Diz Fitch

Indústria financeira da China está agindo com um esquema criminoso

Chineses possuem mais de US$ 2,09 trilhões, dinheiro pode estar formando um esquema de pirâmide

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A indústria de investimentos chinesa pode estar criando uma espécie de Esquema de Ponzi, alerta a agência de classificação de risco Fitch. Essa espécie de golpe ganhou destaque com a sua aplicação por Bernard Madoff – preso nos EUA depois de orquestrar uma pirâmide gigantesca por anos.

Nela, Madoff tomava dinheiro de um novo investidor e o usava para remunerar os antigos. O esquema ruiu quando, com a crise de 2008, diversos investidores resolveram tirar suas quantias. É isso que ocorre entre os bancos chineses: usa-se o dinheiro dos novos investidores para pagar por crédito antigo.

Com o crescimento da preocupação dos chineses por investimentos, criou-se uma indústria que vale mais de US$ 2,09 trilhões em aplicações. Mas os bancos, pressionados para mostrarem crescimento, estão começando a usar esse dinheiro como se fosse um depósito comum – como se o investidor fosse um mero aplicador de poupança. E esse dinheiro, destaca a agência, é usado para questões foras do seu propósito original. 

O crescimento é exponencial, mais de 100 produtos financeiros diferentes surgem na China a cada dia. Para Fitch, embora os números dos bancos reflitam esse forte crescimento, a liquidez no sistema elevou-se apenas um pouco – o dinheiro simplesmente tem circulado no sistema.

Isso aumenta a dificuldade, por exemplo, de descobrir a real condição de risco dos banco chineses. A Fitch não destacou se isso pode, ou não, criar uma condição de bolha a ponto de criar uma crise. Mas alertou que os números dos bancos da China não mais são confiáveis.