M.Dias Branco (MDIAS3) lidera quedas da bolsa após balanço sob pressão de inflação e fracos volumes

Surpresa negativa no balanço foi o mês de janeiro mais difícil do que o esperado, mas analistas projetam melhora nos próximos trimestres

André Cabette Fábio

M Dias Divulgação-min

Publicidade

As ações da M.Dias Branco (MDIA3) lideram as quedas da bolsa nesta segunda-feira (16) após a divulgação dos resultados do primeiro trimestre, com queda, por volta das 14h51, de 7,97%, com os papéis cotados a R$ 22,53.

No primeiro trimestre, a M.Dias registrou lucro líquido de R$ 37,8 milhões, alta de 152% na comparação com o mesmo período de 2021.

Para o Itaú BBA, a M.Dias registrou um trimestre fraco, pressionado pela alta da inflação e pelos fracos volumes. Em relação ao Ebitda ajustado, este ficou 30% abaixo da projeção do BBA e 34% abaixo da previsão de consenso de mercado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Segundo o BBA, a surpresa negativa resultou principalmente de um janeiro mais difícil do que o esperado, que reduziu os volumes em 15% sequencialmente no 1T22.

Por outro lado, a M.Dias divulgou que os resultados foram muito melhores no final do trimestre (em relação a janeiro), aumentando o otimismo em relação aos próximos trimestres.

O BBA mantém classificação market perform para o papel, e preço-alvo de R$ 27.

Continua depois da publicidade

Em linha semelhante, o Bradesco BBI também avaliou que os resultados foram mais fracos do que o esperado, com os analistas esperando uma reação negativa das ações nos próximos dias, por conta do Ebitda 34% mais fraco que o consenso. Além disso, ressaltou o BBI, a ação teve um desempenho forte na última semana.

De toda forma, o BBI mantém classificação outperform e preço-alvo de R$ 40,00, pois acredita na baixa dos preços de commodities agrícolas e numa recuperação de margem.

Ademais, o BBI escreveu no relatório que a avaliação parece extremamente atraente, com a M.Dias sendo negociada a um P/L 2023 de 11x , abaixo da média histórica de 14x.

M.Dias Branco prevê melhores volumes

A analistas, o vice-presidente de investimentos e controladoria da M.Dias Branco, Gustavo Lopes Theodozio, afirmou que a estratégia de precificação da companhia deve contribuir para manter as margens no nível de março, e que os volumes devem ter melhoras nos próximos meses.

Questionado sobre as margens em abril e maio, disse que vieram “bastante fortes”.

Fabio Cefaly, diretor de novos negócios e relações com investidores da M.Dias Branco, afirmou que o impacto em margem responde à relação entre preço e custo, e que a empresa está conseguindo abordar a questão melhor neste ano, com estoques de trigo, ajustes em tempos ideais e hedging.

Theodozio ressaltou que a empresa tem custos fixos, que são diluídos em momentos de volumes mais elevados, beneficiando as margens. Ele ressaltou que os volumes vinham em ascensão até o quarto trimestre de 2021, quando sofreram maior pressão.

Inflação e volumes

Questionado sobre o impacto de preços sobre trigo e óleos vegetais, Gustavo Lopes Theodozio, vice-presidente de investimentos e controladoria da M.Dias Branco, disse que não vê nenhum “spike” (alta elevada), mas manutenção de preços altos por conta da Guerra da Ucrânia.

Ele comentou que a Índia barrou recentemente exportações por conta da inflação interna, mas disse não esperar nenhuma grande alta, em especial de óleo de palma. Ele afirmou que estoques e hedges vêm protegendo a M. Dias Branco da inflação.

O executivo reconheceu que haverá um aumento dos custos ao longo do tempo para óleo de palma e trigo, seguindo a tendência do mercado global, mas “não da forma acentuada como a gente viu no passado”.

Conforme ela, a M.Dias tem muito estoque de trigo, e que a partir de maio e junho terá novas entradas, o que deverá elevar os preços lentamente até o segundo semestre.

Receitas

A receita líquida da M.Dias somou R$ 1,890 bilhão, um aumento de 26,8%, com um aumento das vendas de 5,4% em termos de volume, para 375,5 mil toneladas. O preço médio subiu 20,3%.

“Houve crescimento de receita líquida, volumes e preço médio nas duas regiões comerciais, Ataque (Sul, Sudeste e Centro-Oeste) e Defesa (Norte e Nordeste)”, afirmou a empresa em seu balanço.

Do total do volume, houve alta de 10,9% no montante de vendas de biscoitos, para 107,6 mil toneladas, enquanto de massas aumentou 7%, para 76,6 mil toneladas.

Oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje. Assista aqui.sp;

André Cabette Fábio

Jornalista colaborador do InfoMoney