Bolsas mundiais

Índices futuros americanos e bolsas europeias sobem no primeiro dia do semestre

A preocupação continua sendo de que a retomada da economia dos Estados Unidos seja acompanhada por inflação excessiva

Por  Equipe InfoMoney -

Os índices futuros americanos e as bolsas europeias operam em sentido positivo nesta quinta-feira (1º), que marca o primeiro dia do semestre. Na quarta-feira (30), o Dow Jones subiu 210 pontos, impulsionado pela alta de 2,7% do Walmart. O S&P subiu 0,13%, atingindo o novo recorde de 4.297,5 pontos. O Nasdaq, no entanto, recuou 0,2%, prejudicado pelo mau desempenho de Facebook, Amazon, Netflix e Alphabet, dona do Google.

No cômputo do semestre, o Dow teve alta de 12,7%. O índice fica desta forma 1,7% abaixo de seu patamar recorde. O S&P subiu 14,4% no primeiro semestre, e o Nasdaq subiu 12,5%. Em junho, o S&P marcou seu quinto mês consecutivo de ganhos, com 2,2%.

Historicamente, um primeiro semestre forte nos Estados Unidos costuma ser seguido por um resto do ano positivo. Dados desde 1950 indicam que, quando houve crescimento de dois dígitos no primeiro semestre, o ano nunca fechou no vermelho.

A preocupação continua sendo de que a retomada da economia dos Estados Unidos seja acompanhada por inflação excessiva, que leve investidores a recorrer a títulos do Tesouro americano, elevando seu rendimento, encarecendo a tomada de empréstimos por empresas de grande crescimento, e impulsionando uma mudança na política do Fed sobre a economia.

No momento, investidores continuam a acompanhar sinais de recuperação da economia, assim como o ritmo de inflação. Nesta quinta serão divulgados dados sobre novos pedidos de seguro-desemprego nos Estados Unidos. A expectativa de economistas ouvidos pela Dow Jones é de que 390 mil novos pedidos tenham sido contabilizados na semana passada, após os 411 mil novos pedidos da semana retrasada.

Na sexta será divulgado o relatório de desemprego dos Estados Unidos. Economistas ouvidos pela Dow Jones estimam a criação de 683 mil empregos.

Apesar do bom desempenho no primeiro semestre, as bolsas asiáticas tiveram um primeiro dia do segundo semestre negativo. O desempenho vem sendo prejudicado pela ressurgência de infecções pelo coronavírus na região, e a possibilidade de adoção de novas medidas de lockdown, além de sinais de desaceleração da atividade industrial na China. Na China continental, o Shanghai composto recuou 0,07%; em Hong Kong, o Hang Seng Index caiu 0,57%; na Coreia do Sul, o Kospi recuou 0,44%; e no Japão o Nikkei caiu 0,29%.

Na Europa, a maior parte das bolsas opera em território positivo. O índice Stoxx 600, que reúne as ações de 600 empresas de todos os principais setores de 17 países europeus, sobe 0,58%.

Divulgado na quinta, o índice do gerente de compras (PMI na sigla em inglês) IHS Markit pontuou 63,4 pontos, frente à estimativa inicial de 63,1 pontos. Qualquer pontuação acima de 50 indica expansão; abaixo, retração.

Veja o desempenho dos principais indicadores às 6h50 (horário de Brasília):
Estados Unidos
*Dow Jones Futuro (EUA), +0,12%
*S&P 500 Futuro (EUA), +0,1%
*Nasdaq Futuro (EUA), -0,04%
Europa
*FTSE 100 (Reino Unido), +0,83%
*Dax (Alemanha), +0,65%
*CAC 40 (França), +0,63%
*FTSE MIB (Itália), +0,71%
Ásia
*Nikkei (Japão), -0,29% (fechado)
*Hang Seng Index (Hong Kong), -0,57% (fechado)
*Kospi (Coreia do Sul), -0,44% (fechado)
*Shanghai SE (China), -0,07% (fechado)
Commodities e bitcoin
*Petróleo WTI, +1,007%, a US$ 74,21 o barril
*Petróleo Brent, +0,98%, a US$ 75,35 o barril
*Bitcoin, -3,75%, a US$ 33.316,33

Entre no grupo do InfoMoney no Telegram para ter acesso a este conteúdo e faça parte de uma comunidade de mais de 170 mil pessoas que acompanham a plataforma.

O Telegram do InfoMoney oferece gratuitamente uma cobertura em tempo real do mercado financeiro. Traz também análises e as principais notícias que movimentam as Bolsas, aqui e no exterior.

Compartilhe