Maioria das Bolsas da Europa fecha em queda; Londres é exceção, com petroleiras e mineradoras

Os ganhos britânicos acompanharam a alta do setor de mineradoras, que subiram depois do Departamento do Tesouro local anunciou uma nova lei que vai taxar o carbono de importações de matéria prima estrangeira a partir de 2027

Estadão Conteúdo

"Shutterstock"

Publicidade

O FTSE 100 se destacou dentre os índices europeus nesta segunda-feira, 18, com a Bolsa de Londres fechando no azul enquanto as de França, Itália, Alemanha, Espanha e Portugal tiveram perdas. Os ganhos britânicos acompanharam a alta do setor de mineradoras, que subiram depois do Departamento do Tesouro local anunciou uma nova lei que vai taxar o carbono de importações de matéria prima estrangeira a partir de 2027, e também do petroleiro, com a BP sinalizando que vai suspender o trânsito de navios petroleiros pelo Mar Vermelho.

Segundo Michael Hewson, analista-chefe do CMC Markets, a decisão da BP de proteger seus navios petroleiros de possíveis ataques de rebeldes Houthi na região do Mar Vermelho fortaleceu os preços da commodity nesta segunda-feira e fez as ações de petroleiras escalarem. Hewson aponta que a decisão “acrescentará custos significativos às cadeias de abastecimento das empresas, além de ter impactos inflacionários significativos”. Na esteira da notícia, a BP ganhou 1,66% e a Shell subiu 1,50%.

Também nesta segunda-feira, o governo britânico anunciou uma medida para proteger o mercado de matéria-prima nacional, com a intenção de taxar as emissões de carbono de importações de produtos como ferro e cobre. A Antofagasta fechou com ganhos de 1,52%, enquanto a Rio Tinto subiu 1,12%, sustentando o índice no azul.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na zona do euro, o dia foi de fraqueza, com o instituto Ifo “jogando um banho de água fria”, como mencionou o Commerzbank, nas expectativas do mercado, ao divulgar que o índice de sentimento das empresas da Alemanha recuou de 87,2 em novembro a 86,4 em dezembro, quando analistas ouvidos pela FactSet previam alta a 87,5.

O mercado também monitorou as falas de integrantes do conselho do Banco Central Europeu (BCE). Isabel Schnabel pontuou que a inflação deve desacelerar de forma mais gradual a partir de agora, o dirigente Peter Kazimir pontuou que ainda não é possível mover a política monetária para o “próximo estágio”, e o conselheiro Bostjan Vasle reforçou que o mercado pode estar adiantado sobre a precificação de cortes de juros em março ou abril de 2024.

Tudo somado, em Londres, o FTSE 100, subiu 0,50% a 7.614,48 pontos, enquanto o índice DAX, em Frankfurt, fechou em queda de 0,60%, a 16.650,55 pontos. O CAC 40, em Paris, cedeu 0,37%, a 7.568,86 pontos, e o FTSE MIB, em Milão, fechou em queda de 0,44%, a 30.241,02 pontos. Já em Madri, o índice Ibex 35 caiu 0,41%, a 10.054,70 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o PSI 20 perdeu 0,66%, a 6.384,49 pontos. As cotações são preliminares.