Magalu (MGLU3), Soma (SOMA3), MRV (MRVE3), Locaweb (LWSA3) e mais: ações de consumo caem até 6,7% após Copom e Fed

Sinalizações de política monetária e novos dados da economia americana abalam ações por aqui, apesar do corte da Selic

Equipe InfoMoney

Publicidade

A Selic caiu, o Fed manteve os juros, mas isso não impediu que as ações de consumo e de crescimento da Bolsa brasileira tivessem uma sessão de forte queda no pós “super-quarta”. Isso por conta dos sinais dados tanto pelo Comitê de Política Monetária (Copom) quanto pelo Federal Reserve na véspera.

Normalmente, as ações do setor de consumo e de crescimento reagem positivamente à baixa da Selic (que teve um corte de 0,5 ponto percentual, ou p.p., na véspera, para 12,75% ao ano), por conta da visão de crédito e custo de financiamento mais baixos, o que normalmente impulsiona segmentos como de varejo, construção e tecnologia.

Além disso, o valor justo de uma empresa é calculado pelos fluxos de caixa futuros a valor presente, obtido a partir do desconto da taxa de juros. Assim, quanto menor a taxa de juros, maior o valor justo desses ativos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Porém, nesta quinta (21), os ativos do Magazine Luiza (MGLU3) caíram 6,75% (R$ 2,35), os do Grupo Soma (SOMA3) tiveram baixa de 6,71% (R$ 6,81) e CVC (CVCB3) teve desvalorização de 5,42% (R$ 2,27), entre as maiores baixas do Ibovespa.

MRV (MRVE3), na sequência, era destaque entre as construtoras em queda no Ibovespa, com baixa de 4,83% (R$ 10,83), enquanto a empresa de tecnologia Locaweb (LWSA3) teve baixa de 5,24% (R$ 6,33). Lojas Renner (LREN3), Alpargatas (ALPA4), Cogna (COGN3), Arezzo (ARZZ3), Petz (PETZ3), Yduqs (YDUQ3) e EzTec (EZTC3) também estavam entre as ações entre baixa de 3% e 5% na sessão desta quinta.

O movimento de queda dessas ações ocorre uma vez que, apesar de o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) ter mantido os juros na última reunião, sinalizou um aumento da taxa de juros este ano indicou na quarta-feira que os juros do país seguirão elevados por mais tempo do que o imaginado.

Continua depois da publicidade

O Nasdaq caía 1,20% e liderava as perdas dos principais índices de Wall Street nesta quinta-feira, com baixa das ações de crescimento, o que também afeta as ações por aqui.

Soma-se a isso os pedidos de auxílio-desemprego nos EUA, que caíram ao nível mais baixo desde janeiro, sinalizando aperto do mercado de trabalho por lá (e corroborando a tese de juros mais altos).

Além disso, na noite de ontem, o Copom do Banco Central (BC) reduziu a Selic em 0,5 ponto percentual, de 13,25% para 12,75% ao ano, como o esperado pelo mercado. No comunicado, contudo, o BC fez alertas quanto aos riscos fiscais e afirmou que um ritmo de queda de 0,50 ponto continua sendo “apropriado para manter a política monetária contracionista necessária para o processo desinflacionário”.

Fernando Ferreira, estrategista da XP, apontou que a decisão foi em linha com o esperado, mas na curva de juros havia alguma probabilidade de uma aceleração desse corte, talvez para 0,75 ponto nas próximas reuniões.

“Então o mercado tem que continuar se ajustando a essa é a magnitude de corte 0,5 [ponto]. Além disso, o comunicado fala sobre a questão fiscal das metas estabelecidas, o que coloca ali uma dúvida de que, caso o governo tenha que mudar a meta ou não cumpra a meta, se isso pode impactar a magnitude dos cortes futuros ou quanto que o Copom vai continuar cortando”, aponta.

No geral, participantes do mercado disseram que o fato de a decisão ter vindo sem surpresas e sem indicar aceleração do ritmo de queda dos juros limita muito qualquer impacto do Copom nos ativos brasileiros, com o protagonismo da sessão ficando principalmente para o Federal Reserve.

Assim, no Brasil, a curva de juros acompanha a americana, apesar da queda da Selic. Os DIs para 2024 até caem um ponto-base, a 12,25%, mas os para 2025 e 2027 sobem, respectivamente, 2 e 4,5 pontos, a 10,55% e 10,52%. As taxas dos contratos para 2029 e as dos para 2031 ganham, ambas, sete pontos, a 11,06% e 11,36%, respectivamente.