Bolsa

Ibovespa se recupera no fim, sobe 0,3% e completa sequência de 6 dias sem cair

Mercado sofre, mas consegue fechar em alta graças ao desempenho de Petrobras e de Vale

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – O Ibovespa fecha em alta nesta terça-feira (24), fazendo uma sequência de 6 dias sem cair, que já equivale a uma alta de 3,80%. O índice foi impulsionado pela disparada das ações da Petrobras e da Vale durante o começo da tarde. Pela manhã, o benchmark tocou a mínima do intraday, quando caiu 1,47% em relação ao fechamento anterior, minutos após a divulgação do PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos, que cresceu 2,1% de acordo com a segunda prévia do terceiro trimestre de 2015. 

O Ibovespa terminou o dia com uma valorização de 0,28% a 48.284 pontos. O volume financeiro negociado na Bovespa foi de R$ 5,332 bilhões. Ao mesmo tempo, o dólar comercial fechou em queda de 0,84% a R$ 3,7015 na compra e a R$ 3,7040 na venda, ao mesmo tempo em que o dólar futuro para dezembro tinha queda de 0,91% a R$ 3,708. No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2017 subia 9 pontos-base a 15,19%, ao passo que o DI para janeiro de 2021 registrava ganhos de 3 ponto-base a 15,28%. Hoje é o primeiro dia da reunião do Copom (Comitê de Política Monetária), que trará a decisão da taxa básica de juros brasileira. A grande maioria dos economistas espera que o comitê mantenha a Selic estável a 14,25% ao ano. 

As ações da Petrobras (PETR3, R$ 10,45, +6,09%; PETR4, R$ 8,50, +5,20%) subiram mais de 6%, enquanto as da Vale (VALE3, R$ 14,47, +1,54%; VALE5, R$ 12,03, +1,69%) bateram mais de 2% de alta após passar a maior parte do pregão em queda. 

Para João Pedro Brugger, economista da Leme Investimentos, os motivos que levam à alta dos papéis da companhia petrolífera são o desempenho positivo do petróleo, subindo 3% hoje o barril do WTI (West Texas Intermediate), e as notícias de que a estatal pode receber dinheiro do governo. A petroleira, no entanto, negou nesta manhã negociação para receber aporte de recursos via instrumento híbrido de capital e dívida (IHCD), em comunicado à CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

É bom ter em mente também que nesta tarde a Queiroz Galvão Exploração e Produção (QGEP3) informou que pretende exercer seu direito de preferência de compra do bloco BM-S-8, onde fica Carcará, no pré-sal de Santos, caso a Petrobras decida se desfazer de parte de sua fatia, hoje correspondente a 66% do consórcio. A venda faria parte do plano de desinvestimento da estatal, embora não seja confirmado oficialmente pela empresa.

Orçamento, política e desemprego
A CMO (Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização) começou a discutir às 13h30, a Lei Orçamentária de 2016. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), confirmou a existência de um acordo para votar nesta semana a LDO (Lei de Diretrizes Orçamentárias) de 2016 e o PLN (Projeto de Lei Nacional) 5/15, que aprovou a nova meta fiscal. Enquanto isso, o Ministério do Planejamento revisou os parâmetros macroeconômicos de Orçamento de 2016 e vê o PIB (Produto Interno Bruto) sofrendo uma retração de 1,9%.

Segundo informações do Valor Econômico, a decisão da presidente Dilma Rousseff de incluir a CPMF na receita do governo em 2016 exige uma nova discussão do Orçamento, mas o relator Acir Gurgacz (PDT-RO) resiste. O economista-chefe do Itaú Unibanco, Ilan Goldfajn, disse que o Brasil precisaria de 7 CPMFs para estabilizar dívida, mas que governo não vai conseguir aprovar nem uma. Ele defendeu o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, apontando que Levy queria levar o Brasil para o caminho certo, mas ele não conseguiu fazer nem 20% do que queria.

O dia hoje ainda é de aumento na tensão política após a prisão do pecuarista José Carlos Bumlai, amigo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na 21ª fase da Operação Lava Jato.

Entre os indicadores daqui, a Pnad Contínua (Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílio) mostrou que a taxa de desemprego foi a 8,9% no terceiro trimestre de 2015. No mesmo período do ano passado, a desocupação estava em 6,8%. O número, apesar de ser o pior da série histórica iniciada em 2012, veio em linha com a mediana das expectativas do mercado medidas pela pesquisa Bloomberg.

PUBLICIDADE

EUA
Depois de registrar um crescimento de 1,5% na primeira prévia, o PIB dos EUA avançou 2,1% nesta segunda prévia, em linha com a mediana das expectativas dos analistas ouvidos pela Bloomberg. No segundo trimestre deste ano, a economia norte-americana avançou 3,9%.

