Consensus 2022

JPMorgan quer levar trilhões de dólares em ativos tokenizados para DeFi

Tyrone Lobban, chefe da Onyx Digital Assets do JPMorgan, descreveu em detalhes os planos DeFi de nível institucional do banco

Por  CoinDesk -

O JPMorgan espera ter encontrado uma maneira para os desenvolvedores de finanças descentralizadas (DeFi) alavancarem o potencial de geração de rendimento de ativos não criptográficos.

Falando na Consensus 2022 em Austin, Texas, Tyrone Lobban, chefe da Onyx Digital Assets do JPMorgan, descreveu em detalhes os planos DeFi de nível institucional do banco e destacou quanto valor em ativos tokenizados está esperando nos bastidores.

“Com o tempo, achamos que tokenizar títulos do Tesouro dos EUA ou ações de fundos do mercado monetário, por exemplo, significará que tudo isso poderá ser usado como colateral em pools de DeFi”, disse Lobban. “O objetivo geral é trazer esses trilhões de dólares em ativos para o DeFi, para que possamos usar esses novos mecanismos de negociação, emprestar e pegar empréstimos, mas com a escala dos ativos institucionais”.

DeFi institucional geralmente significa impor restrições de Conheça Seu Cliente (KYC, na sigla em inglês) nos pools de empréstimos sem permissão de cripto, o que começou a acontecer em bolsões de inovação como o Aave Arc, bem como em um projeto anunciado recentemente envolvendo o Siam Commercial Bank e o Compound Treasury.

Os planos do JPMorgan incorporando a tokenização de ativos tradicionais apontam para uma escala muito maior. A Onyx Digital Assets vê duas partes complementares para concretizar o DeFi de nível bancário, explicou Lobban.

Um componente é o sistema de liquidação de garantias baseado em blockchain do JPMorgan que foi estendido no mês passado para incluir versões tokenizadas das ações de fundos do mercado monetário da BlackRock, um tipo de fundo mútuo investido em dinheiro e instrumentos de dívida de curto prazo altamente líquidos.

Esse tipo de aplicação na blockchain Onyx Digital Assets, que é liquidada no token digital interno do banco, a JPM Coin, teve US$ 350 bilhões em volume de negócios, apontou Lobban.

A segunda peça do quebra-cabeça é um piloto recente que está sendo liderado pela Autoridade Monetária de Cingapura e inclui JPMorgan, DBS Bank e Marketnode e é apelidado de “Projeto Guardião”.

Ele testa o DeFi institucional usando pools de liquidez autorizados que são compostos de títulos e depósitos tokenizados.

Esses empreendimentos em DeFi envolverão blockchains públicas e terão uma estrutura de permissão semelhante em muitos aspectos ao que está sendo feito por empresas como Aave Arc e Fireblocks.

Uma diferença, observou Lobban, é que a verificação das informações do cliente no Projeto Guardião está sendo feita por grandes instituições financeiras participantes, em oposição às plataformas DeFi e empresas de custódia nativas de criptomoedas.

Em outras palavras, um trader do JPMorgan precisa provar que tem os direitos e autorizações para negociar em nome do banco de Wall Street.

Credenciais verificáveis

Outra diferença é a nova abordagem para DeFi com permissão feita usando blocos de construção de identidade digital, como credenciais verificáveis ​​W3C.

“Queremos usar credenciais verificáveis ​​como forma de identificar e provar identidade, o que é diferente do modelo atual da Aave, por exemplo”, disse Lobban. “As credenciais verificáveis ​​são interessantes porque podem apresentar a escala necessária para fornecer acesso a esses pools sem necessariamente ter que manter uma lista branca de endereços. Como as credenciais verificáveis ​​não são mantidas na rede, você não tem a mesma sobrecarga envolvida na gravação desse tipo de informação na blockchain, no pagamento de taxas de gás, etc”.

O JPMorgan não decidiu com quais plataformas e contrapartes DeFi trabalhará, disse Lobban, mas estará entre as ofertas reconhecidas. “Será das opções de protocolos que você esperaria, testado em batalha com altos TVLs (valor total bloqueado). Mas ainda não descobrimos quais”.

Lobban explicou que, nos últimos dois anos e meio, o JPMorgan vem explorando discretamente a identidade digital no contexto de blockchain e ativos digitais.

“Se pudermos colocar essa camada de identidade na frente do DeFi que permite o acesso baseado em KYC, então cada um desses protocolos deve ser naturalmente capaz de apoiar as instituições sem necessariamente ter que fazer muitas alterações no que estão fazendo”, disse Lobban. “Temos que configurar pools autorizados separados e fazer alterações nos protocolos existentes? Ou essas coisas podem funcionar fora da caixa?”.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receber a newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe