AO VIVO Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Analista Charlles Nader mostra como fazer um planejamento para ter consistência na Bolsa

Radar InfoMoney

Justiça volta a liberar acordo Embraer-Boeing, Eletrobras projeta investimento de R$ 30 bi em 5 anos; mais 7 notícias

 Confira os destaques corporativos desta quarta-feira (26)  

SÃO PAULO – Após o feriado de Natal, que manteve a B3 fechada por dois dias, o mercado brasileiro reabre nesta quarta-feira (26) digerindo o movimento dos ADRs (American Depositary Receipt) das principais ações do país negociadas em Wall Street, além de um noticiário corporativo agitado.

No radar InfoMoney deste pregão, a Eletrobras planeja investir até R$ 30,2 bilhões entre 2019 e 2023 e o Grupo Pão de Açúcar (GPA) afirma que pretende vender suas ações da Via Varejo em Bolsa até o fim de 2019. Além disso, o Tribunal Regional Federal da 3ª Região rejeitou novamente decisão que suspendia o acordo firmado entre Embraer e Boeing.

Confira os destaques corporativos desta manhã: 

Embraer (EMBR3)

A Justiça Federal revogou, na madrugada do último sábado, a liminar que suspendia acordo entre Embraer e Boeing pela segunda vez. Em sua decisão, a desembargadora Therezinha Cazerta, presidente do TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), disse que não cabe ao Judiciário decidir sobre o futuro da companhia brasileira.

“Estado-juiz não é detentor de ‘golden share’. À reserva de jurisdição incumbe a proteção de direitos, no sentido forte do termo, e não a definição dos rumos da maior sociedade empresária brasileira de aviação”, escreveu.

O acordo prevê a criação de uma joint venture da qual a Boeing terá 80% e Embraer ficará com os 20% restantes. A nova empresa é avaliada em US$ 5,26 bilhões. O negócio ainda precisa passar pelo crivo do governo, dos acionistas e das autoridades regulatórias.

Via Varejo (VVAR3)

O Grupo Pão de Açúcar (PCAR4) vai se desfazer da participação que tem sobre a Via Varejo, dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio. Conformou noticiou a empresa na última sexta-feira (21), caso não encontre comprador, venderá sua posição no mercado até o fim de 2019. Também foi anunciada mudança na presidência da Via Varejo — a quarta em cinco anos e meio. Agora, Peter Estermann, atual CEO do GPA, acumulará a função de comandante da companhia. 

O GPA busca um comprador para o controle da Via Varejo há dois anos. Conforme noticia o jornal Valor Econômico, além da busca de um investidor estratégico para as 43,3% de ações da varejista, outro caminho estudado pelo grupo é se desfazer dos papéis em operações no mercado no ano que vem. O processo de saída começa nesta quinta-feira, quando serão vendidas em bolsa 50 milhões de ações, o que equivale a 3,86% do capital acionário da companhia.

A movimentação pode abrir a possibilidade de o herdeiro das Casas Bahia, Michael Klein, voltar a influenciar na gestão da empresa. Conforme noticiou a Coluna do Broadcast, do jornal O Estado de S.Paulo, embora Klein admita reservadamente seu interesse em voltar a influenciar na empresa, a família não deseja aumentar sua fatia no capital da Via Varejo, hoje em 25,53%, porque quer evitar a obrigação de ter que estender as mesmas condições de compra a minoritários.

Eletrobras (ELET3)

PUBLICIDADE

A Eletrobras anunciou seu plano de negócio para o período entre 2019 e 2023 e projeta investir até R$ 30,2 bilhões, sendo R$ 16,98 bilhões em geração e R$ 9,55 bilhões em transmissão. Para o ano que vem, as expectativas são de que os investimentos cheguem a R$ 5,68 bilhões.

BRF (BRFS3) e Minerva (BEEF3)

O acordo de acionistas firmado entre a VDQ Holdings, controladora da Minerva Foods, e a BRF foi rescindido. Com isso, a BRF perde o contrato de fornecimento de carne bovina que tinha com a Minerva. A rescisão se deu em função de aumento de capital de cerca de R$ 1 bilhão da Minerva. Como a BRF decidiu não subscrever as novas ações da companhia, sua participação acionária caiu de 6,7% para 4,04%, o que faz com que o acordo, que exigia manutenção de participação mínima de 6%, perca a validade.

Petrobras (PETR3; PETR4)

Os preços do petróleo sobem levemente nesta sessão, com as expectativas sobre corte de produção da Opep. Às 8h45 (horário de Brasília), os barris tipo WTI subiam 1,58%, a US$ 43,20, após chegar a valer US$ 42,00 na última sessão. Já os barris tipo brent operavam em alta de 1,49%, a US$ 51,22, depois de chegarem a ser cotados abaixo de US$ 50.

