Bolsa

Ibovespa sobe com Ambev, elétricas e BM&FBovespa; dólar tem leve queda a R$ 3,18

Depois de fortes quedas na semana anterior e com salto de 5% na China, índice se recupera e começa a semana em alta; plano de desinvestimento da Petrobras e fala de Levy ficam no radar

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – O Ibovespa sobe nesta segunda-feira (1) puxado por Ambev, a terceira com maior peso do índice e ações que possuem forte participação no índice apesar de não serem blue chips. BM&FBovespa (BVMF3, R$ 11,60, +3,29%) dispara, enquanto elétricas, Cielo (CIEL3, R$ 40,52, +1,3%) e Ultrapar (UGPA3, R$ 40,52, +1,3%) sobem. No exterior, as bolsas registram ganhos depois da divulgação de dados da economia norte-americana. Por aqui, investidores ficarão atentos a indicadores macroeconômicos e às falas do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, em encontro com o secretário americano do Tesouro. 

Às 14h06 (horário de Brasília), o benchmark da Bolsa brasileira operava em alta de 0,58%, a 53.065 pontos, ao passo que o dólar futuro para julho tinha queda de 0,02%, a R$ 3,212. No caso do dólar comercial, ele caía 0,24%, a R$ 3,1790 na compra e a R$ 3,1796 na venda. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2016 subia 0,04 ponto percentual, a 13,89%, enquanto o DI para janeiro de 2020 subia 0,02 p.p., a 12,44%. 

Para o analista da Rico Corretora, Roberto Indech, o movimento dos bancos se dá por conta de uma indefinição ante as expectativas para a reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que ocorrerá nesta quarta-feira e as notícias passadas de aumento da alíquota da CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido) de 15% para 20% e fim dos juros sobre capital próprio. No caso da Selic, as apostas da maioria dos economistas são de uma nova elevação da taxa básica de juros em 0,5 ponto percentual, para 13,75% ao ano, diante de indicações mais hawkish (agressivas) dos últimos discursos de membros do Banco Central, como o diretor de Assuntos Econômicos, Luiz Awazu.  

Aprenda a investir na bolsa

“Acho que o mercado hoje se pauta muito mais por Levy e questões pontuais”, explica Indech. 

Ações em destaque
As ações da Petrobras (PETR3, R$ 13,24, -0,08%PETR4, R$ 12,38, +0,41%), oscilavam entre perdas e ganhos com a notícia de que poderá colocar à venda parte dos campos de petróleo que possui no golfo do México, nos EUA. Os ativos da companhia estão avaliados em cerca de US$ 8 bilhões na região. A estatal teria contratado o banco BNP Paribas para conduzir o negócio, mas ainda não iniciou o processo de venda, segundo o jornal. A Petrobras diz que “não informa sobre hipotéticas negociações ou acordos”. 

O petróleo opera em leve queda hoje, de 1,06%, a US$ 59,66 o barril do WTI (West Texas Intermediate). 

A ação da Ambev (ABEV3, R$ 18,62, +1,20%) sobe após ter a sua recomendação elevada de neutra para overweight (exposição acima da média do mercado) pelo JPMorgan, com o preço-alvo sendo elevado de R$ 18,40 para R$ 21,30, sendo considerado agora a top pick do setor. O preço-alvo do ADR (American Depositary Receipt) passou de US$ 5,80 para US$ 6,50. 

No noticiário corporativo, o destaque fica com as estatais. De acordo com informações do jornal O Globo de hoje, o Banco do Brasil (BBAS3, R$ 22,75, +0,04%) decidiu cobrar na Justiça o ex-diretor de marketing Henrique Pizzolato e o publicitário Marcos Valério o dinheiro desviado do fundo Visanet para abastecer o chamado o valerioduto, dez anos depois do mensalão. O BB deve pedir na Justiça um valor menor do que os R$ 73,8 milhões apontados pelo STF (Supremo Tribunal Federal) como sendo o total desviado da cota do banco no fundo da empresa de cartão de crédito.

Já as ações da Vale (VALE3, R$ 19,92, -0,65%; VALE5, R$ 16,73, -0,18%) caem junto com as cotações do minério de ferro, que fechou em baixa de 0,77%, a US$ 61,85 no porto de Qingdao na sexta-feira. Hoje não houve cotação da commodity. 

PUBLICIDADE

As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 QUAL3 QUALICORP ON21,99+15,74
 ELET3 ELETROBRAS ON6,82+5,74
 BVMF3 BMFBOVESPA ON11,70+4,19
 ELET6 ELETROBRAS PNB9,71+4,18
 MRVE3 MRV ON7,90+3,95

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 POMO4 MARCOPOLO PN N22,71-3,90
 OIBR4 OI PN6,80-3,82
 SUZB5 SUZANO PAPEL PNA16,12-3,36
 ESTC3 ESTACIO PART ON17,81-2,68
 RUMO3 RUMO LOG ON1,23-2,38
* – Lote de mil ações
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)

 

Indicadores
Refletiu isso o Relatório Focus, com a mediana das projeções de diversos economistas, casas de análise e instituições financeiras para os principais indicadores macroeconômicos. A previsão da taxa Selic foi elevada de 13,75% ao ano na semana passada para 14%. No caso do PIB (Produto Interno Bruto), ela oscilou de uma retração de 1,24% para uma de 1,27%. Para o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), que é o medidor oficial de inflação utilizado pelo governo, as projeções são de que haja um avanço de 8,39% este ano.

Pela manhã foi divulgado o PMI (Índice Gerente de Compras) industrial do Brasil em maio caiu para 45,9 pontos, contra 46 pontos observados em abril. “Uma deterioração das condições de negócios tem sido assinalada por quatro meses consecutivos”, disse o HSBC em relatório.

Nos Estados Unidos, o ISM (Institute for Supply Management) divulgou que o seu índice de atividade industrial foi de 52,8 pontos em maio, acima da leitura de 51,5 pntos do mês anterior.