Idosos sabem do benefício da meia-entrada, mas apenas 12% o utilizam

Baixa representatividade talvez seja um reflexo do costume cultural do brasileiro, que vê a TV como principal fonte de lazer

Por  Equipe InfoMoney -

SÃO PAULO – A maioria dos idosos brasileiros, especificamente 52% desse público, conhece o benefício de meia-entrada, que garante desconto de 50% em ingressos de cinemas, teatros e espetáculos municipais para pessoas com mais de 60 anos. Apesar disso, somente 12% já utilizaram o benefício. A informação consta em pesquisa divulgada pela Fundação Perseu Abramo (FPA), em parceria com o Sesc Nacional e Sesc São Paulo.

Conforme o levantamento, realizado com cerca de 1,8 mil pessoas, entre os dias 01 e 23 de abril, em 204 municípios das cinco regiões brasileiras, são os homens que menos têm acesso à informação, com 72% afirmando desconhecer o benefício. Dentre os que utilizam o desconto, a maioria é de mulheres, com 14%, contra 9% deles.

Costume cultural

Esse desconhecimento talvez seja um reflexo do costume cultural do brasileiro. O mesmo estudo revelou que a grande maioria dos idosos (93%) considera a televisão como fonte de lazer. Em seguida, vem o rádio, com 80%; cuidado com plantas (63%); leitura (52%) e trato de animais (43%).

Quando o assunto é internet, a prática é ainda menos difundida: 64% dos entrevistados com mais de 60 anos afirmaram saber o que é a rede mundial de computadores, mas apenas 4% disseram navegar sempre.

Tendência geral e direito

Por outro lado, a tendência geral é de grande representatividade no benefício de meia-entrada. Para se ter uma idéia, segundo a Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas (Feneec), 73% dos freqüentadores de cinema pagam 50% do valor do ingresso.

De qualquer maneira, o público beneficiário, que conta não somente com idosos, mas também com estudantes, pode encontrar dificuldades na hora de conseguir o direito. Alguns estabelecimentos definem um percentual do total das vendas com o desconto. A prática, na avaliação da Associação Brasileira de Defesa do Consumidor (Pro Teste), é abusiva.

Compartilhe