Justiça dá sinal verde para Binance fechar negócio de US$ 1,3 bi nos EUA

Um juiz de falências permitiu um acordo entre a exchange e a plataforma de empréstimo cripto falida Voyager Digital

CoinDesk

Changpeng "CZ" Zhao, CEO da Binance (Antonio Masiello/Getty Images)

Publicidade

A Binance.US, braço norte-americano da Binance, superou um grande obstáculo jurídico e pode adquirir os ativos da plataforma de empréstimo cripto falida Voyager Digital, em um negócio avaliado em cerca de US$ 1,3 bilhão, após um juiz de falências no Distrito Sul de Nova York indicar ser a favor do acordo.

A Binance.US ainda pode ter que enfrentar certas questões regulatórias antes que o acordo seja finalizado. O token VGX, nativo da Voyager, subiu mais de 8% nos minutos após a decisão, divulgada na terça-feira (7).

O plano, elaborado depois que a FTX, que estava interessada na compra dos ativos da Voyager antes de entrar com pedido de falência em novembro, foi apoiado por 97% dos credores da plataforma cripto falida. O negócio poderia levá-los a recuperar quase três quartos de seus recursos.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A longa audiência sobre a proposta começou com boas notícias para os credores, com os advogados da Voyager dizendo que eles poderiam potencialmente recuperar 73% dos ativos – a estimativa anterior era de 51%. O otimismo se deve à recente alta do mercado cripto.

No entanto, os reguladores do Texas e de Nova Jersey alertaram que esses benefícios podem ser significativamente atenuados se a Alameda Research, empresa-irmã da FTX, conseguir recuperar US$ 445 milhões em pagamentos de empréstimos feitos antes de seu próprio pedido de falência em novembro.

Durante o quarto dia da audiência na terça, o juiz responsável pelo caso finalmente decidiu que as objeções desses reguladores não superavam a necessidade de prosseguir com a reestruturação da Voyager.

Continua depois da publicidade

No início da audiência, o juiz afirmou não ter gostado das objeções da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (a SEC).

“Se o governo quiser litigar que a venda de tokens VGX da Voyager foi uma oferta de valores mobiliários, deveria ter feito isso”, disse ele, referindo-se à declaração de um advogado da SEC de que a venda proposta pode ter vínculos com a lei de valores mobiliários.

Outras preocupações levantadas pelas partes incluíam a possibilidade de que os dados dos clientes da Voyager, incluindo número de seguro social (número de identificação pessoal semelhante ao CPF), fossem compartilhados com a Binance.US e armazenados em bancos de dados offshore. Um advogado que representa a Binance.US disse que nenhum funcionário da exchange teria acesso a esse tipo de informação.

CoinDesk

CoinDesk é a plataforma de conteúdos e informações sobre criptomoedas mais influente do mundo, e agora parceira exclusiva do InfoMoney no Brasil: twitter.com/CoinDeskBrasil