Comentário diário

Ibovespa sobe 600 pontos da mínima com Livro Bege mais “dovish” e recuperação de bancos

Mercado passa a registrar ganhos após novo dado dos Estados Unidos mostrando preocupações com a inflação

SÃO PAULO – O Ibovespa virou para alta após a divulgação do Livro Bege do Federal Reserve nesta quarta-feira (13). De acordo com o relatório do banco central dos Estados Unidos, a autoridade monetária vê uma desaceleração das vendas no varejo, apesar de ver a economia norte-americana ainda se expandindo. Além disso, o documento também mostrou preocupações com a inflação. 

Apesar da forte alta nos últimos minutos, vale a ressalva de que o Ibovespa vem em um movimento de recuperação desde às 14h, quando operava a 53.900 pontos – de lá pra cá, a alta já chega a 1%, ou 500 pontos.

Mais cedo, a Bolsa caía pressionada principalmente pela divulgação dos dados de estoque de petróleo nos Estados Unidos, que caíram menos do que o esperado, enquanto os de gasolina subiram, informou a Agência de energia, o que fez com que o brent despencasse para 4,62%, a US$ 46,23 o barril.

O dólar futuro com vencimento em agosto registrava queda de 0,51%, a R$ 3,298. Às 15h39 (horário de Brasília), o Ibovespa subia 0,28%, a 54.408 pontos. Da mínima até agora, o benchmark disparou mais de 600 pontos. 

Por aqui, o mercado acompanha a eleição para a presidência da Câmara dos Deputados, com temores de que o governo do presidente interino Michel Temer não consiga emplacar um aliado para o cargo máximo da casa. A agenda ainda tem o Livro Bege do Federal Reserve (o banco central dos Estados Unidos), que tende a confirmar a paciência que da autoridade monetária antes de elevar os juros.

Entre as commodities, o minério de ferro spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve leve queda de 0,39% a US$ 59,15 a tonelada seca. Já o petróleo cai forte, com o barril do Brent recuando 4,66% a US$ 46,21.

Estoques de petróleo
Os estoques de petróleo caíram 2,5 milhões de barris na semana passada, em comparação com as expectativas dos analistas para uma queda de 3 milhões de barris. Os estoques de gasolina subiram inesperadamente em 1,2 milhão de barris, ante expectativas dos analistas em pesquisa da agência Reuters de queda de 432 mil barris. 

Ilan entrevistado pelo FT
Em entrevista ao Financial Times, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse que seu objetivo é zerar todo o estoque de swaps realizados pelo BC de Alexandre Tombini para conter a alta do dólar. Além disso, ele disse que o atingimento da meta de inflação no ano que vem está completamente ao alcance da autoridade monetária e que o BC pode se tornar autônomo em termpos operacionais por meio de emenda constitucional. “Há um projeto de lei que dirá explicitamente que o Banco Central é o autônomo: nós chamamos isso de autonomia operacional”, disse. Ele argumentou que, mesmo que a PEC não conceda independência completa à autoridade monetária, ela formalizará a autonomia “de fato” existente para usar política monetária e outros instrumentos adequados para atingir a meta inflacionária. Na avaliação de Goldfajn o projeto deve melhorar a credibilidade do BC frente ao mercado.

Eleição na Câmara
Hoje, os deputados vão escolher quem será o novo presidente da Câmara dos Deputados, em substituição a Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou ao cargo na semana passada. Analistas dizem que será muito importante para o governo Temer conseguir emplacar um aliado no cargo, já que o Planalto vai precisar de toda a ajuda possível para conseguir aprovar medidas importantes e impopulares de ajuste fiscal nos próximos meses. Os mais cotados para o cargo são Rogério Rosso (PSD-DF), Rodrigo Maia (DEM-RJ), Marcelo Castro (PMDB-PI) e Fernando Giacobo (PR-PR).

