Fique de olho

Índices futuros americanos e bolsas europeias sobem, enquanto asiáticas caem com investidores atentos ainda ao Federal Reserve

No mercado de commodities, a Bolsa de Dalian fechou com a cotação do minério de ferro em queda

Gráfico de queda
(Gearstd/Getty Images)

Os índices futuros americanos têm altas nesta segunda (21) de manhã, enquanto que as bolsas europeias viraram para alta após baixa no início das negociações acompanhando a queda das bolsas asiáticas. Investidores seguem repercutindo a sinalização do Federal Reserve de que pode vir a elevar as taxas referenciais de juros dos Estados Unidos mais cedo do que o esperado até então.

Na sexta (18) passada, os índices futuros americanos registraram quedas. Os investidores digeriram novas projeções do Federal Reserve, o banco central americano, para a economia, e sinais de que elevações nas taxas de juros referenciais poderiam ocorrer mais cedo do que o esperado até então.

Na quarta (16), o Fed elevou suas expectativas para inflação e sobre o aumento das taxas de juros em 2023. O presidente do Fed de Saint Louis, Jim Bullard, afirmou na sexta em entrevista à rede de notícias CNBC que é natural que o banco central demonstre mais preocupação com a inflação, e apontou a possibilidade de alta nas taxas de juros já em 2022.

Na semana passada, o índice Dow acumulou queda de 3,5%; o S&P 500, de 1,9%; e o Nasdaq, de 0,2%. Os setores mais ligados à perspectiva de recuperação econômica após a Covid lideraram as perdas. Ações dos setores de finanças e de materiais listadas no S&P perderam mais de 6% na semana, enquanto que as do setor de energia perderam mais de 5%, e as do setor industrial, mais de 3%.

Até 19 de junho, 52,85% da população dos Estados Unidos havia sido vacinada, segundo dados oficiais compilados pelo site Our World in Data. A vacinação vem contribuindo para normalizar o funcionamento da economia. Mas uma expansão duradoura pode ser dificultada em um cenário de política monetária menos acomodativa.

A curva dos rendimentos dos títulos do Tesouro com vencimento em dez anos também se reduziu na semana passada. Esses rendimentos correspondem à taxa paga pelo Tesouro dos Estados Unidos para emprestar dinheiro, com vencimento em diferentes períodos. As taxas variam de acordo com a oferta e a demanda pelos papéis, e influenciam o custo de empréstimos por empresas e pela população.

Como são garantidos pelo Estado, que tem o poder de criar impostos para pagar dívidas, esses títulos são considerados um investimento seguro, ao qual investidores recorrem quando há incerteza sobre a economia.

A demanda de muitos investidores pelos papéis contribui para a queda dos rendimentos, que sinaliza a expectativa negativa para a economia e barateia a tomada de empréstimos. A expectativa de crescimento contribui para a redução da demanda por esses títulos, e ao aumento da taxa paga pelo Tesouro, elevando o preço dos empréstimos e sinalizando uma possível alta da inflação.

Na semana passada, o rendimento de títulos de prazo mais curto, como a nota com vencimento em dois anos, subiu, refletindo a expectativa de que o Fed eleve suas taxas. Os rendimentos de títulos de prazo mais longo, como as notas com vencimento em dez anos, caíram, sinalizando menos otimismo quanto à retomada da economia.

PUBLICIDADE

Nesta segunda, investidores aguardam por falas de autoridades do Fed. Robert Kaplan, presidente do Fed de Dallas e James Bullard, presidente do Fed de Saint Louis.

As bolsas asiáticas tiveram quedas na segunda, com destaque negativo para as japonesas. Há receio quanto a uma normalização da taxa de juros nos Estados Unidos. Além disso, investidores podem estar buscando embolsar ganhos com o bom desempenho recente das ações no Japão.

No país, o Nikkei chegou a cair 4% antes de recuperar parte dos ganhos e fechar mais baixo, em 28.010,93. Fabricantes de carros, como Nissan e Honda, tiveram quedas de 4,07% e 3,93%, respectivamente. No setor financeiro, as ações do Mitsubishi Financial Group caíram 2,72%, e as do Mizuho Financial Group, 2,25%.

Na segunda, o governo da China anunciou que a Taxa Básica de Empréstimo com vencimento em um ano se mantém inalterada, em 3,85%, enquanto que a taxa com vencimento em cinco anos se mantém em 4,65%. O anúncio está em linha com as expectativas da maioria dos analistas ouvidos pela agência internacional de notícias Reuters, que esperavam a manutenção de ambas as taxas.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng recuou 1,28%; na China continental, o composto Shanghai subiu 0,12%; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 0,83%.

Na Europa, o índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, perde mais de 0,8%, com destaque negativo para ações do setor de recursos básicos, que recuam 0,6%, enquanto que ações do setor químico sobem 0,8%.

No mercado de commodities, a Bolsa de Dalian fechou com a cotação do minério de ferro em queda de 8,79%, a US$ 173,28. De acordo com informações da Reuters, o planejador estatal da China e o regulador de mercado lançaram em conjunto uma investigação sobre o mercado spot de minério de ferro e vão reprimir a acumulação e especulação, citando a Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC) da República Popular da China.

Veja o desempenho dos principais índices às 6h40 (horário de Brasília):
*Dow Jones Futuro (EUA), +0,56%
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,47%
*Nasdaq Futuro (EUA), +0,56%
Europa
*FTSE (Reino Unido) +0,35%
*Dax (Alemanha), +0,51%
*CAC 40 (França), +0,3%
*FTSE MIB (Itália), +0,36%
Ásia
*Nikkei (Japão), -3,29% (fechado)
*Shanghai SE (China), +0,12% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -1,08% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -0,83% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +0,419%, a US$ 71,92 o barril
*Petróleo Brent, +0,34% a US$ 73,76 o barril
*Bitcoin -5,90%, a US$ 33.202,29
**A Bolsa de Dalian fechou com o minério de ferro em queda de 8,79%, cotado a 1121 iuanes, equivalente hoje a US$ 173,28 (nas últimas 24 horas).
USD/CNY = 6,47

Entre no grupo do InfoMoney no Telegram para ter acesso a este conteúdo e faça parte de uma comunidade de mais de 170 mil pessoas que acompanham a plataforma.

PUBLICIDADE

O Telegram do InfoMoney oferece gratuitamente uma cobertura em tempo real do mercado financeiro. Traz também análises e as principais notícias que movimentam as Bolsas, aqui e no exterior.