Radar InfoMoney

JBS quer investir R$ 8 bi no Brasil em 5 anos; Marisa levanta R$ 515,6 mi em oferta de ações e mais destaques

Confira os destaques do noticiário corporativo na sessão desta quinta-feira (5)

Fachada de uma loja das Lojas Marisa
(Shutterstock)

SÃO PAULO – O noticiário corporativo desta quinta-feira é movimentado. Em destaque, a Petrobras planeja pagar US$ 3 bilhões em dividendos em 2020, destacou Andrea Almeida, CFO da estatal. Já a JBS informou que vai investir R$ 8 bilhões para expansão no Brasil nos próximos 5 anos e vê o país bem posicionado para atender à crescente demanda global de proteínas nas próximas décadas.

Na Eletrobras, 1.300 empregados aderiram a plano demissão consensual; desligamento proporcionará economia estimada de R$ 490 milhões ao ano, com payback de 18 meses. Já a Marisa levantou R$ 515,6 milhões com oferta de 51,6 milhões de ações ON. Confira os destaques do noticiário:

Petrobras (PETR3;PETR4)

A Petrobras afirmou na quarta-feira, durante evento na bolsa de valores de Nova York, que pretende distribuir US$ 34 bilhões em dividendos entre 2020 e 2024. A declaração foi feita pela diretora financeira da Petrobras, Andrea Almeida, na apresentação do plano estratégico 2020-2024 da empresa.

PUBLICIDADE

Segundo ela, o pagamento de dividendos passará por um aumento substancial quando a dívida bruta da petrolífera atingir US$ 60 bilhões.

Enquanto isso, o presidente da companhia, Roberto Castello Branco, disse que a Petrobras fará “o que for necessário para atingir grau de investimento”, mas que reduzir a alavancagem não irá garantir este nível.

Andrea disse ainda que a petrolífera prevê reduzir em 15% seus gastos corporativos e em 10% os custos até 2021, com a intenção de diminuir a diferença entre seus valores de mercado e patrimonial nos próximos dois anos.

Já Castello Branco disse que a participação da BR Distribuidora pode levantar de US$ 2 bilhões a US$ 3 bilhões.

Além disso, o plano apresentado mostra uma meta de desinvestimento de US$ 20 bilhões a US$ 30 bilhões até o fim de 2024, sem contar a venda de ações da BR Distribuidora, participação da Braskem ou venda de ativos bolivianos.

A Petrobras disse ainda que investirá US$ 64 bi em exploração e produção de 2020 a 2024, sendo que a Bacia de Campos será responsável por US$ 20 bi no mesmo período.

PUBLICIDADE

Já o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco, disse ser “fortemente” contrário ao plano de venda da Braskem em 36 vezes, como foi manifestado pela Odebrecht. “Parece que é um plano de quem não quer vender nada.”

Para ele, seria “razoável” uma venda em 12 meses – e por meio de follow on (oferta de ações), defende a diretora executiva de refino e gás, Anelise Lara.

JBS (JBSS3)

A JBS afirmou que investirá R$ 8 bilhões para expansão no Brasil nos próximos 5 anos. A companhia informou que vê o país bem posicionado para atender à crescente demanda global de proteínas nas próximas décadas.

“O Brasil é extremamente importante para nós. Temos grandes oportunidades de crescimento aqui”.

Com a população global atingindo mais de 9 bilhões em 2050, a produção de alimentos terá que aumentar 70%, segundo estimativas da Organização para a Alimentação e a Agricultura. Além disso, o aumento da renda e novos hábitos de consumo devem levar a um aumento no consumo de proteína.

BRF (BRFS3)

O Ministério Público Federal (MPF) apresentou denúncia contra onze pessoas investigadas pela Operação Trapaça. A operação é um desdobramento da Carne Fraca.

De acordo com o MPF, entre os denunciados, estão um funcionário e dez ex-funcionários da BRF.

Em comunicado ao mercado, a BRF informou que está se inteirando dos detalhes da denúncia. “Nenhum membro da administração, diretor ou executivo em posição de gestão atual na companhia foi denunciado. Dentre os onze, dez não trabalham mais na companhia, sendo que o único colaborador que ainda permanece foi preventivamente afastado”, afirmou a empresa.

PUBLICIDADE

A denúncia do MPF terá baixo impacto na empresa, avaliou um relatório da Bradesco BBI. Na análise, a corretora destaca que dez dos 11 acusados não trabalham mais na BRF, e além disso “não foram citados administradores ou pessoas em cargos de gerência e executivos da empresa” na peça judicial. A corretora também avalia que a BRF possui capacidade ociosa nas suas 35 plantas no Brasil e por isto possui a capacidade para aumentar a produção, inclusive para exportar, sem a necessidade de novos investimentos.

Fleury (FLRY3)

O Morgan Stanley elevou o preço-alvo das ações da Fleury de R$ 23,80 para R$ 30, mas mantendo recomendação equalweight (exposição em linha com a média do mercado).

