Maior percepção de risco em janeiro dá ao ouro título de melhor investimento do mês

Busca por ativos considerados de menor risco fez a commodity acumular valorização de 8% no primeiro mês do ano

Por  Camila Schoti

SÃO PAULO – As incertezas e a volatilidade presentes no último mês de 2007, decorrentes dos temores relacionados ao cenário prospectivo para a economia norte-americana, cederam lugar ao conservadorismo em janeiro e, impulsionado por um típico movimento de flight to quality, o ouro configurou-se como o melhor investimento do mês.

A percepção de que a economia norte-americana passará por um período de recessão ganhou corpo entre os agentes de mercado e penalizou o desempenho de ativos considerados mais arriscados, como as ações. Neste contexto, em períodos de acentuada cautela, é comum observar uma maior demanda por ativos como o ouro.

Foi neste cenário que a commodity negociada na BM&F (Bolsa de Mercadorias & Futuros) encerrou o mês de janeiro cotada a R$ 52,30 o grama, com alta de 8% acumulada em janeiro.

Recessão em foco

Concomitante à percepção de que a maior economia do mundo passará por uma recessão – o que motivou a busca por ativos considerados de menor risco – a volatilidade se intensificou no período. Fortes oscilações foram registradas em diversos ativos financeiros ao longo do mês.

O período foi marcado pela divulgação de diversos indicadores econômicos dos EUA sinalizando expressivo desaquecimento da atividade econômica, mas foi a postura do Federal Reserve, em conjunto com o governo norte-americano, que se destacou no período.

Enquanto George W. Bush anunciou um plano de ajuda fiscal para estimular o consumo no país no montante de aproximadamente US$ 150 bilhões, o Fed reduziu a taxa básica de juro em dois momentos no mesmo mês. No dia 22 de janeiro, em caráter emergencial, a autoridade monetária reduziu a Fed Funds Rate em 75 pontos-base, e, posteriormente, em reunião oficial, reduziu em mais 50 pontos-base.

Os cortes levaram o juro básico a 3,00% ao ano e contribuíram para o arrefecimento do pessimismo nos momentos finais do mês. A taxa de redesconto do país também foi reduzida significativamente nas duas ocasiões.

Ações

Penalizada por um movimento de flight to quality, a bolsa brasileira marcou expressiva queda no mês de janeiro. Depois de acumular ganhos em dezembro, o Ibovespa fechou o mês com queda de 6,88%, a 59.490 pontos.

Entre os destaque no mês, os papéis ordinários da Lojas Renner caíram 23,33%, para R$ 27,60, em meio às vendas inferiores às expectativas ao longo do último trimestre, com possibilidade de não cumprimento do guidance.

Em contrapartida, no extremo positivo do Ibovespa, as ações preferenciais da Telemar subiram 32,94%, aos R$ 45,40, impulsionadas por rumores de aquisição da Brasil Telecom.

Instabilidade também no câmbio

A despeito do aumento das tensões externas, o dólar manteve sua tendência de queda, confirmada também em dezembro, e encerrou o mês de janeiro com desvalorização.

A moeda norte-americana, medida pela Ptax calculada pelo Banco Central, recuou 0,62%, para R$ 1,7603. Em termos reais, a perda foi de 1,69%, dado que o IGP-M (Índice Geral de Preços – Mercado) de janeiro apurou inflação de 1,09%.

O período foi caracterizado pela desaceleração da inflação frente a dezembro, quando produtos agrícolas impulsionaram o índice.

Renda fixa

Os CDBs pré-fixados de 30 dias apresentaram retorno de 0,88% em termos nominais, ou retorno negativo de 0,21% em termos reais.

Com rentabilidade similar, o CDI apresentou ganhos de 0,88% no mês. A evolução, descontando a inflação, também foi negativa em 0,21%.


























Investimento Janeiro Real* Dezembro Real**
Ibovespa -6,88%-7,88%+1,40%-0,35%
CDI***+0,88%-0,21%+0,75%-0,99%
CDB ****+0,88%-0,21%+0,88%-0,86%
Poupança+0,60%-0,48%+0,57%-1,17%
Ouro+8,06%+6,89%-3,78%-5,44%
Dólar Paralelo+2,56%+1,45%-3,94%-5,60%
Dólar Ptax-0,62%-1,69%-0,70%-2,42%
IGP-M +1,09% +1,76%

* Deduzida a inflação pelo IGP-M que ficou em 1,09% em janeiro
** Deduzida a inflação pelo IGP-M que ficou em 1,76% em dezembro
*** Taxa Efetiva Andima
**** Taxa pré 30 dias

Compartilhe