Varejo

Magazine Luiza (MGLU3), Via (VIIA3) e Americanas (AMER3) lideram altas da bolsa hoje; entenda

Dados do varejo e projeções para inflação impulsionam companhias ligadas ao comércio

Por  Vitor Azevedo -

As varejistas foram o destaque do pregão desta segunda-feira (27) da bolsa brasileira, com Magazine Luiza (MGLU3) saltando 9,35%, Via (VIIA3) subindo 8%, Americanas (AMER3) avançando 3,8% e Lojas Americanas (LAME4) valorizando-se 3,95%.

Há mais de um motivo que impulsiona o avanço das varejistas. Um deles é o fato de a Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) ter divulgado que as vendas nos centros de compras cresceram, de forma real, 10% no Natal 2021 na comparação com a mesma data do ano passado, somando, em estimativa, R$ 204 bilhões.

O número ainda fica abaixo daquilo registrado em 2019, quando a pandemia da Covid-19 ainda não havia estourado, mas é visto como positivo pelos analistas. “Havia o temor de que a Ômicron freasse o crescimento das vendas”, explica Henrique Esteter, especialista de mercados do InfoMoney.

Outro relatório, este divulgado pela Mastercard, trouxe números do varejo brasileiro e também do americano. No Brasil, em outubro, segundo a empresa de bandeira, as vendas do e-commerce cresceram 39,4% na comparação com o mesmo período de 2019. A interpretação é de que os números continuam elevados, apesar de o volume de negociação ter caído 24,9% na base anual.

Parte das baixas do comércio online, porém, são explicadas pela recuperação das lojas físicas. Isso é ilustrado pela melhora das vendas totais do setor, que avançaram tanto na comparação com 2020 quanto na comparação com 2019, crescendo, respectivamente, 23,6% e 2,6% nas duas bases.

Nos EUA, a Mastercard apontou que as vendas no varejo cresceram 8,5% na base anual no fim deste ano, levando em consideração o período entre 1º de novembro e 24 de dezembro, impulsionadas pela compra de eletrônicos.

Cenário macro

Por fim, além dos dados do setor recém-divulgados, as varejistas brasileiras são impulsionadas pela revisão para baixo da variação do Índice de Preços para o Consumidor Amplo (IPCA) trazida no Boletim Focus desta semana.

Os especialistas consultados pelo Banco Central reduziram, em média, a projeção para o principal índice da inflação de 10,04% para 10,02%. “Por mais que seja pouca coisa, representa reversão daquilo que era apresentado nas últimas semanas”, explicou Esteter.

Uma inflação mais controlada diminui a necessidade de uma alta mais acentuada dos juros, o que impacta empresas como a Magazine Luiza, a Via Varejo e a Americanas, uma vez que o custo de crédito influencia muito nos seus faturamentos.

Varejistas, porém, lideram queda da bolsa no ano

Entretanto, as ações das companhias seguem entre as que mais recuam neste ano na bolsa. No acumulado de 2021, as ações de Magazine Luiza e Via recuam, respectivamente, 72,80% e 70,5%. Logo em seguida aparecem GPA (PCAR3) e Americanas, que recuam 61,3% e 57,7%.

Entre os fatores que pesam na performance anual estão a alta dos juros, já mencionada, e o aumento da concorrência.

Quanto a este último, a Magazine Luiza divulgou nesta segunda que levantará R$ 2 bilhões através de debêntures, que “serão utilizados para otimização do fluxo de caixa no curso e gestão ordinária dos negócios”. A companhia pode, com isso, ganhar algum folego para segurar suas margens.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.

Compartilhe