Segunda turma

Lula deve ter habeas corpus negado no STF e continuar preso por 3 votos a 2, avalia Arko

Proposta de Gilmar Mendes bagunçou a previsibilidade, afirma Lucas Aragão, mas avaliação é de que o ex-presidente seguirá preso

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu há pouco julgar hoje (25) um habeas corpus para analisar a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sendo um dos fatores que abalou o mercado na sessão de hoje. 

Contudo, de acordo com Lucas Aragão, analista político da consultoria Arko Advice, para os investidores, a eventual soltura de Lula, em qualquer momento, não impactará a reforma da Previdência.

“Não há impacto prático. Gera muita fumaça, e pouquíssima consequência prática no dia a dia em Brasília”, afirmou o analista político em post no Twitter.

PUBLICIDADE

Sobre o julgamento do habeas corpus, Aragão destaca que a proposta do ministro do STF Gilmar Mendes de soltar Lula até que o caso da suspeição do ministro Sérgio Moro seja julgado “bagunçou a previsibilidade”. “Tudo pode acontecer”. 

Mas ele pondera, apontando que a visão da consultoria política é de que, por 3 votos a 2, Lula terá o HC negado e continuará preso.

A Segunda Turma do STF, que vota nesta data os habeas corpus de Lula, é composta pelo relator ministro Edson Fachin, pela ministra Cármen Lúcia e por Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

O ex-presidente está preso desde 7 de abril do ano passado na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, depois de ter sua condenação confirmada pelo Tribunal Regional Federal 4ª Região (TRF4), que impôs pena de 12 anos e um mês de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá (SP).

Quer investir melhor o seu dinheiro? Clique aqui e abra a sua conta na XP Investimentos

(Com Agência Brasil)