Maioria das bolsas latino-americanas resiste à forte queda do Nasdaq

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As principais bolsas latino-americanas fecharam sem uma tendência definida nesta terça-feira. A forte queda nos mercados norte-americanos influenciou algumas das bolsas da América Latina, principalmente no México e Chile. O índice Nasdaq Composite fechou o dia em acentuada queda de 7,23%, assim como o Dow Jones Industrial, que fechou em baixa de 1,30%, e o S&P500 que caiu 2,80%. Por outro lado, as bolsas de São Paulo, Buenos Aires e Caracas conseguiram apresentar desempenho positivo no fechamento.

O índice IPC da Bolsa do México encerrou o pregão com variação negativa de 1,72%. As ações mexicanas caíram sobre influência do desempenho ruim da Nasdaq neste primeiro pregão do ano. A proximidade comercial com os EUA, o maior parceiro comercial do México, impediu que o IPC fechasse com um melhor desempenho. Hoje foi divulgado nos EUA o NAPM de dezembro, um índice que mede o comportamento industrial norte-americano, que parece apontar um desaquecimento econômico brusco – impactando diretamente a economia e as empresas mexicanas. Os principais destaques de baixa na bolsa mexicana foram a empresa de bens de consumo Kimberly Clark de México (-5,48%), Empresas ICA Sociedad Controladora (-5,26%), Organizacion Soriana (-5,09%), Grupo Televisa (-4,61%), Corporacion Interamericana de Entretenimiento (-4,46%) e Television Azteca (-4,45%). Por outro lado, Desc Sociedad de Fomento Industrial (+6,30%) e Cementos Mexicanos (+0,72%) fecharam valorizadas.

O índice Merval da Bolsa de Buenos Aires fechou em alta de 0,46%. Analistas disseram hoje que o governo do presidente Fernando de la Rúa parece fortalecido após ter decretado diversas reformas controversas na última sexta-feira, incluindo a reestruturação dos fundos públicos de pensão , mesmo com a oposição de membros da própria Aliança. As dúvidas sobre a habilidade de De la Rúa em aprovar os pontos-chave do programa de reformas geraram bastante incerteza no fim do ano passado, sobretudo antes do anúncio do pacote de auxílio de US$ 39,7 bilhões liderado pelo Fundo Monetário Internacional.

Os principais destaques de alta da bolsa de Buenos Aires ficaram com a Garovaglio y Zorraquin (+4,11%), Repsol YPF (+3,47%), Transportadora de Gas del Sur (+2,86%), Telefonica (+2,49%), Banco Frances del Rio de la Plata (+1,31%) e Atanor Industria Química (+1,12%). Já as ações que se destacaram na baixa foram Sociedad Comercial del Plata (-6,25%), Banco de Galicia Y Buenos Aires (-4,43%) e Molinos Rio de la Plata (-3,57%).

O índice IBC da bolsa de Caracas fechou a quinta-feira registrando alta de 0,45%. O principal impulso ao mercado venezuelano foi a alta do petróleo, sendo este o principal produto da economia do país. A cotação da commodity no mercado internacional fechou em alta, sendo cotado em Londres a US$ 24,35 (+1,80%) e em Nova York cotada a US$ 27,20 (+1,49%).





















Outros mercados: Brasil Ibovespa +1,09%
Peru ISBVL +0,65%
Colômbia IBB-0,13%
Chile IPSA-0,62%

Compartilhe