RADAR INFOMONEY AO VIVO Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Império X, de Eike Batista, volta ao radar, com OSX subindo até 67% com fim da RJ; mas as ações têm futuro?

Mais espaço para subir

JPMorgan vê bolsa ainda barata com “prêmio por reformas”

“O Brasil tem uma história para contar, uma narrativa”, disse Emy Shayo, estrategista de ações para a América Latina do JPMorgan

(Shutterstock)
Aprenda a investir na bolsa

(Bloomberg) – A bolsa brasileira tem espaço para subir mesmo após ter fechado 2019 com preços acima da média histórica, impulsionada pelas reformas econômicas e a migração para a renda variável motivada pelos juros baixos, segundo Emy Shayo, estrategista de ações para a América Latina do JPMorgan.

“O Brasil tem uma história para contar, uma narrativa”, disse em entrevista no escritório da Bloomberg em São Paulo.

O avanço da agenda econômica contribuiu para deixar a relação entre preços e lucros das empresas da bolsa acima da média histórica, fenômeno considerado comum em países que passaram por esse tipo de mudança, como a Índia e o México. “Há um prêmio por reformas,” disse ela.

Aprenda a investir na bolsa

Emy, que prevê expansão de 2% do PIB, vê a perspectiva de recuperação agora como “mais estrutural”, mas ainda dependente da implementação da agenda do governo.

A expectativa é que as reformas sigam evoluindo, apesar das eleições municipais de outubro e das sucessões dos presidentes da Câmara e Senado, em 2021.

Leia mais: Potencial de alta para a Bolsa brasileira em 2020 é de pelo menos 13%, diz UBS

A estrategista acredita na aprovação do marco do saneamento neste ano, e considera relevante o avanço da PEC emergencial, que facilita cumprimento do teto de gastos, e da reforma administrativa. Já a reforma tributária enfrenta falta de consenso.

“É importante entregar as reformas para manter este momentum e ter expectativa de lucros crescentes das empresas”, disse Emy. “O importante é ter progresso”.

Migração

A bolsa também é favorecida pelas perspectivas mais favoráveis sobre a economia global, e pela maior procura pela renda variável entre investidores locais, que buscam alternativas em um cenário em que a Selic baixa derruba retornos da tradicional renda fixa.

PUBLICIDADE

O movimento tem compensado a saída dos investidores estrangeiros, que seguem retirando dinheiro do mercado de ações brasileiro.

Os fundos de ações encerraram 2019 com o melhor resultado anual e a maior captação líquida da indústria, com R$ 86,2 bilhões, um crescimento de 195% em relação a 2018, segundo dados da Anbima.

Já a classe de renda fixa registrou saída líquida de R$ 69,3 bilhões em 2019, o pior resultado desde 2008.

A perspectiva é que o movimento continue. “A alocação pode dobrar em relação ao que está hoje,” disse Emy.

Seja sócio das maiores empresas da Bolsa sem pagar corretagem. Abra uma conta na Clear.