Além do esperado

Klabin (KLBN11) elevará preço de celulose na China a partir de maio; unit fecha quase estável em dia de tombo nos mercados

Com o aumento, que segue-se a outros que foram anunciados nos últimos meses, o preço do produto na região será de US$ 810 a tonelada

Por  Equipe InfoMoney -

A Klabin (KLBN11) anunciou reajuste de US$ 30 nos preços de celulose de fibra curta a clientes na China a partir de 1 de maio, confirmou a companhia nesta sexta-feira (22).

Com o aumento, que segue-se a outros que foram anunciados nos últimos meses, o preço do produto na região será de US$ 810 a tonelada.

As units da Klabin tiveram queda de 0,23%, a R$ 22,14, enquanto o Ibovespa fechou em queda de 2,86%.

O Bradesco BBI destacou que o feedback recente de players do mercado de celulose apontou para a possibilidade de um novo aumento para maio entre US$ 10 e US$ 20 a tonelada, embora alguns participantes do mercado estivessem esperando preços estáveis para o próximo mês.

O aumento de preço em US$ 30, portanto, superou as expectativas iniciais do mercado e reflete as condições de oferta restritas atualmente (interrupções de fornecimento, paradas de manutenção, gargalos logísticos e baixos estoques dos consumidores).

Se totalmente implementados, avaliam os analistas, os preços de importação de celulose de fibra curta finalmente alcançariam os preços de revenda domésticos na China (que atualmente estão em US$ 804 a tonelada). A partir daqui, um fator-chave a ser observado serão os aumentos de preço do papel, que de fato vêm ocorrendo (ainda que de forma gradual). O BBI tem recomendação outperform (desempenho acima da média do mercado) para Klabin, assim como para Suzano (SUZB3).

(com Reuters)

Procurando uma boa oportunidade de compra? Estrategista da XP revela 6 ações baratas para comprar hoje.

Compartilhe