Ibovespa salta 7,9% em dois pregões e fecha acima de 81 mil pontos após 45 dias; dólar cai 2,6% e vai a R$ 5,51

Índice descola de quedas dos índices americanos e chega ao segundo pregão de alta de mais de 3%

Rodrigo Tolotti

Foto: reprodução

Publicidade

SÃO PAULO – O Ibovespa fechou esta terça-feira (28) com alta de mais de 3% pelo segundo dia seguido (acumulando ganhos de 7,94%) e voltou ao patamar de 81 mil pontos pela primeira vez desde 13 de março, quando encerrou o pregão em 82.677 pontos.

O índice começou o dia seguindo o cenário externo, mas manteve os fortes ganhos mesmo após as bolsas de Nova York zerarem os ganhos durante a tarde.

Analistas apontam que o alívio na política e sinalizações do lado fiscal também ajudaram a manter o bom humor do mercado brasileiro nesta sessão. Durante a madrugada, foi publicado no Diário Oficial da União que o presidente Jair Bolsonaro nomeou o advogado André Mendonça ministro da Justiça.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Com isso, o benchmark da bolsa fechou esta terça com ganhos de 3,93%, aos 81.312 pontos, com volume financeiro de R$ 26,678 bilhões.

Já o dólar comercial teve forte queda de 2,59%, cotado a R$ 5,5156 na compra e R$ 5,5172 na venda. O dólar futuro para maio, por sua vez, tem queda de 2,37%, para R$ 5,523.

No mercado de juros futuros, o DI para janeiro de 2022 recuou 34 pontos-base, a 3,74%, enquanto o DI para janeiro de 2023 teve queda de 67 pontos, para 4,92%. O contrato para janeiro de 2025 caiu 81 pontos-base a 6,66%.

Continua depois da publicidade

Em Nova York, Dow Jones e S&P 500 tiveram leves quedas, enquanto o Nasdaq recuou mais de 1%. Os mercados do petróleo ficaram voláteis, com o WTI chegando a cair 20% de madrugada, virando para ganhos de mais de 4%, mas fechando com perdas de cerca de 1%. O Brent, por sua vez, subiu 2,75%, a US$ 20,54.

Indicadores econômicos

A Fundação Getúlio Vargas (FGV) informou na manhã de hoje que o Índice de Confiança nos Serviços no Brasil teve uma queda de 31,7 pontos em abril, despencando para 51,1 pontos.

Segundo a FGV, o índice de 51,1 pontos é o mais baixo desde julho de 2008, quando teve início a série histórica. A entidade aponta a epidemia do coronavírus, que levou a uma série de quarentenas que duram o mês inteiro, como a razão.

Enquanto isso, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), considerado uma prévia da inflação oficial, teve deflação de 0,01% em abril, em meio a queda dos preços dos combustíveis e tombo da atividade econômica.

Segundo o IBGE, foi a menor taxa para meses de abril desde 1995 e a primeira deflação desde dezembro de 2018 (-0,16%). No ano, o IPCA-15 acumula alta de 0,94% e, em 12 meses, a variação acumulada é de 2,92%, abaixo dos 3,67% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores.

Política 

O ministro Celso de Mello, decano do Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou na noite de ontem a abertura de inquérito para investigar as declarações do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro, contra o presidente Jair Bolsonaro.

A decisão de Celso de Mello atende a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras. O objetivo é apurar se Bolsonaro cometeu crimes de falsidade ideológica, coação no curso do processo, advocacia administrativa, prevaricação, obstrução da Justiça, corrupção passiva privilegiada, denunciação caluniosa e crime contra a honra.

Integrantes do Ministério Público Federal (MPF) apontaram ao jornal O Estado de S. Paulo que, como Aras pediu ao STF a apuração do crime de denunciação caluniosa e contra a honra, o inquérito pode se voltar contra o ex-juiz e ex-ministro Moro, caso as investigações não confirmem as acusações contra Bolsonaro.

Já a pesquisa Datafolha diz que 48% dos brasileiros são contra a Câmara abrir um processo de impeachment contra Bolsonaro, enquanto 45% apoiam a medida, segundo Folha. 38% avaliaram o governo Bolsonaro como “ruim/péssimo” versus 36% em 17 de abril; 33% disseram que o governo é “ótimo/bom” versus 30% em 17 de abril.

Por fim, o Plenário da Câmara dos Deputados realiza sessão virtual nesta terça-feira, a partir das 14h30, para votar a chamada PEC do “orçamento de guerra”, que retornou do Senado com alterações.

Congelamento 

O governo federal congelou o Programa Pró-Brasil, pacote econômico de R$ 215 bilhões em obras públicas preparado pelos ministros militares, informa a Folha de S. Paulo.

Segundo o jornal, a decisão foi um afago ao ministro da Economia, Paulo Guedes, para evitar um novo desgaste após a saída do ex-ministro da Justiça, Sérgio Moro.

Guedes afirmou ontem, ao lado do presidente Jair Bolsonaro, que os servidores públicos precisam dar sua cota de sacrifícios em meio à epidemia. “O funcionalismo não vai ficar em casa, trancado com geladeira cheia, assistindo à crise, enquanto milhões de brasileiros estão perdendo o emprego”, afirmou Guedes.

Noticiário corporativo

A Neoenergia informou na noite de ontem seus resultados do primeiro trimestre de 2020 e reportou um lucro líquido de R$ 577 milhões no período, em expansão de 17,3% sobre igual período do ano passado.

O grupo, que reúne quatro geradoras, transmissoras e distribuidoras de energia elétrica do interior paulista (Elektro) ao Rio Grande do Norte (Cosern), informou que sua base de clientes ultrapassou 14 milhões.

Maiores altas

Ativo Variação % Valor (R$)
VVAR3 19.15456 9.02
CVCB3 14.72492 14.18
BBAS3 13.62398 29.19
AZUL4 13.39476 16
SMLS3 12.73381 15.67

Maiores baixas

Ativo Variação % Valor (R$)
IRBR3 -4.54545 9.03
SUZB3 -3.74065 38.6
PCAR3 -3.49791 67.04
RAIL3 -2.22545 20.21
CRFB3 -2.13612 19.7

Em outra notícia, a Companhia de Saneamento de São Paulo – Sabesp, informou que sua emissão de debêntures de R$ 1,45 bilhão recebeu nota “brAAA” da agência de classificação de risco Standard & Poor’s (S&P).

(Com Agência Estado e Bloomberg)

Tudo o que você precisa saber para lucrar na Bolsa de Valores operando da sua casa em um curso gratuito: clique aqui e participe!

Rodrigo Tolotti

Repórter de mercados do InfoMoney, escreve matérias sobre ações, câmbio, empresas, economia e política. Responsável pelo programa “Bloco Cripto” e outros assuntos relacionados à criptomoedas.