Ganhando na crise

Lucro do Zoom dispara mais de 1.000% no 1º tri e vai a US$ 27 milhões com aumento de usuários em meio à pandemia

A receita da empresa, por sua vez, saltou 169%, para US$ 328,2 milhões, contra US$ 122 milhões no mesmo período de 2019

arrow_forwardMais sobre
(Smith Collection/Gado/Getty Images)

SÃO PAULO – A companhia de videoconferência Zoom anunciou na noite desta terça-feira (2) que encerrou o primeiro trimestre com lucro líquido de US$ 27 milhões, uma alta de 1.127% em relação ao lucro de US$ 2,2 milhões de um ano atrás.

A receita, por sua vez, saltou 169%, para US$ 328,2 milhões, contra US$ 122 milhões no mesmo período de 2019, resultado bem acima dos US$ 230 milhões esperados pelos analistas consultados pelo FactSet.

“A crise da Covid-19 gerou uma demanda maior por interações e colaboração face a face distribuídas usando o Zoom”, disse Eric Yuan, presidente-executivo do Zoom, no release de resultados. “Os casos de uso cresceram rapidamente à medida que as pessoas integravam o Zoom em seu trabalho, aprendizado e vida pessoal”, completou.

PUBLICIDADE

Diante deste cenário, a companhia espera que os números continuem melhorando. O Zoom projeta que a receita fique em cerca de US$ 500 milhões no segundo trimestre, mais que o dobro da média das estimativas dos analistas.

Para o ano, agora a companhia espera receita próxima de US$ 1,8 bilhão, quase o dobro dos US$ 915 milhões previstos anteriormente. A projeção de lucro agora passou para a faixa entre US$ 1,21 e US$ 1,29 por ação, contra estimativa anterior entre US$ 0,42 e US$ 0,45.

Com o resultado, as ações do Zoom estendem os ganhos no after market da bolsa americana, após bater recordes nos últimos pregões. Na véspera os papéis já haviam batido a máxima histórica, que foi renovada nesta terça, com os ativos fechando em US$ 208,08.

O Zoom conta atualmente com mais de 300 milhões de usuários ativos em todo o mundo e valor de mercado avaliado em pouco mais de US$ 57 bilhões.

O Segredo das Tesourarias: aprenda como lucrar da mesma forma que os bancos em um curso gratuito do analista e matemático Su Chong Wei