Na última segunda-feira (24), os ADRs da companhia recuaram 1,63%, a US$ 10,86, acompanhando o mau humor dos investidores em meio às tensões entre o presidente norte-americano, Donald Trump, e o Federal Reserve.

Seja sócio das maiores ações da bolsa: invista na Clear com corretagem ZERO. 

Fibria (FIBR3) e Suzano (SUZB3)

O conselho de administração da Fibria destituiu da diretoria estatutária da empresa Marcelo Castelli e Guilherme Cavalcanti, diretor-presidente e diretor financeiro, respectivamente, tendo em vista a previsão de consumação da operação de combinação de negócios com a Suzano.

De acordo com o comunicado da empresa, a destituição dos diretores acontecerá de fato quando a fusão entre Fibria e Suzano se concretizar em 14 de janeiro de 2019. Além disso, o conselho também optou por encerrar as atividades e destituir todos os membros dos comitês de assessoramento, como o de finanças, de sustentabilidade, de pessoas e remuneração e de inovação.

Copel (CPLE6)

A Agência Nacional de Energia Elétrica liberou para operação em teste a Unidade Geradora 1 da Usina Hidrelétrica de Colíder da Copel. Além disso, a empresa informou que expirou o acordo de acionistas entre o Estado do Paraná e o BNDES Participações. O acordo, assinado em 22 de dezembro de 1998 com vigência de 20 anos, acabou neste último sábado (22).

Taesa (TAEE11)

PUBLICIDADE

A Taesa obteve licenças de instalação e operação para iniciar a construção das linhas de transmissão do empreendimento Mariana Transmissora de Energia Elétrica, da cidade de mesmo nome em Minas Gerais. A empresa espera a publicação da emissão em órgãos oficiais.

Eletropaulo (ELPL3)

A Eletropaulo celebrou instrumento particular de mútuo financeiro de R$ 420 milhões com Enel Finance. O valor definido se destina ao reforço de capital de giro. A operação foi aprovada pelo conselho de administração da companhia.

Renova Energia (RNEW11)

A Renova Energia recebeu uma proposta vinculante de financiamento da Farallon para conclusão das obras e equacionamento financeiro do Complexo Eólico Alto Sertão III. A administração da empresa está avaliando a proposta recebida.

Banco do Brasil (BBAS3)

A companhia informou ao mercado que o diretor de suprimentos, infraestrutura e patrimônio Nilson Martiniano e o diretor de Gestão de pessoas José Caetano de Andrade Minchillo renunciaram aos seus respectivos cargos.

Ecorodovias (ECOR3)

O conselho de administração da Ecorodovias aprovou a 4ª emissão de debêntures no valor de R$ 300 milhões.

Proventos

Bradespar (BRAP4)
A diretoria da Bradespar propõe pagamento de juros sobre capital próprio de R$ 217 milhões, montante equivalente a R$ 0,5855 por ação ordinária e R$ 0,6440 por ação preferencial.
EDP Energias do Brasil (ENBR3)
O conselho da EDP Energias do Brasil aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio de R$ 439 milhões. Além disso, a empresa informou que a venda da EDP PCH e da Santa Fé Energia foi concluída. O valor por ação ordinária é de R$ 0,7241259.
Multiplan (MULT3)
O conselho fiscal da Multiplan aprovou o pagamento de juros sobre o capital próprio de R$ 70 milhões, o equivalente a R$ 0,11776 por ação.
Hering (HGTX3)
O conselho de administração da Hering aprovou a distribuição de juros sobre o capital próprio de R$ 39.995.663,24, equivalente a R$ 0,2478 por ação. O pagamento ao acionistas será realizado em 15 de janeiro de 2019, utilizando como base de cálculo a posição acionária de 3 de janeiro de 2019.
Unidas (LCAM3)
O conselho de administração da Unidas (ex-Locamerica) aprovou o pagamento de juro sobre o capital próprio de R$ 28.853.069,82, o que equivale a R$ 0,1966 por ação.
SulAmérica (SULA11)
O conselho de administração da SulAmérica aprovou o pagamento de juros sobre o capital próprio de R$ 160 milhões, o que equivale a R$ 0,4135 por unit.
Totvs (TOTS3)
O conselho da companhia aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio de R$ 13.076.130,88, o que equivale a R$ 0,08 por ação..

(com Agência Estado)

Seja sócio das maiores ações da bolsa: invista na Clear com corretagem ZERO. 

PUBLICIDADE