De acordo com os analistas do banco, a recuperação da marca dos laboratórios Fleury deverá levar o crescimento da empresa de volta para a casa dos dois dígitos em 2020, mas as margens tendem a permanecer sob pressão, indica um relatório do Morgan Stanley.

A projeção leva em conta a melhora da economia brasileira para 2020 e estima que o Fleury poderá crescer 11%, embora ressalte que o “mais baixo poder na formação de preços e uma menor escala de exames especializados” deverão pressionar as margens. A expectativa é que o faturamento bruto do Fleury tenha crescido 9% em 2019 para R$ 3,1 bilhões. O Morgan Stanley projeta ainda que a rede Fleury priorizará um crescimento orgânico em 2020, ao invés de adquirir outros laboratórios.

Marisa (AMAR3)

A ação da Lojas Marisa em sua oferta subsequente (follow on) saiu a R$ 10. O início das negociações das ações da oferta será nesta sexta.

A quantidade inicial de ações na oferta foi acrescida de lote adicional de 10%, totalizando de 51.562.500 ON, ou R$ 515,6 milhões. O montante pode chegar a cerca de R$ 568 milhões se exercido o lote suplementar, de até 11%, cujo encerramento do prazo de exercício ocorre em 8 de janeiro.

O setor de varejo, diante das expectativas em relação à retomada da economia brasileira, tem atraído a atenção dos investidores. A companhia pretende utilizar os recursos líquidos obtidos com a oferta para amortização ou liquidação de dívidas e reforço do capital de giro. A oferta foi coordenada por Itaú BBA (líder), Bradesco BBI, BofA Merrill Lynch e BB Investimentos.

Eletrobras (ELET3;ELET6)

A Eletrobras encerrou seu segundo Plano de Demissão Consensual (PDC) com a adesão de 1.300 empregados, que deverão deixar a estatal até o dia 31 de dezembro.

PUBLICIDADE

Segundo a companhia, esse número representa 97,6% da meta estabelecida no Acordo Coletivo de Trabalho válido para o período 2019/2020, homologada pelo Tribunal Superior do Trabalho, de ter no máximo 12.500 funcionário em seu quadro até 1º de janeiro de 2020.

A Eletrobras informa que a saída dos funcionários vai proporcionar uma economia estimada de R$ 490 milhões ao ano, com retorno em 18 meses. Para alcançar a meta estabelecida para 1º de maio, de ter 12.088 empregados, serão desligados mais 444 pessoas.

Bradespar (BRAP4)

A Bradespar informou que a Justiça negou pleito da Litel de R$ 1,4 bilhão. A companhia informou que mesma sentença
determina o pagamento de R$ 470,1 milhões da Litel à Bradespar, segundo comunicado ao mercado.

Ultrapar (UGPA3)

A Ultrapar aprovou seu plano de investimentos para 2020 no valor de R$ 1,771 bilhão.

Uma parcela de 49%, ou R$ 873 milhões, do total desse valor vai para a Ipiranga, sendo que um percentual de 60% deste montante do limite aprovado para a empresa vai ser voltado para a expansão da rede de postos e da infraestrutura de abastecimento.

Serão construídas duas novas bases de operação e das concessões obtidas neste ano em Belém (PA), Cabedelo (PB) e Vitória (ES).

Segundo o Itaú BBA, os investimentos são 24% superiores às suas expectativas e 16% maiores que a projeção do mercado para as empresas do grupo Ultra. Os analistas mantiveram o preço-alvo da ação da Ultrapar (UGPA3) em R$ 23.

Maquininhas

O Bradesco BBI iniciou cobertura para as ações de maquininhas, com viés cauteloso para o setor. A recomendação é neutra para Stone e Cielo (CIEL3), com preços-alvos respectivos de US$ 40 e R$ 6 e underperform para PagSeguro, esta com preço-alvo de US$ 30.

Os analistas apontam que as mudanças estruturais vão continuar movimentando um modelo de negócios que já foi muito rentável.

“Mais importante do que as receitas com merchants, são os relacionamentos de longo prazo que podem ser construídos com esses merchants. Sendo assim, no processo de se tornarem canais de distribuição, os preços devem se manter sob pressão, com custos e despesas de vendas crescendo à medida que a competição se intensifique. Para piorar, isso tudo deve acontecer em um cenário de aumento intenso de uso de capital, uma vez que adquirentes tem tido que bancar menores períodos para pagamentos em credito. Sendo assim, retornos podem convergir para custo de capital ou podem, até mesmo, ficar abaixo dele”, afirmam os analistas.

Dommo (DMMO3)

A produção de petróleo de novembro da Dommo caiu para 169.536 barris.

Seja sócio das melhores empresas da Bolsa: abra uma conta na Clear com taxa ZERO para corretagem de ações!

(Com Bloomberg, Agência Estado e Câmara Notícias)