Mantega desiste de ocupar cargo de CEO da Vale (VALE3), diz jornal; ações fecham em alta

Indisposição com o governo vinha pesando no papel da mineradora, com analistas temendo represálias em licenças ambientais e taxação

Equipe InfoMoney

Publicidade

O ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, teria desistido de ocupar o cargo de diretor executivo da Vale (VALE3) nesta sexta-feira (26), segundo informações do jornal Folha de S. Paulo. 

As ações ordinárias da Vale fecharam o pregão com ganhos de 1,67%, a R$ 69,50, com os ganhos registrando aceleração após a notícia. No ano, contudo, a baixa acumulada ainda é de cerca de 10%.

Já segundo a coluna de Ana Flor, no G1, a assessoria do Palácio do Planalto afirmou que a reunião para tratar do tema foi cancelada. Nesta sexta, o ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, negou que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tenha tratado sobre a indicação do ex-ministro da Fazenda Guido Mantega para o comando da Vale. Segundo o ministro, o chefe do Executivo nunca iria se dispor a fazer interferência direta em uma empresa de capital aberto.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Nos últimos dias, a mineradora esteve sob pressão. As notícias eram de que membros do conselho da companhia estavam sendo pressionados por autoridades próximas ao presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a indicar Mantega ao principal posto. 

O atual CEO da Vale, Eduardo Bartolomeo, tem contrato em vigor até 31 de maio. Pelas regras do estatuto, o executivo deve ser comunicado com quatro meses de antecedência se terá seu mandato renovado ou se o conselho decidiu abrir o processo de contratação de um novo presidente — prazo que se encerra na quarta-feira (31). De acordo com o Globo, o conselho da empresa deve se reunir entre amanhã (26) e terça-feira (30) para discutir o futuro de Bartolomeo.

Na quarta, foi noticiado pelo mesmo jornal que Alexandre Silveira (PSD) telefonou para conselheiros da empresa para defender a escolha de Mantega. Outros veículos procuraram conselheiros da Vale, que afirmaram a pressão.

Continua depois da publicidade

O nome de Mantega não é muito bem quisto por agentes do mercado financeiro, devido a sua atuação durante o mandato de Dilma Rousseff, quando o Brasil enfrentou sua maior recessão histórica.

Nessa quinta, a presidente nacional do PT e deputada federal pelo Paraná, Gleisi Hoffmann, defendeu a indicação do ex-ministro ao Conselho. “Pouquíssimos brasileiros são tão qualificados quanto Guido Mantega para compor o conselho da Vale, uma empresa estratégica para o país e na qual o governo tem participação e responsabilidades”, afirmou. Ela ainda disse que a companhia é “estratégica para o país” e chamou sua privatização de “danosa”.

Analistas, apesar de terem visto a indicação como pouco provável, vinham alertando que o risco era de o governo usar poderes, como a liberação de licenças ambientais ou maior tributação para repudiar a mineradora. 

Tópicos relacionados