Regulação

Japão estuda flexibilizar mercado cripto de US$ 1 trilhão

Sob as novas regras, as bolsas cripto teriam permissão para listar mais de uma dezena de moedas de uma só vez sem um longo processo de triagem

Por  Bloomberg -

(Bloomberg) — A agência que regulamenta o mercado de criptomoedas do Japão — que movimenta quase US$ 1 trilhão — estuda facilitar a listagem de tokens digitais, segundo pessoas com conhecimento do assunto. A iniciativa pode dar impulso a recém-chegadas como a plataforma de negociação Coinbase Global.

Sob as novas regras analisadas pela agência de autorregulação do setor, as bolsas cripto teriam permissão para listar mais de uma dezena de moedas de uma só vez sem um longo processo de triagem, informaram as fontes, que pediram anonimato para discutir essas deliberações. Até recentemente, qualquer listagem de tokens precisaria passar por uma triagem de seis meses ou mais.

O sistema existente dificulta a ampliação da fatia de mercado de plataformas que chegariam com maior variedade de tokens, segundo as pessoas entrevistadas. A Coinbase, que começou a atuar no Japão em agosto por meio de uma subsidiária local, oferece apenas cinco moedas no país, comparado a mais de 100 nos EUA.

Com sede em Tóquio, Coincheck e GMO Coin foram fundadas em 2012 e 2016, respectivamente, e apresentam a maior seleção, com 17 tokens listados.

Nenhuma decisão final foi tomada sobre a mudança de regras, de acordo com as fontes. Um representante da Associação de Bolsas de Ativos Virtuais e Cripto do Japão, que supervisiona listagens de moedas do exterior, se recusou a comentar.

Processo demorado

Sob as regras propostas, as bolsas teriam permissão para listar tokens populares sem passar por um demorado processo de revisão, disseram as pessoas. Moedas presentes no Japão há pelo menos seis meses e já negociadas em pelo menos três bolsas locais se qualificariam.

Existem atualmente cerca de 15 dessas moedas, incluindo Bitcoin (BTC) e Ether (ETH).

A associação também começou a discutir se deve facilitar a listagem de tokens que ainda não estão em circulação no Japão, disseram as pessoas.

Segundo dados da associação, as transações com criptomoedas em bolsas do país aumentaram 51% nos primeiros 11 meses do ano passado para 103 trilhões de ienes (US$ 900 bilhões) e provavelmente chegaram perto de US$ 1 trilhão em 2021. Apesar do crescimento, a presença do Japão nos mercados globais de criptomoeda vem diminuindo.

Até onde as criptomoedas vão chegar? Qual a melhor forma de comprá-las? Nós preparamos uma aula gratuita com o passo a passo. Clique aqui para assistir e receba a Newsletter de criptoativos do InfoMoney

Compartilhe