Bolsa

Ibovespa sobe seguindo commodities e alta das bolsas nos EUA; dólar cai a R$ 3,96

Mercado tem forte alta em meio ao cenário externo de ganhos das commodities após relatório do Goldman Sachs falar em cortes na produção

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Ibovespa opera em alta nesta quarta-feira (23), na véspera do feriado prolongado de Natal, com o mercado brasileiro acompanhando o movimento das bolsas internacionais. Quem ajuda a alta dos índices são as commodities, que disparam em meio a perspectivas de estímulos na China e após relatório do Goldman Sachs revelar que banco vê mais cortes de produção. Neste cenário, as bolsas dos Estados Unidos abriram com expressivas altas. Por aqui, o Relatório Trimestral de Inflação mostrou uma possibilidade de 41% da inflação superar o teto da meta em 2016, contra 20% no relatório anterior. 

Quer saber onde investir em 2016? Veja no Guia InfoMoney clicando aqui!

Às 13h08 (horário de Brasília), o benchmark da Bolsa brasileira subia 1,22%, a 44.001 pontos. Já o dólar comercial tem queda de 0,66% a R$ 3,9621 na venda, enquanto o dólar futuro para janeiro opera em baixa de 0,64% a R$ 3,973. No mercado de juros futuros, apesar das sinalizações do Relatório de Inflação, o DI para janeiro de 2017 sobe 1 ponto-base a 15,88%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 avança 2 pontos-base a 16,55%. 

No cenário político, a tomada de consciência da presidente Dilma Rousseff e do ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, de que apenas discursos não irão fazer com que o mercado deixe de lado a desconfiança em relação à política econômica, fará com que eles levem ao Congresso um pacote efetivo de medidas de ajuste das contas públicas que inclui a criação de uma idade mínima de aposentadoria e a flexibilização das leis trabalhistas. O pacote ainda inclui menores exigências e maiores retornos para os leilões de concessão de infraestrutura e a simplificação tributária, que terá como um de seus pontos principais a unificação do ICMS estadual já em discussão. 

Além disso, no último dia do ano legislativo, um relatório preliminar na CMO (Comissão Mista do Orçamento) contrariou a decisão do TCU (Tribunal de Contas da União) e sugeriu a aprovação com ressalvas das contas do governo Dilma em 2014. De acordo com o relator, senador Acir Gurgacz (PDT-RO), as pedaladas não contrariam a Lei de Responsabilidade Fiscal por não se caracterizarem como crédito.

Dados econômicos
Entre os indicadores, saiu às 8h30 o Relatório de Inflação do Banco Central, que mostrou uma piora das expectativas da autoridade monetária para a economia brasileira. O PIB (Produto Interno Bruto), deve mostrar uma retração de 3,6%, segundo o documento, enquanto o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) deve terminar 2015 com um crescimento de 10,8%, contra 9,5% na projeção anterior. 

Além dele, saiu a Confiança do Consumidor pela FGV, que recuou 2% em dezembro ante novembro, indo de 76,7 pontos para 75,2 pontos, renovando a mínima histórica da série iniciada em 2005. Segundo a coordenadora da sondagem, a queda foi influenciada pela piora da percepção da situação financeira familiar, reflexo da aceleração da inflação de alimentos, piora do sentimento em torno do mercado de trabalho e dificuldades para reduzir o nível de endividamento. Na comparação anual a queda é de 21,3%, o índice de situação atual recuou 4% e o de expectativas teve queda de 0,8%.

Ações em destaque
As ações da Petrobras (PETR3, R$ 8,74, +2,34%; PETR4, R$ 6,90, +1,62%) sobem. Diante da forte queda dos preços do petróleo, que nesta semana perdeu os US$ 40 por barril em seu menor nível em 11 anos, a estatal pode realizar uma redução no preço da gasolina e do óleo diesel no início do próximo ano, afirmou o jornal O Globo citando uma fonte próxima da estatal. De acordo com a publicação, será feita uma avaliação do comportamento das cotações internacionais do petróleo e das demais variáveis que compõem a fórmula dos preços de combustíveis no mercado interno, como o câmbio, até o fim deste mês.

Os analistas da LCA Consultores explicam que desde setembro, quando ocorreram os últimos reajustes, as defasagens da companhia estão um pouco abaixo de 20% para a gasolina e em torno de 25% para o diesel. “O grande obstáculo para a redução é a necessidade de geração de caixa por parte da empresa para reduzir o seu elevado endividamento”, disseram em relatório.

PUBLICIDADE

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 OIBR4 OI PN2,27+8,61
 SBSP3 SABESP ON19,24+6,71
 CSNA3 SID NACIONAL ON4,21+4,73
 VALE3 VALE ON13,13+4,62
 BRAP4 BRADESPAR PN5,16+4,24

 

Também sobem os papéis da Vale (VALE3, R$ 13,14, +4,70%; VALE5, R$ 10,42, +3,68%), que registram ganhos apesar do minério de ferro ter fechado estável. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve leve variação positiva de 0,05% a US$ 40,82.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 PCAR4P.ACUCAR-CBD PN41,09-2,17
 ESTC3ESTACIO PART ON13,33-1,99
 ELET3ELETROBRAS ON5,50-1,79
 SMLE3SMILES ON EJ33,83-1,66
 BBAS3BRASIL ON EJ14,82-1,20

 

Entre as quedas ficam as ações de empresas exportadoras de papel e celulose. Caem Fibria (FIBR3, R$ 50,81, -0,22%), Suzano (SUZB5, R$ 18,23, -0,65%) e Klabin (KLBN11, R$ 22,37, -1,06%). Com suas receitas predominantemente denominadas em dólar – menos a Klabin, que é a menos exposta ao mercado externo – e seus custos em real, sofrendo quando o dólar cai. 

Cenário externo
As bolsas internacionais têm altas expressivas acompanhando o desempenho de Wall Street na sessão anterior. Na Europa, os índices registram ganhos de 0,97% a 2% junto com s bolsas americanas e as bolsas asiáticas têm altas moderadas, com a liquidez comprometida por já ser feriado no Japão. A alta do petróleo hoje ajuda as ações de empresas ligadas a commodities. O barril do WTI (West Texas Intermediate) tem alta de 2,38% a US$ 37, ao mesmo tempo em que o barril do Brent sobe 1,40% a US$ 37,08. 

Segundo relatório do Goldman Sachs, haverá mais cortes na produção de níquel e outras commodities. Isso está impulsionando estes produtos hoje. 

PUBLICIDADE