Bolsa de valores

Ibovespa perde forças após abertura dos EUA e cai mais de 1%

Descasamento de horário entre Bovespa e bolsas norte-americanos tem contribuído para forte volatilidade, dizem analistas; discurso de Draghi fica em evidência

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Após chegar a subir 0,83% no começo do dia, o Ibovespa perdeu forças logo após a abertura das bolsas dos Estados Unidos e passou para o campo negativo. Por volta das 16h21 (horário de Brasília), o principal índice da BM&FBovespa recuava 1,25%, aos 58.416 pontos.

Até por volta das 12h45, o Ibovespa mostrava significativa alta, mas logo perdeu forças, coincidindo com o horário de abertura dos negócios nos EUA – as bolsas norte-americanas estão abrindo às 12h30, horário de Brasília. O descasamento de horários entre a Bovespa e as bolsas norte-americanas tem provacado barulho nas mesas de operações. Os profissionais que negociam nas mesas falam sobre a falta de direção do Ibovespa e da redução de liquidez do mercado nacional.

Entre os principais destaques corporativos, as ações da LLX (LLXL3) disparam 5,88% aos R$ 2,52 – figurando na maior alta do Ibovespa, após reportar o balanço do terceiro trimestre, que mostrou alta de 2,377% na receita líquida.

Na sequência, aparecem os papéis da Cetip (CTIP3; R$ 24,38) e Cosan (CSAN3; R$ 39,78), com valorizações de 3,66% e 3,32%, respectivamente. A Cosan também divulgou bom resultado trimestral, enquanto a Cetip reportará seus números após o fechamento deste pregão. 

Europa no radar
A bolsa, contudo, também reflete a entrevista coletiva de Mario Draghi, presidente do BCE (Banco Central Europeu). O líder espera que a economia da zona do euro continue enfraquecida, mas minimizou qualquer ameaça de inflação no bloco econômico e afirmou que ela deverá cair abaixo da meta de pouco menos de 2% em 2013. Mais cedo, a autoridade monetária anunciou a manutenção da taxa de juro na região em 0,75%, como o mercado já esperava. 

No Velho Continente, um dia depois de o Parlamento grego aprovar novas medidas de austeridade fiscal, os membros do BCE (Banco Central Europeu) se reúnem para definir os próximos passos da política monetária da região do euro.

Na Inglaterra, o banco central optou pela manutenção da taxa básica de juros em 0,50% ao ano. O estoque do programa de compra de ativos também não foi alterado, permanecendo em £ 375 bilhões.

Compasso de espera
Antes de decisões importantes no cenário internacional, os investidores optam pela cautela no mercado doméstico. Na China, os agentes estão de olho na abertura do 18º Congresso do Partido Comunista, em Pequim, no qual os delegados se reunirão durante vários dias para escolher um novo líder. Xi Jinping provavelmente substituirá Hu Jintao como presidente de Estado.

Ainda nessa quinta, Hu Jintao comunicou que irá realizar reformas para tornar seu câmbio e taxa de juros mais baseados no mercado, impulsionar os investimentos no exterior e injetar mais fundos estatais na indústria como parte dos planos para dobrar o PIB (Produto Interno Bruto) até 2020. 

PUBLICIDADE

Outras referências
Por aqui, o destaque continua com a temporada de balanços corporativos, com números do terceiro trimestre da: Kroton (KROT11), Braskem (BRKM5), Banco do Brasil (BBAS3), Cosan (CSAN3), MRV (MRVE3), além das empresas de Eike Batista – CCX (CCXC3) e OGX (OGXP3).

Na agenda econômica, atenção para a primeira prévia de novembro do IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor – Semanal) e para dados de produção agrícola e indústria do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Nos EUA está prevista a publicação da balança comercial e do indicador semanal do mercado de trabalho dos Estados Unidos.