Influenciadas por fraco desempenho dos EUA, bolsas latino-americanas caem

Conteúdo do Portal InfoMoney – Editoria Mercados

Por  Equipe InfoMoney

As bolsas latino-americanas fecharam em queda generalizada nesta sexta-feira, influenciadas pelo desempenho negativo dos índices norte-americanos.
Às 15:46 de Nova York, o Nasdaq Composite registrava queda de 4,18%, enquanto o Dow Jones Industrial e S&P500 apresentaram variação negativa de 1,16% e 1,74%, respectivamente.

O índice Merval da bolsa de Buenos Aires fechou em baixa de 1,93%, acompanhando a tendência de todos os mercados da América Latina.
Hoje, o governo argentino vendeu 500 milhões de euros (US$ 470 milhões) em títulos de seis anos, aproveitando-se da situação internacional favorável, após o corte da taxa de juros norte-americana. O spread da operação foi de 557 pontos base, ou seja, 5,57% a mais que a taxa do título alemão de seis anos. Nesta sexta-feira, o governo da Espanha aprovou um acordo que concede um empréstimo de US$ 1 bilhão à Argentina, previsto no pacote de ajuda financeira do FMI, liberado em dezembro de 2000. As maiores baixas entre os componentes do índice Merval foram os papéis da Sociedad Comercial del Plata (-5,38%), do banco BSCH (-4,46%), da Pecon Energy (-3,98%) e da Acindar (-3,54%). Já as ações da termoelétrica Central Costanera (+6,36%) e do Banco Rio de la Plata (+0,71%) registraram as únicas variações positivas do índice argentino.

O índice IPC da bolsa do México encerrou o pregão em queda de 0,28%.
Hoje, o diretor de análise econômica do Grupo Santander Mexicano, Héctor Chávez López, declarou que muitos empresários e investidores acreditam que a desaceleração da economia dos Estados Unidos não afetará o México, opinião que contraria o consenso do mercado. Para Héctor Chávez López, a desaceleração da economia norte-americana deslocará muitas empresas, como Motorola e Xerox, para o México, que oferece, assim como outros países da América Latina, vantagens competitivas como baixo custo da mão de obra e redução de impostos. Esta análise do Santander desconsidera que o fato dos Estados Unidos ser o comprador de 80% das exportações mexicanas. Os destaques de baixa da bolsa mexicana ficaram para as ações do Grupo Carso (-4,42%), da TAMSA (-3,86%), das Indústrias Penoles (-3,54%) e do Grupo Financiero Inbursa (-2,63%). Por outro lado, as maiores altas entre os componentes do índice IPC foram as ações da Hylsamex (+5,50%), da Kimberly Clark (+2,56%) e do Grupo Industrial Maseca (+1,77%).

O índice IPSA da Bolsa de Santiago fechou em baixa de 0,38%, após a divulgação da taxa de inflação de janeiro, que apresentou uma variação de 0,3%, de acordo com as expectativas do mercado. Em dezembro de 2000, o índice de preço ao consumidor registrou uma variação de 0,1%. O mercado acredita que o Banco Central chileno possa reduzir a taxa de juros este mês, visando atrair novos investimentos que gerem novos postos de trabalho para reduzir o desemprego de 8,3% no país. Atualmente, o desemprego é um dos principais problemas que o Chile enfrenta.






















Outros mercados: Brasil Ibovespa -0,73%
Venezuela IBVC-0,60%
Peru ISBVL-0,09%
Colômbia IBB-0,12%

Compartilhe