PUBLICIDADE

Na véspera, o presidente interino, Michel Temer, esteve com o senador tucano Aécio Neves (PSDB-MG) e, segundo informações de alguns jornais, deu liberdade para os tucanos, que relataram dificuldade de apoiar um nome do chamado “centrão” e tendem a votar em Maia. Temer, por sua vez, deve apoiar informalmente Rosso, apesar do presidente do Executivo pregar a neutralidade nessas eleições. O menos esperado êxito da terceira opção (Marcelo Castro), por sua vez, colocaria em dúvida o apoio a Temer, de acordo com a equipe de análise da MCM Consultores, uma vez que, apesar de peemedebista, o deputado foi ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff e votou contra o impeachment. Foram registradas outras dez candidaturas para o pleito.

Ações em destaque
Dentro do setor mais pesado no Ibovespa, o financeiro, bancos grandes sobem. Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 32,42, +1,38%), Bradesco (BBDC3, R$ 28,03, +1,41%; BBDC4, R$ 27,02, +1,62%) e Banco do Brasil (BBAS3, R$ 18,10, +1,74%) avançam. Juntas, as quatro ações respondem por pouco mais de 20% da participação na carteira teórica do nosso benchmark.


As maiores altas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 JBSS3 JBS ON10,09+5,54
 TIMP3 TIM PART S/AON7,54+3,15
 ITSA4 ITAUSA PN7,86+2,21
 KROT3 KROTON ON14,95+2,19
 WEGE3 WEG ON13,48+2,04

 

 

Já a Vale (VALE3, R$ 17,70, +0,06%; VALE5, R$ 13,98, +0,07%) intensificam as perdas, após abrirem em alta. A commodity spot com 62% de pureza e entrega no porto de Qingdao teve baixa de 0,39% a US$ 59,15.

As maiores baixas dentre as ações que compõem o Ibovespa são:

Cód.AtivoCot R$% Dia
 RUMO3RUMO LOG ON5,23-5,08
 CMIG4CEMIG PN8,24-3,51
 UGPA3ULTRAPAR ON69,27-3,05
 PETR3PETROBRAS ON12,94-2,63
 LAME4LOJAS AMERICPN EJ17,54-2,39

 

Após cinco de altas expressivas, as ações da Petrobras (PETR3, R$ 12,94, -2,63%;PETR4, R$ 10,54, -1,03%) registram baixa, em meio à queda do preço do petróleo e ao corte de recomendação pelo Barclays.

Além disso, o ADR (American Depositary Receipt) da Petrobras teve sua recomendação reduzida pelo Barclays de equalweight (exposição em linha com o mercado) para underweight (exposição abaixo do mercado), mas teve o preço-alvo elevado de US$ 7,00 para US$ 9,00. 

PUBLICIDADE

Agenda Temer no Congresso e CCJ
A última terça-feira foi movimentada tanto na Câmara quanto no Senado. O plenário do Senado aprovou ontem oito propostas de reajuste salarial para servidores públicos civis e militares. Os reajustes, que seguem agora para sanção presidencial, ocorrem em meio ao déficit de R$ 170,5 bilhões estimado para este ano e a previsão de rombo nas contas públicas de R$ 139 bilhões em 2017.

Já a Câmara dos Deputados aprovou por 335 votos contra 118 e três abstenções, a urgência para o projeto de Lei (PLP 257) que trata da renegociação das dívidas dos estados e do Distrito Federal, na segunda tentativa do governo de aprovar o pedido, depois de ter sido derrotado na semana passada, por uma diferença de quatro votos: foram 253 a favor, quando o mínimo necessário para aprovar a urgência é 257. O projeto é encarado como primordial pelo governo do presidente interino Michel Temer. Inicialmente, a intenção era tentar votar o mérito da matéria antes do recesso, mas com a derrota na semana passada a votação ficará para agosto, depois do recesso parlamentar.

A Câmara ainda aprovou urgência para projeto que altera regras de exploração do pré-sal.