inglês) cresceram 1,1% no trimestre e 11,2% no ano.

A empresa fechou dez pontos de venda em dezembro, encerrando o ano com 334 lojas. No digital, a queda no faturamento foi de 25,1%, para R$ 67,9 milhões no trimestre, e um recuo de 24,3% no ano, para R$ 256 milhões.

A companhia fechou 2022 com endividamento líquido de R$ 560,4 milhões, ante os R$ 575,5 milhões reportados em dezembro de 2021.

Planos da varejista

Ao Broadcast, o novo CEO da companhia, João Pinheiro, afirmou que os números de 2022 não são bons, “como era de se esperar”. Ele ressalta que a margem bruta da empresa no varejo melhorou, voltando a 52%, com alta de 4,6 pontos porcentuais. Para ele, isso indica que a companhia tem bons produtos e público. Assim, o necessário agora é cortar despesas e organizar a operação do banco.

Do lado do banco, além do aporte, será feita uma reorganização. A MPagamentos, que fica sob o comando do Mbank, será separada da MCartões, que passará a ser uma prestadora de serviços de adquirência para a MPagamentos.

Além disso, Pinheiro diz que a empresa tem adquirido uma concessão mais conservadora de crédito e que deve focar, de agora em diante, em conceder crédito para seus próprios clientes, de quem já tem dados. “Muitos varejistas acharam que operar bancos era algo simples. Com a Marisa não foi diferente”, diz Pinheiro.

Do lado de cortes de gastos, o plano também é claro. A Marisa resolveu fechar 90 lojas, de um parque de 334. Ele explica que os cortes que virão não serão de vendedores de lojas, de modo a prejudicar a operação. “Não se trata de cortar vendedor de lojas e, sim, fechar lojas deficitárias e realocar pessoas na medida do possível. Vamos atacar os custos administrativos e reorganizar o banco”, afirmou Pinheiro.

(com Estadão Conteúdo)