Índices de NY sobem após sell-off com Powell e antes de balanços de techs: os destaques do dia

Depois do fechamento dos mercados, Amazon e Apple divulgam seus números trimestrais

Felipe Moreira

Traders operando na Nyse, a Bolsa de Nova York (Michael M. Santiago/Getty Images)

Publicidade

Os índices futuros de Nova York operam em alta nesta quinta-feira (1), na primeira sessão de fevereiro, revertendo parte das perdas da véspera, depois que Federal Reserve (Fed) o manteve as taxas de juros estáveis e sinalizou que um corte em março é improvável. As empresas de tecnologia Amazon, Apple e Meta reportam resultados após o fechamento. Enquanto isso, as bolsas europeias operam majoritariamente em baixa com atenção a dados de inflação da Zona Euro e decisão sobre juros do Banco da Inglaterra.

Na agenda doméstica, saem os dados de inflação ao produtor e do Índice de Gerente de Compras (PMI, na sigla em inglês) industrial, além da balança comercial.

1.Bolsas Mundiais

Estados Unidos

Wall Street está saindo de uma sessão ruim para os principais índices. O Dow Jones Industrial recuou 0,8% na véspera, registrando seu pior dia desde dezembro. O S&P 500 caiu 1,6% no seu pior dia desde setembro. O Nasdaq Composite perdeu 2,2%, a pior sessão desde outubro. Essas perdas ocorreram depois do presidente do Fed, Jerome Powell, ter desencorajado as esperanças dos investidores de um corte nas taxas já em março. Os futuros do Fed reduziram a probabilidade de uma redução em março para 34%, de 60% pouco antes do anúncio.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Veja o desempenho dos mercados futuros:

Dow Jones Futuro: +0,11%

S&P 500 Futuro: +0,29%

Continua depois da publicidade

Nasdaq Futuro: +0,60%

Ásia

Os mercados asiáticos fecharam sem direção definida nesta quinta-feira, um dia após o Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) indicar que não pretende cortar juros em breve e também em meio a temores persistentes sobre a perspectiva da economia chinesa. Novos dados de atividade manufatureira da China não aliviaram preocupações sobre a segunda maior economia do mundo.

Nikkei (Japão): -0,76%

Hang Seng Index (Hong Kong): +0,52%

Kospi (Coreia do Sul): +1,82%

ASX 200 (Austrália): -1,20%

Europa

Os mercados europeus operam com perdas em sua maioria, com investidores de olho na decisão de política monetária do Banco da Inglaterra. A expectativa é que o BC inglês mantenha as taxas de juro estáveis ​​em 5,25%, mas agentes do mercado estarão atentos aos padrões da votação, às projeções e à linguagem em busca de pistas sobre futuros cortes nas taxas de juros.

FTSE 100 (Reino Unido): +0,21%

DAX (Alemanha): -0,20%

CAC 40 (França): -0,62%

FTSE MIB (Itália): -0,05%

STOXX 600: -0,05%

Commodities

Os preços do petróleo sobem após abertura negativa. A commodity registrou em janeiro o primeiro ganho mensal desde setembro, com os EUA e o Irã à beira de um confronto mais direto no Oriente Médio.  As cotações do minério de ferro na China fecharam com ligeira baixa.

Petróleo WTI, +0,50%, a US$ 76,23 o barril

Petróleo Brent, +0,42%, a US$ 80,89 o barril

Minério de ferro negociado na bolsa de Dalian teve queda de 0,36%, a 968,00 iuanes, o equivalente a US$ 136,27

Bitcoin

2. Agenda

A agenda de hoje tem como destaque dados de atividade econômica tanto do Brasil quanto dos Estados Unidos, além dos pedidos de seguro-desemprego.

Brasil

9h: Índice preços ao produtor

10h: PMI industrial

11h: Lewandowski toma posse no cargo de Ministro de Estado da Justiça e Segurança Pública, em Brasília

15h: Balança comercial

EUA

10h30: Pedidos de seguro-desemprego semanal

11h45: PMI industrial

12h: PMI ISM industrial

3. Noticiário econômico

Copom corta Selic em 0,50 p.p. para 11,25%

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central do Brasil decidiu novamente cortar em 0,50 ponto percentual a Selic, a taxa de juros básicos da economia, e manteve a sinalização de que continuará a flexibilização monetária neste ritmo pelas próximas reuniões. A taxa passou de 11,75% para 11,25% ao ano, em nova decisão unânime entre os membros do Comitê.

4. Noticiário político

Pacheco pede lista de parlamentares monitorados pela “Abin paralela”

O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), enviou na quarta-feira (31) um ofício ao Supremo Tribunal Federal (STF) solicitando acesso à lista de parlamentares supostamente monitorados ilegalmente pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) no governo de Jair Bolsonaro.

TRE-PR marca para 8 de fevereiro julgamento de processo contra Moro

O Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) marcou para 8 de fevereiro o julgamento do processo que pode levar à cassação do mandato do senador Sergio Moro (União-PR). O senador é alvo de ações protocoladas pelo PT e pelo PL na Justiça Eleitoral. Os partidos acusam Moro de abuso de poder econômico pela suposta realização de gastos irregulares no período de pré-campanha em 2022.

5. Radar Corporativo

Petrobras (PETR4)

A Petrobras (PETR4) informa que recebeu, à vista, montante de R$ 1,819 bilhão, referente ao complemento da compensação firme (earnout) do exercício de 2023, do bloco de Sépia e Atapu.

(Com Estadão, Reuters e Agência Brasil)