O dado hoje é especialmente importante porque a probabilidade de uma elevação de juros nos EUA pelo Federal Reserve em dezembro já chegou a 72%, depois de se manter em 30% até meados de outubro. A gestora de investimentos Pimco disse que a alta de juros no fim deste ano é provável.

Ações em destaque
Entre as altas, além de Petrobras e Vale, estiveram as ações de siderúrgicas como CSN (CSNA3, R$ 6,03, +5,24%), Gerdau (GGBR4, R$ 6,13, +6,61%), Metalúrgica Gerdau (GOAU4, R$ 1,93, +2,66%) e Usiminas (USIM5, R$ 2,62, +3,97%). 

As maiores altas, dentre as ações que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 GGBR4 GERDAU PN6,13+6,61-34,02
 PETR3 PETROBRAS ON10,45+6,09+8,97
 CSNA3 SID NACIONAL ON6,03+5,24+16,68
 PETR4 PETROBRAS PN8,50+5,20-15,17
 ECOR3 ECORODOVIAS ON5,93+4,04-41,49

Entre as maiores baixas do Ibovespa, chamou a atenção o desempenho dos papéis do Pão de Açúcar (PCAR4, R$ 52,75, -3,21%), que afundaram nesta sessão, escapando por pouco de ser a maior queda do Ibovespa, posição que acabou ficando com a Rumo Logística (RUMO3, R$ 6,50, -3,99%). As ações do Pão de Açúcar caíram em meio ao corte de quase 14% do preço-alvo dos papéis pelo JPMorgan, que passou de R$ 65,00 para R$ 56,00 por ação, mantendo a recomendação em underweight (exposição abaixo da média). 

As maiores baixas, dentre os papéis que compõem o Índice Bovespa, foram:

 Cód.AtivoCot R$% Dia% Ano
 RUMO3RUMO LOG ON6,50-3,99-62,77
 PCAR4P.ACUCAR-CBD PN52,75-3,21-45,74
 CESP6CESP PNB14,84-3,20-30,65
 TIMP3TIM PART S/A ON8,31-3,03-28,25
 BRPR3BR PROPERT ON11,01-2,57+9,73

Ficaram entre perdas e ganhos as ações de gigantes do setor financeiro como Itaú Unibanco (ITUB4, R$ 29,35, +0,14%) e Bradesco (BBDC3, R$ 25,90, +0,43%; BBDC4, R$ 23,01, -0,69%). Juntas, as duas empresas respondem por 18,72% da participação da carteira teórica do Ibovespa. 

As ações mais negociadas, dentre as que compõem o índice Bovespa, foram :

 CódigoAtivoCot R$Var %Vol1
 PETR4PETROBRAS PN8,50+5,20490,98M
 VALE5VALE PNA12,03+1,69339,86M
 ITUB4ITAUUNIBANCO PN29,35+0,14281,10M
 BBDC4BRADESCO PN23,01-0,69233,39M
 ITSA4ITAUSA PN7,76+0,39218,78M
 PETR3PETROBRAS ON10,45+6,09150,92M
 ABEV3AMBEV S/A ON18,94-0,63129,55M
 CIEL3CIELO ON37,90-0,71129,20M
 JBSS3JBS ON14,05-1,33128,55M
 BVMF3BMFBOVESPA ON EJ12,14-1,30115,37M

PUBLICIDADE

* – Lote de mil ações 
1 – Em reais (K – Mil | M – Milhão | B – Bilhão)
 

Cenário externo
As bolsas europeias caíram e os índices norte-americanos Dow Jones e S&P 500 recuam, em um dia de renovadas tensões acerca do terrorismo e em dia de alta superior a 2% do petróleo, com o WTI (West Texas Intermediate) subindo e voltando aos US$ 43, ao mesmo tempo em que o barril do Brent sobe 2,68% a US$ 46,03, após Arábia Saudita reiterar compromisso de trabalhar com Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e outros produtores para estabilizar mercado.

Em destaque ainda no front internacional, a Turquia abateu hoje um avião militar não identificado que teria violado o seu espaço aéreo, perto da fronteira com a Síria. Os EUA, por sua vez, divulgaram na segunda-feira à noite (23) um alerta sobre os riscos de viagens para seus cidadãos por conta do feriado de Ação de Graças, em meio ao aumento das “ameaças terroristas”.

Já na Ásia, o dia foi misto, entre leves perdas e ganhos, as bolsas chinesas devolveram as perdas de mais cedo para terminar com pequena valorização nesta terça-feira após alta já no fim da sessão das ações de empresas com menor valor de mercado, que compensaram a fraqueza nos papéis de companhias relacionadas a recursos básicos.

É hora ou não é de comprar ações da Petrobras? Veja essa análise especial antes de decidir: