Bolsa

Ibovespa zera ganhos com bancos ofuscando altas de Petrobras e Vale; dólar vai a R$ 3,50

Melhora no cenário dos produtos de baixo valor agregado ajuda bolsas de emergentes; análise no Senado de projeto que revoga obrigatoriedade de exploração do pré-sal pela Petrobras deve ser monitorada

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO -O Ibovespa zera ganhos nesta terça-feira (4), com as ações de bancos, especialmente o Itaú Unibanco (ITUB4) pressionando o índice. Do lado das altas, quem balanceia o pregão são os papéis ligados a commodities, especialmente Petrobras (PETR3PETR4), que acompanha o desempenho do petróleo. A instalação de uma comissão no Senado para analisar o projeto de lei do senador, José Serra (PSDB), que revoga a participação compulsória da Petrobras na exploração do pré-sal também fica no radar. 

Às 12h34 (horário de Brasília), o benchmark da Bolsa brasileira tinha leve queda de 0,08%, a 50.095 pontos. Enquanto isso, o dólar futuro para setembro vira para alta de 0,49%, a R$ 3,500, ao mesmo tempo em que o câmbio comercial tem alta de 0,39% a R$ 3,4679. No ano o dólar já sobe 28,42%. Enquanto isso, no mercado de juros futuros, o contrato do DI para janeiro de 2017 sobe 4 pontos-base a 13,63% ao passo que o DI para janeiro de 2021 registra ganhos de 4 p.bs. a 13,05%.

Destaques de ações
Do lado das quedas, apesar do lucro líquido de R$ 5,984 bilhões no segundo trimestre, ante R$ 4,899 bilhões um ano antes, os papéis do Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 29,14, -2,61%) operam em queda no pregão. A média das projeções de 7 analistas compilados pela Bloomberg apontava para um lucro de R$ 5,763 bilhões. Em bases recorrentes, o lucro foi de R$ 6,134 bilhões.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 CSAN3 COSAN ON19,56-4,07
 ESTC3 ESTACIO PART ON12,72-3,85
 BBAS3 BRASIL ON21,57-3,01
 ITUB4 ITAUUNIBANCO PN ED29,13-2,64
 ITSA4 ITAUSA PN8,23-2,37

O Bradesco (BBDC3, R$ 26,92, -1,70%; BBDC4, R$ 26,04, -1,42%) tem leve baixa após ter sua recomendação cortada para manutenção pelo Santander após aquisição do HSBC Brasil por R$ 17,6 bilhões. Apesar do negócio adicionar valor ao banco por três anos, analistas do banco citaram risco de execução da operação. 

Já do lado das altas o dia é positivo para as ações da Petrobras (PETR3, R$ 11,20, +2,00%; PETR4, R$ 10,21, +1,90%) seguindo os ganhos do preço do petróleo, com o brent subindo 1,70%, a US$ 50,36 o barril. Ontem, os preços do petróleo caíram 5% em meio ao anúncio do Irã de que deve elevar a produção.

Ainda no radar da empresa, o Conselho de Administração da Petrobras está pressionando a diretoria a apresentar os critérios da metodologia utilizada pela companhia para definir os preços dos combustíveis no mercado interno, uma questão fundamental para a garantia da prometida paridade com as cotações internacionais, disseram à Reuters três fontes com conhecimento do assunto.

Ainda sobre a empresa, o Senado vai instalar comissão especial para analisar Projeto de Lei que revoga a participação compulsória da Petrobras no modelo de partilha de produção de petróleo no pré-sal. A comissão será instalada em Brasília às 11h. 

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 BRAP4BRADESPAR PN9,94+3,22
 GOAU4GERDAU MET PN3,68+3,08
 USIM5USIMINAS PNA4,11+3,01
 VALE5VALE PNA14,79+2,85
 CMIG4CEMIG PN9,75+2,85

PUBLICIDADE

 

Os papéis da Vale (VALE3, R$ 18,08, +2,79%; VALE5, R$ 14,79, +2,85%) sobem em meio à alta dos metais e da bolsa chinesa. Pequim tem adotado uma série de medidas para sustentar os mercados acionários do país após perderem mais de 30% do valor na comparação com um pico atingido em junho. O governo da China anunciou uma nova medida na tentativa de combater a forte onda de volatilidade que tem dominado as bolsas do país nos últimos meses, mirando desta vez as chamadas vendas a descoberto. 

Além disso, destaque para a Bradespar (BRAP4, R$ 9,93, +3,12%), que sobe cerca de 4%. A Bradespar aprovou a recompra de até R$ 24,8 milhões ações no prazo de um ano. 

Agenda de indicadores
Entre os indicadores nacionais a pesquisa da Associação Comercial de São Paulo (ACSP) mostra que as vendas no varejo tiveram queda de 5,3% em julho na capital paulista, na comparação com o mesmo período do ano passado. Já em relação a junho houve alta de 4,6%, em função do efeito-calendário, pois julho teve dois dias úteis a mais. No acumulado do ano, o varejo paulistano registra retração de 4,1% ante igual intervalo de 2014.

Já a produção industrial registrou queda de 0,3% em junho, ante um mês antes, na série livre de influências sazonais. Em maio, contudo, tinha avançado 0,6%. Os dados constam da Pesquisa Industrial Mensal – Produção Física (PIM-PF), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). A queda de junho, contudo, foi menos intensa que a média prevista por 22 analistas consultados pela pesquisa Valor Data do Valor Econômico, que indicava baixa de 0,8%. O intervalo das estimativas ficou entre recuo de 1,2% e decréscimo de 0,3%.

Ásia sobe e Europa cai
A maioria dos índices acionários asiáticos fechou em alta nesta terça-feira, relevando indicadores econômicos fracos que pressionaram Wall Street, com investidores se concentrando, em vez disso, no importante relatório de empregos nos Estados Unidos, que pode trazer pistas valiosas sobre quando os juros norte-americanos começarão a subir.

Os índice de Xangai e o CSI300 subiram mais de 3 por cento. Pequim tem adotado uma série de medidas para sustentar os mercados acionários do país após perderem mais de 30% do valor na comparação com um pico atingido em junho. O governo da China anunciou uma nova medida na tentativa de combater a forte onda de volatilidade que tem dominado as bolsas do país nos últimos meses, mirando desta vez as chamadas vendas a descoberto. 

Pelas novas regras, os vendedores a descoberto devem esperar pelo menos um dia para cobrir suas posições e pagarem de volta empréstimos utilizados para a compra de ações. Pela norma anterior, os investidores podiam cobrir suas posições no mesmo dia, uma prática que, segundo Pequim, tende a “aumentar a volatilidade anormal dos preços das ações e a afetar a estabilidade do mercado”.

PUBLICIDADE

Enquanto isso, o dia é de queda na Europa em meio aos dados fracos dos EUA. Ontem, depois de cinco semanas fechada, a bolsa de Atenas fechou em queda de 16,23%, um recorde histórico. Hoje, o índice segue o sell-off e já abriu com queda de 4,5%, mas diminuiu as perdas e registram baixa de cerca de 1,4%. 

Entre os dados da Europa, o índice de preços ao produtor (PPI, na sigla em inglês) da zona do euro caiu 0,1% em junho ante maio, segundo dados publicados hoje pela agência de estatísticas da União Europeia, a Eurostat. No confronto anual, o PPI do bloco caiu 2,2% em junho. O núcleo do PPI, que exclui os preços de energia e alimentos, ficou estável em junho ante maio, mas caiu 0,4% na comparação anual.