Iochpe-Maxion (MYPK3) reverte lucro e tem prejuízo líquido de R$ 16,3 mi no 1º trimestre

Companhia divulgou seus números trimestrais nesta noite de segunda-feira (8)

Felipe Moreira

Publicidade

A Iochpe-Maxion (MYPK3), produtora de componentes estruturais automotivos, informou nesta segunda-feira (8) ter registrado prejuízo líquido de R$ 16,3 milhões no primeiro trimestre de 2023 (1T23), revertendo lucro líquido de R$ 160,2 milhões de igual etapa do ano passado.

O lucro antes juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) totalizou R$ 286,8 milhões no 1T23, uma retração de 47,7% em relação ao 1T22.

A margem Ebitda atingiu 7,2% entre janeiro e março deste ano, alta de 5,6 pontos percentuais (p.p.) frente a margem registrada em 1T22.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Leia Mais:

A receita líquida somou R$ 3,998 bilhões no primeiro trimestre deste ano, um recuo de 6,5% na comparação com igual etapa de 2022.

“A redução é decorrência do impacto negativo da variação cambial de R$ 118,6 milhões (43% da variação), da redução do preço de matérias-primas refletida nos preços e do menor volume de produção de veículos comerciais no Brasil”, explica a companhia.

Continua depois da publicidade

O lucro bruto atingiu a cifra de R$ 341,1 milhões no primeiro trimestre de 2023, uma redução de 44,2% na comparação com igual etapa de 2022. A margem bruta foi de 8,5% no 1T23, baixa de 5,8 p.p. frente a margem do 1T22.

As despesas operacionais somaram R$ 184,9 milhões no 1T23, um crescimento de 9,5% em relação ao mesmo período de 2022.

O resultado financeiro líquido foi negativo em R$ 131,9 milhões no primeiro trimestre de 2023, uma elevação de 7,9% sobre as perdas financeiras da mesma etapa de 2022.

Os investimentos atingiram R$ 91,2 milhões no 1T23, um aumento de 12,2% em relação ao 1T22. Os principais investimentos no período foram relacionados ao aumento de capacidade para atendimento da demanda do segmento de veículos comerciais na América do Norte e início da construção da fábrica de rodas de alumínio para veículos comerciais na Europa.

Em 31 de março de 2023, a dívida líquida da companhia era de R$ 4,085 bilhões, um recuo de 1,8% na comparação com a mesma etapa de 2022.

O indicador de alavancagem financeira, medido pela dívida líquida/Ebitda ajustado, ficou em 2,77 vezes em março de 2023, alta de 0,71 p.p. em relação ao mesmo período de 2022.